4 Passos Para Fazer Uma Transição de Carreira

Processo de transição de carreira - ilustração

 

Já pensou em fazer uma transição de carreira? Não importa o motivo, se é por insatisfação profissional, necessidade pessoal ou simples vontade de mudança:

 

Sempre há dúvidas sobre estar na profissão certa…

 

Neste artigo vamos abordar os seguinte assuntos para você que pretende fazer uma transição de carreira e melhorar a satisfação profissional:

 

  • O conceito sobre ter optado pela melhor formação profissional
  • A falta de tempo e a queda na qualidade de vida
  • Por que há desmotivação?
  • Falta de desafios
  • Processo de transição de carreira em 4 passos incríveis

Por que muitas vezes desejamos fazer uma transição de carreira?

 

 

São inúmeras as causas que levam as pessoas a desejarem uma transição de carreira, porém muitos não sabem como fazer a transição, por onde começar e nem qual o melhor caminho a seguir.

 

 

Neste artigo cheio de informações úteis e esclarecedoras conheça 4 passos fundamentais para o processo de transição de carreira.

 

 

Antes, entenda o começo de tudo

 

 

O modelo de carreira que muitos de nós seguimos até hoje é totalmente linear e oriundo da Revolução Industrial.

 

Ter uma boa formação, arrumar um emprego numa grande empresa, trabalhar 20, 30 anos na mesma área de atuação, com duas possíveis variações: ser especialista ou gestor.

Casar, ter filhos, trabalhar bastante para proporcionar o máximo conforto e educação para eles. Se aposentar e pensar em como viver o “resto da vida”.

 

 

Foi o sonho dos seus avós, dos seus pais e, passado de geração em geração, talvez tenha sido a sua primeira opção como roteiro para a vida feliz e bem sucedida.

 

 

Quem não ouviu histórias de garotos e garotas que são incentivadas a seguir carreiras conhecidas como “valorizadas”, no caso advocacia ou medicina, por exemplo, apenas por que a família deseja?

 

Mas não existe só um caminho do sucesso profissional.

 

E saber disso muda completamente a forma de lidar com os sintomas da insatisfação profissional.

 

 

Muitas pessoas estão infelizes e insatisfeitas nas suas carreiras e não sabem que é possível mudar de área de atuação a partir dos conhecimentos e aprendizados que já possuem.

 

Aliás…

 

Você sabe as causas e sintomas da infelicidade no trabalho?

 

Falta de tempo e queda na qualidade de vida

 

Uma das principais queixas de quem está infeliz na carreira atual é sobre a falta de tempo pra vida pessoal. Muita gente reclama de não ter mais tempo para a família e para os amigos.

 

Geralmente, são pessoas com uma carreira promissora, bem desenvolvida, muitas vezes com sucesso profissional, mas que acabaram perdendo a qualidade de vida, o convívio com a família, o auto-cuidado.

 

Pessoas que não encontram mais tempo para o lazer ou para uma atividade física. Em muitos casos, a saúde já está comprometida e a pessoa segue em ritmo alucinante de estresse e cansaço.

 

Pessoas que se enquadram neste item costumam, quando em estado avançado de desgaste, entrar em quadros de doença psicológica, como burnout, depressão e síndrome do pânico, ou problemas físicos, como aumento de pressão arterial, dores de estômago, falta ou excesso de sono.

 

Nesse caso, antes de uma transição de carreira, é preciso cuidar da saúde.

 

 

Desmotivação e o Piloto Automático ligado

 

Outra grande queixa é quanto a entrar no chamado “piloto automático”.

A pessoa não sente mais prazer, não sabe mais por que está ali, naquele cargo, naquela empresa, e torce para acabar logo o dia, ou a semana, para ir embora para casa.

 

Quem está no piloto automático não dá a mínima para o que faz e não sente interesse genuíno no trabalho e nas atividades cotidianas, não sente realização.

 

Tudo fica muito pesado.

 

Então, a pessoa acaba procrastinando, buscando realização e satisfação em outras tarefas particulares, ou fazendo coisas à toa, como navegar na internet sem foco e sem necessidade. Com isso, elas perdem produtividade e precisam ficar até mais tarde. Vira um ciclo quase sem fim.

 

Falta de Desafios e Oportunidades

 

Em outros casos, a pessoa sabe que está numa carreira que gosta, sabe que teve resultados bons, mas não enxerga mais os próximos passos, não vê chance de crescimento, desenvolvimento, não sabe se fez a escolha certa ou se era mesmo aquele caminho, apesar de já ter tido sucessos, ter resultados positivos.

 

Olha para frente e não enxerga se sua vida profissional continua por aquele caminho, que é a carreira que ela quer seguir.

 

 

Não importa o grau do desconforto que você esteja vivendo.

 

O importante é identificar que qualquer tipo de incômodo, por maior ou menor grau que ele venha, são sinais importantes.

 

Os incômodos são sinais de que tem alguma coisa errada que precisa ser mudada.

O incômodo é como se fosse uma ferida aberta. Então, é preciso olhar para essa ferida para buscar a cura. Para entender o porquê desse incômodo existir.

 

E por que muitas vezes as pessoas acabam travando nas decisões profissionais?

As escolhas de carreira são feitas por modelos e pelos caminhos mais fáceis ou conhecidos.
Na maioria das vezes, na hora de escolher uma profissão, acabamos escolhendo as carreiras tradicionais ou aquela profissão em que você já conhece alguém que trabalha naquilo, ou então a profissão do momento, a que paga bem.

