Quais as principais virtudes dos introvertidos

Sempre fui introvertida. Quando criança, no recreio da escola, preferia sentar-me em um canto a observar os demais, sem interagir. Ainda era muito nova, talvez com 6 anos de idade, quando um dia ouvi uma professora dizer à minha mãe: “Sua filha é muito tímida. Ela precisa falar mais.” PRECISA!?

Alguns anos passaram e aquela frase da professora ainda ecoava na minha cabeça. Foi então, que me dei conta que a introversão não era algo socialmente aceita. Passei a pensar então que havia algo de errado comigo.

Não me encaixava nos grupos dos “iguais”, dos teoricamente “aceitos” por todos: escola, grupinhos de amizades e as cobranças sociais assombrava-me… Sofria e pensava em mil desculpas para recusar o convite de happy hour dos colegas do trabalho. Eu só queria ir para casa e ficar na minha doce quietude.

E isso não tem nada a ver com solidão, ao contrário, são momentos em que os introvertidos repõem as energias e sentem-se completos.

A energia dos introvertidos vem de dentro, de seu mundo interior, enquanto a energia dos extrovertidos é recarregada no mundo exterior, junto à outras pessoas.

Com a maturidade e muitas reflexões aceitei-me e reconheci que não, não há nada de errado comigo. A introversão é apenas uma parte da minha personalidade.

Em uma sociedade onde as pessoas articuladas e bem-falantes são mais valorizadas, poucos reconhecem a importância dos introvertidos. Acredito que o poder deste grupo (o qual me incluo) para promover mudanças é muito maior do que se imagina.

 

Introvertidos possuem preferência para assimilar energia do mundo interior das ideias, emoções e impressões da própria pessoa.

 

A introversão pode ser um traço muito valioso para ter sucesso profissional. Pode ser um grande diferencial para quem desempenha atividades de análise e planejamento. Os introvertidos costumam captar detalhes mais facilmente, devido à sua preferência mais pela observação do que pela participação.

Mas não se engane: introvertidos participam, fazem parte de grupos, lideram. Apenas possuem tempo diferente para a ação.

 

É claro que a “balança” da sociedade sempre pendeu, e ainda pende, para os sociáveis, empolgados e tagarelas. Culturalmente, os quietos são percebidos como inseguros e hesitantes.

No fim, muita gente acaba pensando que o comportamento do extrovertido é o mais adequado para o mundo do trabalho. Mas é impossível falar em um perfil certo para o mercado, pois somos diferentes e há uma infinidade de atividades e segmentos de negócios diferenciados pedindo o profissional certo, para o lugar certo.

A diversidade de comportamentos é o que gera resultados promissores.

 

O extrovertido pode colaborar muito com sua sociabilidade, entusiasmo e facilidade de comunicação – mas o introvertido não fica atrás em número de qualidades.

Veja a seguir algumas delas:

 

  • Concentração

O introvertido dificilmente perde tempo com conversas paralelas no trabalho. Ele tem mais facilidade para segurar o foco em suas entregas.

  • Sutileza

Imerso em sua tarefa, o profissional com esse perfil costuma capturar mais facilmente os detalhes do que está fazendo. Tendem a ser mais minuciosos e precisos.

  • Percepção

Outra grande virtude do introvertido é sua capacidade de escuta e de observação. Já que consegue enxergar e ouvir o outro, ele tende a fazer análises mais profundas sobre as diversas situações de trabalho.

  • Originalidade

Em equipes dedicadas à busca por inovação, o introvertido pode ser uma peça fundamental. Ele tende a ter uma visão de mundo mais analítica e profunda, atenta a detalhes que passam despercebidos pelos outros. Por isso, consegue trazer opiniões inusitadas para a equipe de trabalho.

  • Planejamento

O introvertido tem o hábito de coletar um grande número de informações do ambiente antes de agir. Ele demora um pouco mais para agir e falar, mas exatamente por ser mais cauteloso e preparado, ele perde menos tempo lidando com surpresas desagradáveis e imprevistos.

 

 

Há algumas particularidades que os introvertidos gostariam que você soubesse sobre eles e que ajudariam em qualquer relação ou situação.

São elas:

 

  • Eles não se importam com festas.

