O problema do seu currículo é o modelo ou o conteúdo?

 

Muitas pessoas estão desempregadas, mandam 100, 1000 currículos e não tem retorno ou não recebem um único agendamento de entrevista em meses.

A crise está aí, as empresas realmente reduziram seus quadros de funcionários, muita gente está desempregada e neste cenário a concorrência aumenta.

Mesmo com este cenário tem empresas contratando e pessoas trocando de emprego.

Questiono: O seu produto é bom?

 

É assim que você é visto no mercado de trabalho: um produto.

 

E como todo produto, não basta ter uma embalagem bacana.

Para permanecer no mercado é preciso ter conteúdo de qualidade.

 

 

E aqui mora o perigo!

 

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

Se a sua dúvida é quanto ao formato, disposição das informações, conteúdo que deve conter no currículo está simples. Veja estes dois materiais:

Em nosso site, disponibilizamos gratuitamente 3 modelos de currículo, super modernos e atuais. É só baixar e adaptar o seu para o formato escolhido:  Clique aqui. 

Se ainda tem dúvidas, leia este artigo:   Dicas essenciais para o seu currículo. 

 

 

 

 

 

Mas agora vamos falar sobre o conteúdo.

 

 

Abaixo listo as principais causas de conteúdo que fazem um currículo ser rejeitado pelos recrutadores.

 

 

  • Falta objetividade:

Aqui não é sobre a falta de objetivos, é sobre falta de objetividade mesmo.

É o caso de currículos muitos extensos, com muitos conteúdos e que muitas vezes se repetem. Experiências muito parecidas em empresas diferentes, citados em vários lugares do currículo. Como se estivesse “enchendo linguiça”.

Seja o mais objetivo, direto e sucinto possível.

Coloque no currículo o que realmente te destaca e guarde o resto para a entrevista ou para o seu perfil no LinkedIn.

Um caso clássico é quando o profissional lista todas as atividade que fazia, inerentes ao cargo. Um exemplo é um analista de contas a pagar que cita nas principais atividades: pagar contas ou uma secretaria executiva que cita administrar a agenda dos diretores.

Lembre-se: diferencie o seu produto, coloque “o que mais você faz”, o que justificaria alguém querer muito você.

 

 

  • Pulando de galho em galho:

Experiências muito breves em muitas empresas ainda é muito mal visto.

Hoje as pessoas não seguem mais o padrão antigo, de entrar e se aposentar na mesma empresa. Testar, experimentar atividades e culturas empresariais não é ruim. Mas deve haver um limite.

Ficar menos de 1 ano em cada empresa demonstra instabilidade. Ou você foi demitido logo ou é o típico funcionário insatisfeito, que logo quer sair. Nenhuma empresa quer estes perfis.

A solução? Tente ficar mais tempo no próximo emprego!

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

  • Falta de congruência entre experiências e formações:

A formação é em humanas e toda experiência é em exatas. Ou o contrário.

É muito típico em currículos de profissionais que começaram a trabalhar primeiro e depois buscaram formação. Isso cria uma lacuna e o recrutador não consegue entender qual a linha de crescimento de carreira daquele candidato:

       – Será que ele quer continuar trabalhando no que tem experiência ou no que se formou?

Aqui a grande saída é conseguir deixar claro o objetivo e as pretensão. O que você deseja fazer daqui pra frente? E se você não sabe, não será o recrutador que vai te apoiar.

Um processo de coaching ou um bom planejamento de carreira podem te ajudar.

Defina seu direcionamento de carreira e deixe isso claro no currículo. Escreva uma carta de apresentação que te ajude a contar seu histórico e ambições ao recrutador, esclarecendo e conectando formações e experiências.

 

  • Excesso de experiência e falta de formação (o contrário também é válido):

É o típico currículo recheado de experiências mas sem formação equivalente. Enquanto você está na mesma empresa ou trabalhando com pessoas que te conhecem, é muito válido. Mas quando seu currículo vai para as mãos do recrutador a primeira coisa que ele irá ver é se você atende aos requisitos da vaga.

Formação superior, MBA, Inglês fluente: hoje são pedidos mínimos de muitas vagas.

Não adianta ser um excelente profissional se você não tiver uma formação condizente com a posição que está buscando.

Você faria uma cirurgia com um médico que não tem formação em medicina?

Um outro item muito importante: cursos extras, participação em feiras e eventos da sua área de atuação, publicações, voluntariado. Tudo soma.

Isso mostra que você está preocupado com o seu desenvolvimento, com as pessoas em volta – transmitir o conhecimento e buscar se atualizar sobre as tendências da sua área e do mercado de trabalho.

 

  • Experiências e informações defasadas

Aquele curso de MS-DOS não serve mais pra nada.

Parece piada, mas tem pessoas que ficaram “reféns” da desatualização da empresa onde trabalharam o último período – e principalmente se o período foi extenso.

Tudo o que sabem ou que fazem já não está mais em uso e o mercado de trabalho não perdoa.

Assuma a responsabilidade sobre a sua carreira.

Se a empresa onde você trabalha ou trabalhou possui sistemas, equipamentos, processos defasados e você nada podia fazer pela empresa – muitas não aceitam mudanças – mude você!

Busque se atualizar e se qualificar de outras formas.

Volte para a cadeira da escola ou dê um passo atrás na sua carreira para poder se reciclar. Ou os dois.

 

 

Planeje e acompanhe a sua carreira sempre.

Não basta fazer um planejamento e seguir à risca.

É preciso ser flexível, antenado e resiliente.

 

Enquanto você se empenha, o tempo passa. Seus sonhos mudam, suas ambições mudam, as empresas mudam.

A empresa que um jovem sonha em trabalhar pode não existir mais quando ele se formar, mas novas empresas surgirão.

Empregos e funções acabam. Outras aparecem.

 

O principal é você estar atualizado e no controle de sua carreira.

 

 

 

Continue conectado...

Compartilhe!