 

Em geral fazemos a escolha profissional sem grande embasamento, na maioria das vezes, de uma forma muito precoce, num momento da vida que ninguém está ainda pronto.

 

Ilustração sobre o sonho de mudar de carreira que gosta

 

 

Neurologicamente, as pessoas ainda não estão prontas na adolescência para fazer escolhas, mas são obrigadas a tal definição (pense bem quando encontrar um adolescente e for perguntar pra ele o que ele quer ser quando crescer!).

 

E mais: só depois que iniciamos em determinada profissão é que iremos avaliar se gostamos ou não, se a realidade era aquilo mesmo que sonhamos (porque também existe uma lacuna enorme entre o sonho e o dia a dia profissional).

 
O que falta no Brasil e em muitos países do mundo é um preparo adequado para a escolha da profissão ideal. Mas enquanto não somos ainda eficientes nisso, saiba que sempre há tempo de mudar.

 

E, então, é muito comum as pessoas entrarem no famoso piloto automático, o famoso “tá ruim mas tá bom”.

 

É esse piloto automático que faz com que as pessoas se acostumem com uma coisa, mesmo que ela seja ruim. O piloto automático condiciona a seguir naquele caminho e a fazer o que todo mundo faz, achar normal a vida que se tem, sem questionar.

 

 

Você olha em volta e vê que está todo mundo feliz, vê que todo mundo faz algo parecido com o que você faz, o mesmo estilo de vida, as mesmas dificuldades.

 

Mesmo você se sentindo infeliz no seu trabalho, você percebe que todos seguem o mesmo caminho e você acha que não tem motivos para reclamar e se sentir infeliz. “Eu devo ser o errado, fora da curva”.

 

Mas o mundo gira… e cada vez mais rápido!

 

Sentir estes desconfortos na carreira – e os impactos que nossas escolhas profissionais trazem para a vida, tem muita ligação com as pessoas começarem a entender que, talvez, estes modelos de sucesso em vigor não sirvam para todos.

 

Que precisamos olhar muito mais para o que realmente faz sentido em nossas vidas e fazer adaptações conforme experimentamos viver, conforme as situações ocorrem.

 

Tem muita gente que vai fazer uma coisa e irá se sentir super-realizado com aquilo. E o outro, não. E tudo bem.

 

Porque as escolhas teriam que estar muito mais ligadas com quem somos do que com o que os outros esperam de nós.

 

Estar desconfortável, sentindo que algo poderia ser diferente, que poderia ser melhor, que poderia fazer algo novo, que poderia ter resultados diferentes, não é coisa de gente fracassada e que não está preocupada com a carreira.

 

Pelo contrário.

 

Essa preocupação é uma preocupação legítima de quem realmente está consciente, de quem se preocupa, de quem tem responsabilidade, de quem quer resultados.

 

Mas que deseja resultados que tenham a ver com quem se é.

 

 

Trabalho deve ser fonte de prazer e felicidade.

Não de sofrimento ou pura obrigação.

 

 

Mas, então, como fazer uma transição de carreira e buscar um trabalho que faça sentido?

 
 
Ilustração sobre como mudar de carreira, os processos
 

Veja aqui 4 passos para ter um adequado processo de transição de carreira

 

1. Pense em Novas Possibilidades

Faça as seguintes perguntas:

  • O que mais eu posso fazer?
  • No que mais eu posso usar as minhas habilidades?
  • As minhas experiências, os meus conhecimentos, as minhas relações todas. Onde mais eu posso aplicar isso?

Essa é a hora em que um engenheiro pode virar um assessor financeiro, porque ele entende muito de cálculo e tem facilidade com números, por exemplo.

 

2. Qual o Seu Propósito?

O meu propósito é o porquê eu faço alguma coisa.

Propósito não tem nada daquelas questões mágicas.

O propósito é por que eu faço o que faço.

  • Por que eu levanto de manhã e vou trabalhar?
  • Por que eu quero trabalhar?
  • Por que eu preciso desse dinheiro?

Busque estas respostas em você.

 

3. Valores Pessoais

  • O que é importante para você, de verdade?
  • Quais são as causas que te motivam?
  • Pelo que você briga? O que você realmente acredita?

 

Se o seu propósito não estiver alinhado ou seus valores estiverem sendo corrompidos, vai sempre ficar um sentimento de vazio, um sentimento de que falta alguma coisa.

 

 

4. Teste Uma Nova Ideia

Isso é uma questão muito forte, porém muitas vezes negligenciada até o limite. Muita gente deixa para testar a nova ideia em momentos de risco.

 

 

O Brasil é o país onde mais se fecham empresas nos primeiros dois anos.

 

As pessoas abrem empresas em situações vulneráveis, muitas vezes em pleno desemprego e sem reserva financeira – e elas não param de pé. Porque a pessoa abre o seu negócio sem o planejamento que precisava ou na hora em que não tem outra opção.

 

Sempre que possível, deve-se testar primeiro a viabilidade, testar se você gosta realmente daquilo, se a ideia realmente tem futuro, para então iniciar a mudança.

 

E como testar?

 

Cursos rápidos. Aqui, você já começa a ter interação com aquela nova realidade, com pessoas ligadas àquela atividade.