Qualquer introvertido que trabalha em um escritório sabe como se sente ao ser empurrado para a “vaquinha do bolo”. Parece que esperam que os introvertidos respondam com o mesmo entusiasmo e interesse às festas e eventos. E ele apenas quer ir para casa, se aquietar e recarregar as suas energias. Se você não convidar o introvertido, ele não ficará ofendido. Na verdade, vai é ficar aliviado.

Quando é o seu dia de celebrar, em geral os introvertidos ficam satisfeitos em aproveitar o dia do seu jeito preferido ou com um grupo selecionado de amigos. Em geral, não possuem necessidade de fazer com que todos saibam sobre o seu próprio aniversário.

  • Introvertidos odeiam multidões.

Grandes grupos de pessoas os deixam cansados. Alguns introvertidos são sensitivos, então eles tendem a assumir a energia dos outros facilmente.

  • Não gostam de eventos de networking.

Isto é especialmente difícil para os introvertidos que dirigem um negócio. Networking é visto como se precisasse realizar algum tipo de performance. É uma luta interna para dizer a coisa certa e ouvir atentamente.

E eles não se importam uma vez que não conhecem as pessoas. Mesmo em relacionamentos de negócio, é preciso se sentir conectado com alguém em outro nível para tirar o máximo proveito de um tipo de evento assim. Isso leva tempo.

  • Eles sabem como resolver as coisas.

Eles aproveitam o tempo sozinhos com atividades, projetos, e-mails, rascunhos e planos para uma próxima grande ideia (que são muitas). Valorizam a solidão porque isso permite experimentar novos conceitos, planos e abusar da imaginação. Tudo é possível quando passam algum tempo sozinhos.

  • Adoram escrever e ler.

E por isso amam o e-mail, que os ajudam a conseguir o que precisam sem interrupções. Interrupções os tiram do foco, fazendo os gastar mais energia para retornar. Por favor, não os atrapalhe, a menos que seja uma questão de vida ou morte.

  • Introvertidos se sentem seguros com as pessoas certas.

Quando estão com as pessoas certas em suas vidas, fazem de tudo por elas. Dão o seu melhor. Basicamente tornam-se protetores e lutam pela causa de quem amam. Sentem energia diferenciada e agem de uma forma mais leve e assim brilham. São muito observadores e por isso leva um bom tempo para encontrar as pessoas certas, se conectarem de fato. Precisam sentir confiança e admiração pelo outro, e quando acontece, é definitivo.

  • Possuem amigos que realmente gostam deles.

Os introvertidos gostam das pessoas, e elas deles. A maioria dos introvertidos não têm problemas para sair em grupos, e passar o tempo com os outros. Se têm amigos, é porque conscientemente os escolheu. E estes, geralmente são poucos, mas são para a vida toda.

  • Podem fazer coisas de extrovertidos, mas só por um tempo.

O introvertido pode promover um evento, dar uma festa, desde que faça de boa vontade, sabendo que no final do dia poderá ir para casa, ficar no seu cantinho preferido e aproveitar o seu momento de silêncio. Uma boa música e um inspiradora leitura são ótimas companhias para os introvertidos.

  • Introvertido não quer dizer ser tímido.

Em um primeiro momento pode aparentar isso. E você deve procurar conhecer o introvertido primeiro. Ele poderá fazer você rir e manter uma conversa que dure por mais de 15 minutos. E é importante saber que eles não fazem isso com todos. Ser “social” ou “sociável” é uma opção, não uma maneira de ser. Não conseguem fingir felicidade ou animação e mostram o que pensam diretamente por suas reações e não tanto pelas palavras.

  • Ficam bem sozinhos.

Muita coisa acontece na cabeça de um introvertido e isso faz com que ele não precise de mais coisas. Ao contrário dos extrovertidos, eles não precisam de outras pessoas para serem estimulados.

A diversão fica com seus projetos criativos e o que faz até mesmo ficarem ‘fora do ar’ por um bom tempo. Mais pessoas, significa mais coisas para lidar, e sua energia é bem limitada para isso.

  • Odeiam conversa fiada.

Como verdadeiros pensadores, saboreiam conversas sobre grandes ideias, teorias e ideais. Raramente entram em conversa fiada ou sentem-se confortáveis em uma. Conversas e atividades aleatórias servem apenas para roubar suas energias.

  • Eles fazem uma escolha para estar com você, aprecie.

Eles valorizam o tempo que passam sozinhos e são exigentes sobre quem deixam ‘entrar’. Se a pessoa errada acaba aproximando-se, isso irá drenar a energia, ficando esgotados até para eles mesmos.