 

Networking. Começar a estreitar o networking na área onde quer começar a atuar. Comece a falar com pessoas que também tenham um negócio muito parecido com o que você quer criar. Estabeleça contatos.

 

Converse com pessoas da área. Se você quer mudar de profissão, converse com pessoas que estão na área nova. Converse com pessoas que vão te falar a realidade como está aquela área de atuação.

 

Inicie algo de forma paralela. De preferência, de formato pequeno. Veja se tem aceitação e se tem mercado aquilo que você quer fazer. Teste de uma forma menor e vá aumentando conforme os resultados aparecendo, ampliando o modelo.

 

 

Ilustração sobre o tempo no trabalho. Processos de transição de carreira

 

 Extra: assista ao vídeo exclusivo sobre transição de carreira

E por que muita gente mesmo sabendo que as coisas vão mal, não mudam?

 

A maior parte das pessoas não muda por medo.

 

O medo impede a gente de realizar coisas novas, de mudar, de tentar coisas diferentes, de quebrar padrões.

 

Quantas vezes você queria fazer algo novo, ficou ensaiando, com medo e, quando fez, o ato aconteceu rápido, você conquistou, deu certo? Quantas vezes perdemos mais tempo com o medo do que com a execução?

 

O medo faz com que as pessoas se limitem o tempo inteiro. Elas se boicotam, se sabotam, atrasam sonhos e atrasam projetos.

 

O que não significa que não é preciso avaliar riscos. Tem sim que avaliar.

 

O medo deve servir para prevenir, não para limitar.

 

Faça um planejamento para tentar analisar esses impactos e riscos. 

Isso diminui o medo, mas você tem que entender de onde vem o medo, se ele é real e o que você pode fazer para prevenir os riscos.

 

 

Dessa forma, é possível passar pelo processo de transição de carreira de forma mais segura e eficaz.

 

Neste link tem um vídeo onde falo um pouco mais sobre Transição de carreira

 

 

Que muitas profissões estão com os dias contados, isso não é mais novidade. Algumas pessoas já sentem na pele a dificuldade para encontrarem uma vaga, uma oportunidade para continuarem fazendo o que sempre fizeram.

 

Haja vista a área de tecnologia. Existem inúmeras agências digitais e empresas correlatas que abrem oportunidades de trabalho para profissões que até poucos anos não existiam. O mercado está dinâmico, essa é uma nova realidade que também serve como portas oportunas para mudar de carreira que te satisfaça.

 

Aqui, lanço uma provocação: será que não é hora de se reinventar, de fazer algo diferente, algo novo, utilizando seus conhecimentos e experiências de outra forma? Com as mudanças acontecendo cada vez de forma mais acelerada, precisamos nos reinventar – seja na função atual, aprendendo e aplicando novos conhecimentos e habilidades, seja para mudar radicalmente.

 

 

E ainda temos mais um elemento: trabalharemos cada vez mais e precisaremos da renda e da ocupação saudável!

 

Xô aposentadoria, trabalharemos até os 70, 80, 90, 100 anos.

 

 

E não será fazendo a mesma atividade que fazemos hoje. Com este novo cenário, uma pessoa fará durante sua vida de 3 a 8 transições de carreira!!! Não importa qual a sua situação atual, pensar em transição de carreira é algo fundamental.

 

 

Realizamos uma consultoria em Reinvenção Profissional que pode te ajudar a ter clareza e planejamento para uma transição mais tranquila e segura  

 

 

Leia aqui mais informações 

 

 

Como se destacar e fazer negócios no LinkedIn

Escrevi este artigo porque a maioria inquestionável dos meus clientes de Coaching (em busca de recolocação ou aumento de resultados profissionais) e Mentoria (criação e expansão de seus negócios), sempre chegam até mim com seus perfis incompletos e desacreditados com o poder que existe no LinkedIn.

 

Assim que dedicam atenção na correta utilização do LinkedIn conquistam rapidamente excelentes resultados e interações!

 

Resultados de uma mentorada: + de 250% de crescimento de visualizações do perfil com apenas 1 semana aplicando minhas técnicas e estratégias.
Resultados de uma mentorada: + de 250% de aumento nas visualizações do perfil com apenas 1 semana aplicando minhas técnicas e estratégias.

 

No decorrer desta leitura você saberá, de maneira prática, exatamente onde e como deve investir seu tempo no LinkedIn.

 

Sou usuária do LinkedIn desde 2011, mas somente no final de 2015 comecei a realmente utilizar a rede social de forma efetiva, e com três objetivos bem claros:

 

  • Produzir e distribuir conteúdos que ajudem as pessoas a pensarem e planejarem a carreira;
  • Consolidar minha marca pessoal, como especialista tem minha área de atuação;
  • Estabelecer novos contatos, parcerias e fomentar negócios.

 

Com um trabalho consistente e planejado, o LinkedIn passou a ser a minha principal rede social e hoje consigo mensurar ganhos em todos os objetivos ao qual me propus.

 

 

Em 2017 o LinkedIn alcançou a marca de 500 milhões de usuários, sendo que destes mais de 29 milhões estão no Brasil. Somos o terceiro maior mercado da rede social profissional, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e Índia. E você, sabe como se destacar no LinkedIn?