O tempo com outro é especialmente apreciado, pois eles possuem uma compreensão de limites e fronteiras de cada um.

 

Vários tipos de personalidades e comportamentos convivem no mesmo ambiente de trabalho, por isso, é importante respeitarmos essas diferenças e sabermos que nossa forma de agir pode incomodar os colegas.

Da mesma forma que queremos que respeitem nossa forma de agir e pensar, devemos respeitar as formas de agir e pensar dos nossos colegas. Claro que, tudo isso com bom senso.

Sejam quais forem essas diferenças, é importante que cada membro, da sua forma e com suas habilidades, trabalhe para que os objetivos da equipe sejam alcançados e a harmonia prevaleça no ambiente de trabalho.

Aproveite para aprender com a diversidade. Saber lidar com as diferenças no ambiente de trabalho é um ponto fundamental para seu sucesso profissional.

 

O que a proatividade tem a ver com o seu sucesso?

O que faz algumas pessoas serem bem-sucedidas na vida e outras ficarem estagnadas? O que leva algumas pessoas a alcançarem o sucesso profissional e outras a se manterem num mesmo estágio em sua carreira? O que paralisa algumas pessoas e o que é capaz de motivá-las, levando-as mais além, a conquistarem novos horizontes, um melhor desempenho? Quais talentos, valores e crenças definem as pessoas? Como as pessoas se veem diante da vida – vítimas ou autoras da sua própria história?

 

Cada um poderá responder a essas perguntas conforme sua perspectiva cotidiana, suas experiências, o ambiente em que está envolvido e conforme os valores que recebeu desde criança.

 

Você já parou para pensar que VOCÊ É ÚNICO e que não existe outra pessoa igual a você?

 

Mas o que torna uma pessoa diferente da outra muitas vezes está relacionado à sua postura. O que faz uma pessoa mudar o “rumo” da sua vida ou continuar na “mesmice” é a sua postura diante do que lhe é posto e as atitudes tomadas para encarar essas situações. Esses são fatores determinantes do sucesso ou do fracasso e o que fará qualquer pessoa alcançar um dos dois é o quão importante são os seus sonhos, objetivos, seu propósito de vida.

 

Todos os dias você decide se continua do jeito que é ou muda. Você tem o poder de participar da sua autocriação.

 

Conhecer a si próprio faz parte do entendimento dos seus comportamentos. Saber onde está (seu estado atual) e aonde quer chegar com sua postura (estado desejado – futuro) pode levá-la mais rápido ao objetivo pretendido.
Ser proativo é ter senso de prontidão e urgência, é arriscar-se a estar à frente de qualquer problema vivenciado ou que poderá acontecer se nada de positivo for feito. Ao contrário disso, pessoas que não têm esse comportamento exibem os padrões opostos: não conseguem identificar ou aproveitar as oportunidades de mudar as coisas em qualquer área de sua vida.

 

O profissional proativo tem como características: busca constante por oportunidades de mudança; execução de ideias; enfrentamento de obstáculos; sabe se opor sem criar confrontos e conflitos; tem flexibilidade a ponto de saber lidar com qualquer mudança; tem iniciativa, atitude, auto-liderança e perseverança; tem agilidade, coletividade e capacidade de gerar valor agregado ao produto; é capaz de compatibilizar inteligência, experiência e expertise, transformadas em valores éticos; tem visão global; é empreendedor e tem facilidade de inovar.

 

Entretanto, para tomar decisões corretas e antecipar-se às possíveis demandas, é preciso estar preparado e atento a todas as situações, de modo que se possa adquirir conhecimentos, experiências e informações que favoreçam uma ação pensada.

 

Profissionais proativos enxergam sempre o trabalho como sendo o seu próprio negócio, possuindo um perfil empreendedor mesmo numa estrutura organizacional.

 

proatividade no trabalho

 

Um dos grandes desafios dos recrutadores durante a seleção de um candidato é, em poucas horas, conhecê-lo tão bem a ponto de saber se o seu comportamento pessoal está alinhado às suas características profissionais. Afinal de contas, currículo e boa aparência nem sempre são suficientes para dimensionar se o candidato tem perfil proativo. Atualmente admite-se por competência e demite-se por comportamento e, para evitar que isso aconteça, é imprescindível que, além de testes de personalidade, existam testes de comportamentos práticos, em equipe ou que induza a liderança.