 

São muitas as possibilidades e oportunidades disponíveis no LinkedIn e para potencializar sua atuação na rede e colher bons resultados é necessário atuar em 3 pilares:

 

  • Possuir um Perfil Campeão, otimizado e completo, com informações organizadas e bem expostas.
  • Interagir e construir relacionamentos: apoiar e ampliar a sua rede, contribuir com os demais profissionais e participar de grupos.
  • Produzir conteúdos, compartilhar conhecimentos e ideias.

 

Abordarei neste artigo como ter bons resultados nestes três pilares.

 

Ao longo destes anos o LinkedIn passou por várias e consistentes transformações, incorporando ambientes de aprendizagem, editorial de artigos e possibilitando o compartilhamento de vídeos, entre outras mudanças.

 

Assim, a plataforma que já foi vista por muitos como local para busca e oferta de empregos passou a se tornar uma imensa oportunidade de apresentação de soluções, conteúdo, networking e exposição de marca profissional e empresarial.

 

 

 

 

Você pode continuar acreditando que o LinkedIn serve apenas para procurar emprego ou…

 

… pode usá-lo como uma excelente ferramenta de colaboração, networking ativo, aprendizado,  fortalecimento de sua imagem e presença profissional e também para conquistar um novo emprego ou novos negócios.

 

 

 

O que você deve ter em mente, antes de escrever seu perfil ou começar a postar e interagir, se deseja se posicionar estrategicamente:

 

  • Qual o seu objetivo na rede? 
  • Qual o seu público-alvo (com quem você irá se comunicar)?
  • Sobre qual tema quer ser reconhecido?
  • Como quer ser visto?

 

 

Depois de refletir, é hora de ir pra ação!

 

 

Para quem está começando ou quer melhorar o perfil, separei algumas dicas fundamentais para o sucesso na rede:

 

 

  1. Mantenha seu perfil atualizado

 

Ter um perfil e nunca atualizá-lo, ou inserir dados incompletos não significa que você está presente de fato no LinkedIn.

É essencial que o seu perfil esteja atualizado e que cada nova informação seja inserida.

 

Participou de um curso, escreveu um artigo, tirou um novo certificado, realizou algo a mais no seu trabalho?

Acesse sua conta e insira a informação.

 

Ao contrário do currículo, cada vez mais enxuto e direto, no LinkedIn é possível inserir todas informações, como trabalhos e resultados em projetos, trabalhos voluntariados, causas que apoia, recomendações, etc.

 

É fundamental também manter os dados de contato atualizados!

 

 

Sobre o título do perfil,  existem duas opções principais:

 

A mais tradicional, com o cargo ou área em que você atua (Engenheiro, Gerente, Analista, etc). Se você busca recolocação, mencione 2 ou 3 objetivos no título e na sequência, insira “Em busca de recolocação”. Assim, você terá como cargo, por exemplo:

“Engenheiro Mecânico  |  Gerente de Projetos  | Em busca de recolocação”

 

 

A mais ampla, usada por muitos profissionais da área de negócios ou com papéis multidisciplinares, onde utilizam-se de uma frase citando sua expertise ou serviço. Por exemplo, a minha. Ao invés de falar meu cargo (coach, treinadora, empreendedora, consultora de negócios, mentora), eu digo que “Ajudo as pessoas a serem mais felizes no trabalho” , que fala sobre a transformação que eu trago para as pessoas, dentro dos meus processos.

 

CLIQUE AQUI e saiba o que fazer para que o seu perfil salte diante dos Recrutadores! 

 

 

 

  1. A foto do perfil

 

 

A foto do perfil no LinkedIn deve ser coerente com a sua função e área de atuação.

Se sua profissão permite informalidade pode inserir uma foto mais descontraída, do contrário, opte pelo tradicional.

 

 

Na dúvida: qual foto sua você usaria em uma apresentação no trabalho?

Poste algo similar. O LinkedIn foi desenvolvido para que você compartilhe informações e conteúdos profissionais, logo a sua foto deve ter o mesmo objetivo.

 

E atenção: Perfil sem foto tem muito mais chance de ser recusado em solicitações de contato e por recrutadores.

 

 

Não esqueça também da foto de capa: você pode elaborar uma imagem, usando um editor de fotos, ou pode escolher uma imagem que represente bem a sua área de atuação.

 

 

  1. Faça um bom resumo

No resumo você tem uma excelente oportunidade para se apresentar, usando até 2 mil caracteres. Como o LinkedIn funciona por algoritmos,  quanto mais palavras-chave você utilizar no texto, mais chance de ser encontrado nas buscas.

 

Um bom resumo é escrito em primeira pessoa (eu sou, eu fiz!)  e contêm 3  etapas:

  • O seu interesse e objetivo – para onde quer ir;
  • Suas realizações, diferenciais e o que já fez até aqui;
  • A base: os conhecimentos e certificados principais.

Faça um resumo mostrando ao mundo quem você é profissionalmente, destaque experiências relevantes e sua contribuição para o sucesso dos projetos e as empresas onde atuou.

 

No resumo existe uma funcionalidade pouco explorada: você pode utilizar hyperlinks e anexar documentos.

 

Aproveite este recurso para inserir vídeos, seu portfólio, o currículo, cartas de recomendação ou fotos. Só não esqueça que tudo deve ser relevante à sua área de atuação e deve estar sempre atualizado.

 

 

  1. Qual o melhor idioma para o perfil? Português ou Inglês?

 Sempre monte o seu perfil no seu idioma nativo, em nosso caso, português.

 

Após completar o seu perfil, o LinkedIn oferece a opção “criar perfil em outro idioma”. Ele vai espelhar todos os dados, com os títulos no idioma selecionado. Você terá apenas o trabalho de traduzir.

Como fazer:

Entre no seu perfil e no canto superior direito clique em “Adicionar perfil em outro idioma”.

Clique e… pronto!

Escolha entre mais de 20 idiomas, aqueles que você precisa.

 

 

O perfil é apresentado conforme a opção de linguagem escolhida pelo usuário.

 

Mas você precisa ter um perfil em outro idioma?

Eu costumo analisar de forma simples: para a vaga / função em que você atua ou para a sua rede de relacionamentos, existe a necessidade de um segundo ou terceiro idioma? Se a resposta for sim, é necessário o perfil em outros idiomas.

Opte pela necessidade real e apenas se o seu domínio do idioma for fluente ou avançado.

 

Não se esqueça de que como a busca acontece por palavras-chave, caso você use uma palavra em português e o recrutador busque em inglês, ou vice-versa,  você não será localizado.

 

 

  1. Personalize a URL (endereço web) do seu perfil

 

Já se deparou com links compartilhados de perfil do LinkedIn cheias de letras e números? A sua é assim?

É bem difícil digitar tudo aquilo! E mais, o perfil não é considerado otimizado (Perfil Campeão) pelo algoritmo do LinkedIn, o que dificulta sua visibilidade de perfil.

 

Mas aqui vem a boa notícia!!!

O LinkedIn permite que você personalize a sua url.

 

Como fazer:

No seu perfil, acesse o painel de edição do perfil  no canto superior direito e clique em

“Editar Perfil Público e URL”

Clique no lápis azul e edite a url do seu perfil para o seu nome e sobrenome ou nome e profissão.

 

Alguns Exemplos:

linkedin.com/in/seunome/

linkedin.com/in/profissãoeseunome/

  1. Interaja 

Interagir é onde a maioria dos usuários falha.

Acabam criando um perfil que com o tempo fica esquecido na rede.

 

Para evitar esse erro, eu divido o item interagir em três pontos principais:

 

Aumentar a rede:

  • Busque pessoas que você conheceu em empregos anteriores, cursos, encontros ou por interesses em comum.
  • Participe de grupos que tenham interações dentro do tema que você definiu ser especialista.
  • Apresente-se para as pessoas que te adicionam, enviando uma mensagem curta e cordial.

 

Compartilhar e ajudar:

  • Peça e dê recomendações de pessoas que trabalharam ou que fizeram negócio com você utilizando um texto interessante e profissional. Peça recomendações também.
  • Compartilhe artigos e notícias inerentes à sua área, contribuindo com a sua visão sobre o tema.
  • Compartilhe vagas da sua região, área de atuação ou que possam ser de interesse da sua rede de contatos.

 

Tudo é valido para manter sua rede de contatos aquecida, desde que seja com o foco em ajudar e de forma ética.

 

CLIQUE AQUI  para entender como o você pode encontrar LEADS qualificados e desenvolver novos negócios no LinkedIn! 

 

 

Acrescentar:

É a sua hora de gerar conteúdo e mostrar domínio nos temas da sua área.

 

Os conteúdos podem ser:

  • Posts curtos, de até 1300 caracteres. Preferencialmente comente assuntos atuais e de fácil leitura.
  • Vídeos curtos, de até 10 minutos.
  • Artigos – textos mais completos, com referências ou opiniões mais aprofundadas. Aqui é possível inserir links, imagens e vídeos, acrescentando outras fontes e ilustrações ao seu conteúdo (inclusive outros materiais produzidos por você).

 

Nos grupos e posts, participe ativamente acrescentando informações novas e relevantes ou abrindo novas discussões e reflexões que agreguem conhecimento.

 

 

 

Estas dicas vão ajudar você a ampliar a sua rede e aumentar a sua visibilidade,  entretanto não se esqueça de 3 regrinhas básicas:

 

 

Cuidado com a ortografia – capriche no português, se possível peça para mais de uma pessoa revisar o seu perfil.

 

Seja honesto – não minta e não tente parecer ser quem você não. Também nunca ofereça algo que não possa cumprir ou com interesses “obscuros”. Trate as pessoas e os negócios com clareza e ética.

 

Cuide da sua imagem – as redes sociais devem refletir sua postura profissional no mundo real. Cuidado com discussões que ultrapassem o limite da cordialidade, brincadeiras ou temas impróprios para o ambiente profissional. Na dúvida, pense: você trataria o tema da mesma forma numa mesa de reunião? 

 

 

 

Além da plataforma principal

 

Para dispositivos móveis, além da rede oficial, o LinkedIn possui mais 5 aplicativos:

  • SlideShare;
  • Groups;
  • Sales Navigator;
  • Job Search;
  • Recruiter.

 

Cada qual com sua funcionalidade e objetivo, sendo que os 2 últimos são os mais importantes para quem deseja encontrar uma vaga.

Lembre-se de preencher o campo “interesses de carreira” , onde você informa quais regiões, cargos e interesses possui.

 

 

Agora é com você!  Faça os ajustes no seu perfil, siga nossa página no LinkedIn e interaja com a gente por lá.