 

Os profissionais que possuem comportamento proativo tendem a empenhar mudanças nos ambientes em que atuam e, com isso, as empresas para as quais trabalham muitas vezes também adotam posturas proativas diante do mercado.

 

Os proativos sempre buscam maneiras de fazer melhor, mais rápido ou com menor custo aquilo que já se faz, possuindo uma capacidade de converter problemas em belas oportunidades.

 

Quando somos competentes e estamos motivados, determinados e focados os nossos pensamentos e ações superam nossas limitações.

 

Também existem algumas atitudes que comprometem a proatividade. É importante salientar que ser proativo não é sinônimo de arrogância, prepotência ou antipatia. É fundamental desenvolver  e aprimorar as competências comportamentais no dia a dia.

 

A falta de preparo e a insegurança são outros obstáculos que dificultam os profissionais a se tornaram mais proativos. As pessoas proativas devem buscar sempre respeitar as individualidades e aprender a construir com os diferentes tipos de personalidades e gerações presentes em uma equipe. Para isso, é necessário ter uma postura mais questionadora sobre elas mesmas.

 

Decisões corretas sobre pessoas exigem conhecimentos de suas individualidades e de como as habilidades de cada um podem ser reconhecidas e utilizadas da melhor maneira.

 

Ser proativo é uma escolha e está relacionado ao querer e ao agir, saindo do discurso e indo para a prática. É a capacidade de dirigir a sua própria vida – pessoal e profissional – e ter consciência de que ser competente, ter sucesso e ser feliz são atributos de sua inteira responsabilidade.

 

 

Como correr atrás de nossos sonhos?

Grandes resultados requerem grandes ambições e tudo isso pode partir de um sonho.

E mesmo sonhando, nem sempre temos atitudes para que possamos concretizá-los. Existe o querer, mas ainda falta o verbo de ação “fazer”.

Porque mais difícil que correr atrás de um sonho, é primeiro descobrir qual é este sonho.

Fácil é saber que todos queremos ser felizes. Sim. Mas o que traz felicidade plena a cada um de nós? Para uns é cantar, para outros é cozinhar, para algumas é ser mãe, para outros é ser realizado profissionalmente, para outras é viajar o mundo e tanto mais.

Fato é que a vida se torna mais leve quando descobrimos, cedo ou tarde, para que viemos. Ninguém sabe ao certo o porquê, como e para que. Mas simplesmente chega um dia, em que descobrimos em nós mesmos, aquilo que nos satisfaz a alma.

A história de quem alcança seus sonhos e se torna conhecido por isso têm nos mostrado que na hora de correr atrás de um sonho, nada deve nos desanimar. E a pessoa que mais deve acreditar nesses desejos somos nós mesmos.

 

“Ninguém nasce sabendo como chegar lá, mas todos temos conhecimento de que ninguém irá percorrer este caminho em nosso lugar.”

 

Correr atrás de um sonho às vezes se torna mais do que um objetivo de vida. Torna-se a própria vida!

Postergamos coisas importantes e adiamos realizações reais em nome de fantasias que não estão relacionadas ao sonho maior. Quando tal coisa acontecer, poderei dar seguimento em todos os demais setores da minha vida. Quando eu tiver aquele emprego, poderei pensar na minha espiritualidade, família, saúde, etc. Quando eu conseguir aquele apartamento, tudo vai estar resolvido. Condicionamos nossas vidas a algum, ou alguns, acontecimentos, como se aquilo fosse o centro de um quebra-cabeça, cujas demais peças se encaixarão automaticamente depois que a peça central for colocada no lugar. E o sonho maior não vem… não chega… ou então já estamos vivenciando o sonho só que ainda não nos demos conta de aquilo é o que realmente queríamos, e não vivenciamos as pequenas conquistas com amor e sentimento de satisfação, realização e gratidão.

É muito fácil desejar o sucesso, é muito simples sonhar com a fama e as glórias da vitória, mas o triunfo é raro porque só conseguimos passar por grandes desafios quando nos apaixonamos pelo processo.

O que é Correr atrás do meu Sonho?

Sonhos são uma excelente forma de nos motivar, mas não podemos deixar que a realidade paralela de nossa imaginação se desvincule do mundo real. Precisamos aprender a lidar com o fato de que dor e frustração são parte da vida, e que devemos apreciar e valorizar o que possuímos hoje. É importante apaixonar-se pela realidade, pelo cotidiano, valorizar os desafios. E isso também está relacionado ao nosso trabalho, profissão e aos sonhos de uma carreira bem-sucedida.

Não há dúvida, que na medida em que crescemos, a responsabilidade aumenta e o tempo diminui.  Mais este cenário não pode servir de desculpa para as pessoas não serem bem-sucedidas em suas vidas. Isso significa lembrar que sucesso na carreira não significa abandonar sonhos, mais principalmente encontrar o equilíbrio em conciliar vida pessoal com vida profissional constantemente.

Quando temos uma carreira de sucesso, o reconhecimento é de dentro para fora e de fora para dentro. Fica transparente o conjunto de contribuições verdadeiras realizadas a partir dos valores, sonhos e atitudes individuais.

 

“A carreira existe para que uma cadeia de pessoas cresça ao mesmo tempo. É pensar o tempo todo em abrir mais e mais caminhos e oportunidades para as pessoas a sua volta realizarem seus sonhos a partir de seus talentos.”

 

Carreira de sucesso não é simplesmente dinheiro, status e poder. É se propor a fazer algo, entregar e passar para as pessoas o que você aprendeu. É compartilhar ao máximo experiências, os desafios encontrados e superados para a concretização daquele sonho.

Existe uma fórmula mágica para isso? Não. Talvez algumas dicas e caminhos.

Não adianta ser um filósofo, o importante é gerar resultado mantendo os valores próprios, enxergando as diferenças das pessoas e conciliando as pressões dos chefes e acionistas versus o desenvolvimento dos talentos individuais. Este é o desafio. Identificar, conhecer e respeitar as necessidades individuais de cada um.

Se olharmos as tendências de desenvolvimento no mercado, cada vez mais precisaremos estar preparados para integrar culturas diferentes, saber lidar com a geração y, aprender sobre sustentabilidade, construir relacionamentos de longo prazo e gerir pessoas a partir de seus sonhos.

Como? Talvez aprendendo a valorizar o presente, a controlar a ansiedade, a observar e ouvir mais, a ser persistente nas ações e a inspirar um número cada vez maior de pessoas a não desistir de seus sonhos. Esta é a tarefa que apoiará daqui para frente uma carreira de sucesso que nasce a partir de uma equipe de alta performance, de relações baseadas na confiança, e de saber alavancar o verdadeiro potencial do indivíduo.

Afinal, atrás de um cargo ou de uma carreira temos seres humanos cheios de sonhos aguardando espaço e oportunidade para poder colocá-los em prática. Desta forma estaremos trabalhando em prol não só do sucesso de uma carreira mais fundamentalmente da realização pessoal.

 

Você já estava demitido, só demorou a saber.

Esta afirmação – Que você já estava demitido, só demorou a saber – pode ser muito forte, mas é um reflexo exato do que acontece nas empresas. E muitos se perguntam por que fui demitido?

 

Com exceção dos cortes gerais, aqueles em que a área ou empresa fecha e todos são demitidos, nas demais a demissão dificilmente ocorreu no dia em que você foi comunicado. Um líder avalia seus funcionários todo dia, em cada pequeno pedido, resultado, comportamento.

E se entre você e seu colega de trabalho o seu líder preferiu ficar com ele, possivelmente é porque você já tinha pontos negativos em sua avaliação – e é bem provável que nem soubesse.

Vários fatores podem ser considerados para que seu desempenho e avaliação estejam negativos – e seu emprego em jogo – e você nem está se dando conta.

 

Podemos iniciar pelos principais pontos de avaliação de um líder quando o assunto é escolher entre um integrante ou outro da equipe. E é bem provável que estes itens não estejam presentes lá na sua avaliação anual feita pela empresa.

 

Acompanhe abaixo os principais fatores para um líder, empresário ou departamentos de RH decidirem demitir funcionários.

 

  • Custo

Você faz o mesmo trabalho do que outra pessoa que ganha menos? Este ponto é polêmico, porque o salário pode ser mérito pelo tempo e realizações que você já fez na própria empresa, ou pelo seu currículo muito bem recheado.

Mas pense num exemplo prático: se você vai mandar lavar o seu carro, a lavagem é exatamente igual em dois lugares, um cobra R$ 30 e outro cobra R$ 50. As chances são grandes de você mandar no mais barato. A empresa também pensa assim. Deixe o sentimentalismo de lado, e vamos ao próximo item.