 

 

 

Para ajudar a aprofundar no tema criei um curso 100% online e com investimento acessível onde ensino ponto a ponto:

 

 

Planejar a atuação, construir cada etapa do perfil, criar conteúdos e fazer pesquisas, interagir com a rede da melhor forma e muito mais, de forma bem detalhada.

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

 

 

Me acompanhe também pelo LinkedIn:

Lilian Sanches – Perfil LinkedIn

 

 

 

 

E proteja-se dos oportunistas! 

 

Leia este artigo onde eu falo  Sobre Fraudes, Golpes e Oportunistas no LinkedIn – E dicas para se proteger!

 

 

O problema do seu currículo é o modelo ou o conteúdo?

 

Muitas pessoas estão desempregadas, mandam 100, 1000 currículos e não tem retorno ou não recebem um único agendamento de entrevista em meses.

A crise está aí, as empresas realmente reduziram seus quadros de funcionários, muita gente está desempregada e neste cenário a concorrência aumenta.

Mesmo com este cenário tem empresas contratando e pessoas trocando de emprego.

Questiono: O seu produto é bom?

 

É assim que você é visto no mercado de trabalho: um produto.

 

E como todo produto, não basta ter uma embalagem bacana.

Para permanecer no mercado é preciso ter conteúdo de qualidade.

 

 

E aqui mora o perigo!

 

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

Se a sua dúvida é quanto ao formato, disposição das informações, conteúdo que deve conter no currículo está simples. Veja estes dois materiais:

Em nosso site, disponibilizamos gratuitamente 3 modelos de currículo, super modernos e atuais. É só baixar e adaptar o seu para o formato escolhido:  Clique aqui. 

Se ainda tem dúvidas, leia este artigo:   Dicas essenciais para o seu currículo. 

 

 

 

 

 

Mas agora vamos falar sobre o conteúdo.

 

 

Abaixo listo as principais causas de conteúdo que fazem um currículo ser rejeitado pelos recrutadores.

 

 

  • Falta objetividade:

Aqui não é sobre a falta de objetivos, é sobre falta de objetividade mesmo.

É o caso de currículos muitos extensos, com muitos conteúdos e que muitas vezes se repetem. Experiências muito parecidas em empresas diferentes, citados em vários lugares do currículo. Como se estivesse “enchendo linguiça”.

Seja o mais objetivo, direto e sucinto possível.

Coloque no currículo o que realmente te destaca e guarde o resto para a entrevista ou para o seu perfil no LinkedIn.

Um caso clássico é quando o profissional lista todas as atividade que fazia, inerentes ao cargo. Um exemplo é um analista de contas a pagar que cita nas principais atividades: pagar contas ou uma secretaria executiva que cita administrar a agenda dos diretores.

Lembre-se: diferencie o seu produto, coloque “o que mais você faz”, o que justificaria alguém querer muito você.

 

 

  • Pulando de galho em galho:

Experiências muito breves em muitas empresas ainda é muito mal visto.

Hoje as pessoas não seguem mais o padrão antigo, de entrar e se aposentar na mesma empresa. Testar, experimentar atividades e culturas empresariais não é ruim. Mas deve haver um limite.

Ficar menos de 1 ano em cada empresa demonstra instabilidade. Ou você foi demitido logo ou é o típico funcionário insatisfeito, que logo quer sair. Nenhuma empresa quer estes perfis.

A solução? Tente ficar mais tempo no próximo emprego!

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

  • Falta de congruência entre experiências e formações:

A formação é em humanas e toda experiência é em exatas. Ou o contrário.

É muito típico em currículos de profissionais que começaram a trabalhar primeiro e depois buscaram formação. Isso cria uma lacuna e o recrutador não consegue entender qual a linha de crescimento de carreira daquele candidato:

       – Será que ele quer continuar trabalhando no que tem experiência ou no que se formou?

Aqui a grande saída é conseguir deixar claro o objetivo e as pretensão. O que você deseja fazer daqui pra frente? E se você não sabe, não será o recrutador que vai te apoiar.

Um processo de coaching ou um bom planejamento de carreira podem te ajudar.

Defina seu direcionamento de carreira e deixe isso claro no currículo. Escreva uma carta de apresentação que te ajude a contar seu histórico e ambições ao recrutador, esclarecendo e conectando formações e experiências.

 

  • Excesso de experiência e falta de formação (o contrário também é válido):

É o típico currículo recheado de experiências mas sem formação equivalente. Enquanto você está na mesma empresa ou trabalhando com pessoas que te conhecem, é muito válido. Mas quando seu currículo vai para as mãos do recrutador a primeira coisa que ele irá ver é se você atende aos requisitos da vaga.

Formação superior, MBA, Inglês fluente: hoje são pedidos mínimos de muitas vagas.

Não adianta ser um excelente profissional se você não tiver uma formação condizente com a posição que está buscando.

Você faria uma cirurgia com um médico que não tem formação em medicina?

Um outro item muito importante: cursos extras, participação em feiras e eventos da sua área de atuação, publicações, voluntariado. Tudo soma.

Isso mostra que você está preocupado com o seu desenvolvimento, com as pessoas em volta – transmitir o conhecimento e buscar se atualizar sobre as tendências da sua área e do mercado de trabalho.

 

  • Experiências e informações defasadas

Aquele curso de MS-DOS não serve mais pra nada.

Parece piada, mas tem pessoas que ficaram “reféns” da desatualização da empresa onde trabalharam o último período – e principalmente se o período foi extenso.

Tudo o que sabem ou que fazem já não está mais em uso e o mercado de trabalho não perdoa.

Assuma a responsabilidade sobre a sua carreira.

Se a empresa onde você trabalha ou trabalhou possui sistemas, equipamentos, processos defasados e você nada podia fazer pela empresa – muitas não aceitam mudanças – mude você!

Busque se atualizar e se qualificar de outras formas.

Volte para a cadeira da escola ou dê um passo atrás na sua carreira para poder se reciclar. Ou os dois.

 

 

Planeje e acompanhe a sua carreira sempre.

Não basta fazer um planejamento e seguir à risca.

É preciso ser flexível, antenado e resiliente.

 

Enquanto você se empenha, o tempo passa. Seus sonhos mudam, suas ambições mudam, as empresas mudam.

A empresa que um jovem sonha em trabalhar pode não existir mais quando ele se formar, mas novas empresas surgirão.

Empregos e funções acabam. Outras aparecem.

 

O principal é você estar atualizado e no controle de sua carreira.

 

 

 

Dicas essenciais para o seu currículo

Você tem dúvidas sobre como preencher o seu currículo, se tem informações a mais ou a menos, sobre como disponibilizar as informações e deixar o seu currículo atrativo?

Começando um currículo:

Primeiro, escreva todas as informações de forma estruturada, mas sem se preocupar em formato. O que vale é você não esquecer nada. Na sequência, pegue o modelo de currículo e vá dispondo as informações. Assim tem menos chance de você esquecer de algo relevante. Utilize fontes simples (exemplo: arial, cambria ou verdana no tamanho 11) e insira palavras-chaves. Além de facilitar a visualização, algumas empresas possuem softwares para análise inicial de currículos. Neste caso, serão as palavras-chaves que garantirão que você siga para a próxima fase.

 

 Intentus-Dicas-essenciais-para-o-seu-currículo

Os principais itens de um bom currículo:

 

 

 

 

Dados Pessoais: Nome e Sobrenome, Primeira parte do currículo, deve ser breve. Mencionar a cidade de residência (bairro somente em grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro), dados para contato – seu número de celular, um e-mail e o endereço para o seu LinkedIn.

 

Objetivo: Vou repetir o título deste item: objetivo! Não é para contar história ou pretensões. Em uma ou duas palavras fale o que você quer fazer, qual a sua área de atuação ou cargo pretendido. Você pode atuar em mais de uma área e função? Adeque seu currículo à cada envio, mas nunca generalize.

 

Formação: Em ordem, assim como nas experiências, do mais recente ao mais antigo. Destaque: qual formação possui, onde fez e em que ano terminou. Basta isso. Se você possui ensino técnico, mencione apenas se for relevante para a sua área de atuação. Um bom exemplo são os engenheiros, que possuem uma bagagem extra quando oriundos de formações e experiências técnicas.

 

Idioma: Apenas insira um 2º ou 3º idioma se o seu nível for de intermediário para avançado. Vai no início do currículo se for relevante para a vaga, do contrário pode ser listado no final do documento, junto com cursos.

 

Intentus-Dicas-essenciais-para-o-seu-currículo

 

Principais Realizações / Resultados: Campo para você destacar o que realmente fez a mais, o que fez de diferente nas empresas e cargos por onde passou.

 

 

 

Preferencialmente utilize resultados quantitativos e mensuráveis e somente nos quais você tenha participado diretamente nas conquistas.

Utilize marcadores e tenha de 4 a 8 itens. Se houver muitos, agrupe-os por similaridade ou por empresa. Se houver poucos, não inclua este campo, cite as realizações na própria descrição da experiência.

 

Experiências Profissionais: Cite todas as empresas / cargos, em ordem decrescente, da mais recente para a mais antigo. É necessário ter: nome da empresa, período inicial e final, cargo exercido. Não é necessário citar todas as atividades realizadas, mas quando o cargo é muito amplo, é bom citar ao menos as principais. Evite redundâncias e atividades muito corriqueiras.

 

Quando houver um período grande numa única empresa, mencione no topo: nome da empresa, período inicial e final total e o último cargo. Na sequência, desmembre por períodos, cargos e atividades desempenhadas.

 

Cursos e Outras Informações: Mencione todos os cursos relevantes para seu objetivo profissional. Outras informações relevantes são aquelas ligadas a premiações, trabalhos voluntariados, estudos e publicações e disponibilidade para mudança e/ou viagens.

Não mencione principais características e comportamentos, isso será abordado na entrevista.

 

 

Dois últimos cuidados que você deve ter:

 

Seja objetivo: Se você for capacitado ou tiver interesse em múltiplas funções, será preciso elaborar um currículo específico para cada vaga / função desejada.

O conteúdo deve ser claro e objetivo, porém tem que demonstrar toda a sua experiência, conhecimentos e realizações.  Um bom currículo tem no máximo 2 páginas!

 

Linguagem e Gramática: Erros aqui podem indicar falta de atenção e despreparo. Sempre peça para que outra pessoa revise o currículo antes de enviá-lo.

 

 

Seguindo todos estes passos, seu currículo já estará bem apresentado.

Daqui pra frente o cuidado que você deve ter é sobre como está “recheando” o seu currículo: congruência entre estudos e experiências, atualização, estruturação da carreira. Um bom planejamento e o coaching de carreira podem te ajudar.