Queda de produtividade são aceitáveis até certo momento, principalmente se influenciados por fatores externos a cadeia de valor do segmento da empresa que trabalha.

 

  • Diferencial

O que você faz de realmente diferente, extraordinário, que justifique a empresa manter você? Se você não sabe, seu chefe provavelmente também não.

E voltamos ao exemplo do carro. Você prefere comprar um carro com ou sem ar condicionado, pelo mesmo valor e demais itens todos iguais? Todo mundo quer valor agregado, o famoso mais por menos. Então, se especialize em algo.

Você já deve ter ouvido mil vezes a história de ganhar por saber qual botão apertar.

 

  • Comportamento

Aqui é a história do bom e barato, mas que não dura muito tempo. Estamos falando do profissional que tem um excelente custo x benefício e alta ou boa performance: habilidades, conhecimentos, aplicação.

Mas na hora de interagir, trabalhar em equipe, ter equilíbrio emocional, etc., é uma verdadeira bomba relógio, o líder sempre tem receio de como ele vai reagir a algo novo ou quando for contrariado.

Muitas vezes seus posicionamentos são corretos e com foco na melhoria dos resultados, mas a forma de se expressar é desastrosa. O discurso padrão deste perfil é: “Eu faço meu trabalho melhor do que os demais, sou injustiçado apenas porque não concordo com eles”.

 

Em artigo escrito pelo Ricardo Karpat, diretor da Gábor RH, revela pela experiência dele que o comportamento no trabalho é um dos motivos que mais provocam demissões nas empresas, seja média, grande ou pequena e mais recorrente ainda mas pequenas organizações. O profissional é contratado pelo bom ou perfil adequado, mas dispensado pelo comportamento não adequado dentro da empresa.

 

  • Multidisciplinaridade

O maior reflexo em tempos de crise econômica. As empresas colocam um funcionário fazendo o trabalho de dois para reduzir custos e manter o funcionamento.

Você sabe fazer o trabalho de outro da equipe e aceitaria esta sobrecarga numa boa? Busque conhecer mais e mais as atividades da empresa, da área. Se envolva, interaja, mostre disponibilidade.

 

Se houve um corte na sua empresa e você foi desligado sem muita explicação, se auto avalie em cada um deste itens.

O que já aconteceu você não reverte mais, mas pode ter uma excelente reflexão sobre seus pontos fracos, erros e acertos e chances de melhoria.

Por mais que o líder devesse dar o feedback real, em nossa cultura isso não é muito comum, mas você pode refletir sozinho.

 

Se você está trabalhando e quer crescer onde está, avalie os mesmos pontos, tente aumentar sua performance e se adequar às exigências da empresa.

 

Sempre é possível ter resultados melhores, basta planejar: definir onde se quer chegar e o caminho a ser percorrido.

 

Você pode ser pego de surpresa, ficar a mercê da sorte, ou pode assumir o seu destino e traçar passo a passo o seu caminho de sucesso!

 

Essas são algumas das questões que respondem as aflições sobre “por que fui demitido”

 

 Como não ser demitido do trabalho?

 

Pergunta difícil de ser respondida. Nenhum trabalhador tem garantia permanente de que jamais será será demitido, mas algumas atitudes podem ser adotadas para que fortaleça relações duradouras nas organizações.

 

Relacionamento

O ser humano, na maioria das vezes, não consegue se relacionar bem com todas as pessoas ao seu redor.

Questões de afinidades e opiniões são divergentes. Mas isso não justifica criar atritos no ambiente de trabalho. Deve-se trabalhar para manter boas relações com todos, criar ambiente harmonioso nas relações de trabalho.

 

Produtividade e profissionalização

Para empresas que investem na capacitação profissional o processo é mais fácil. E sempre que há essa oportunidade, agarre-a.

Mas nas empresas que não possuem essa cultura o funcionário o recomendável é buscar conhecimento e se aprimorar. Melhor do que isso, aplicar os novos conhecimentos dentro da empresa. Isso faz toda a diferença.

 

Comprometimento

Cumprimentos de horários, esforços para metas, propor soluções e ideias, definitivamente qualquer ações que motive a equipe e que literalmente “abrace” as causas da empresa, além de ser motivadora para a sua satisfação profissional.

Leia também como evitar erros no trabalho