 

Este outro artigo pode te interessar, sobre o perfil do LinkedIn:

https://www.intentus.com.br/importancia-do-linkedin-e-5-dicas-bombasticas-para-o-seu-perfil/

 

Dê uma olhada em nossos artigos e materiais do site. Tem muitos materiais gratuitos que podem te ajudar!

 

Sucesso!

 

Sobre Fraudes, Golpes e Oportunistas no LinkedIn – E dicas para se proteger!

O LinkedIn é uma ferramenta fantástica para o mundo dos negócios, seja para o profissional ou para a empresa que o utiliza.

Através desta rede fortalecemos nossa marca e imagem, fazemos excelentes contatos e parcerias.

Mas como toda rede social que cresce, vários oportunistas entram e percebem aqui um terreno fértil para aplicar golpes e tirar proveito de pessoas que estão ansiosas atrás de uma oportunidade.

Somente nesta semana acompanhei mais de 5 situações e por isso resolvi escrever este artigo, como forma de alerta para os usuários novos ou menos avisados – mas atente-se que até os mais experientes acabam caindo de vez em quando!

Primeiro Caso:

Comigo! No caso, mais especificamente, com a empresa Intentus. Estranhamos quando apareceu mais um funcionário em nosso time – e pasmem – Diretor, direto da Austrália! – Perfil privado, não conseguimos acesso mesmo tendo conta Premium.

 

Por sermos um time pequeno, conseguimos rapidamente identificar o “intruso”.

Agora imaginem empresas com mil, dez mil funcionários… dezenas de fantasmas podem estar infiltrados, usando o nome da organização.E este uso pode ser um descuido – acontece de você digitar o nome de uma empresa, aparecerem opções e você clicar na empresa errada com o nome parecido – mas também pode ser que a pessoa tenha se infiltrado para usar o nome da empresa e aplicar golpes por aí. Esteja atento.

No caso de contatos, propostas ou promessas duvidosas – com pagamentos ou vantagens diferentes do que o mercado oferece – certifique-se! Entre em contato direto com a empresa, cheque se aquela pessoa realmente faz parte do quadro de funcionários e se as práticas da empresas são as ofertadas. E depois disso, a definição e o risco são seus!

Segundo Caso:

Diretamente ligado ao primeiro, uso falso de empresa / cargo. Um conhecido me mandou um e-mail com uma mega proposta que recebeu de uma empresa do Reino Unido, a potência Shell. Ótima proposta e oportunidade de carreira internacional.

 

Tudo excelente se não fosse fraude.

Pouco tempo depois, recebeu um e-mail do próprio LinkedIn – que sim, busca eliminar estes casos.

 

Pesquisa rápida pelo e-mail, nome da pessoa e no site da companhia e claramente constatado: fraude. No próprio site da empresa existe um alerta sobre fraudes envolvendo o nome da empresa para falsas promessas de contratação de expatriados.

http://www.shell.com/fraud-and-scam-alert.html

E você pode estar afirmando: eu não cairia nessa! A princípio saiba: cairia sim!

Nossa expectativa e emoção nos cega, mesmo que momentaneamente.

Nos empolgamos com a possibilidade de uma mudança de vida, com a promessa de algo muito bom e somente depois desta excitação que vamos checar de fato o que foi – e de que forma – nos foi oferecido.

 

Terceiro Caso:

Aqui não é uma fraude, em geral é uma proposta verídica. Faço apenas um alerta quanto ao tipo de promessa quando citam ganhos fáceis e rápidos. Vejo muitos post de vagas para trabalhar em multinacional, meio período, em home office e com ganhos acima de 4 mil reais (quando não falam em dólares).

Na maior parte das vezes trata-se de formação de grupos e de vendas em Marketing Multi Nível (MMN) – não tenho nada contra o modelo de negócio, pelo contrário, conheço pessoas que vem fazendo um trabalho fantástico e ganhando um bom dinheiro, de forma íntegra e honesta.

 

O único alerta aqui é: antes de responder SIM, analise se o que você realmente quer é mudar de carreira e se dedicar integralmente ao negócio.

 

Porque você não vai atuar na sua área, vai ter que se desafiar a desenvolver novas habilidades e trabalhar muito se quiser resultados.

 

Outra situação que incluo aqui é quanto a pedidos de e-mail e de telefone em troca de listas, arquivos, etc. A grande parte destes pedidos servem apenas para gerar listas de tráfego para marketing digital. Ou seja, em breve você estará em diversas listas, recebendo vários e-mails sem nunca ter solicitado nada. Existem formas corretas para empresas e profissionais fazerem a criação de leads, como ter uma página na web para você se cadastrar e então receber o seu brinde virtual, sem exposição.

Quarto Caso:

Divulgação de cases de sucesso aliados a uma proposta comercial. Existe muita gente boa, profissional e fazendo um bom trabalho, ajudando realmente as pessoas e cobrando por isso – o que é justo! Mas nesta leva entram oportunistas, fazendo promessas de emprego, revisão de currículo, oportunidades em processo seletivo por preços e condições medonhas.

Analise o trabalho do profissional, peça referências e garantias. Se você paga por algo e o risco é único e exclusivamente seu, você acha justo?

Fique Atento!

Não existe mágica e nem milagre. Se alguém te oferecer algo muito acima da média, desconfie!

Pesquise, vá atrás de mais informações e somente feche negócio com o que realmente agregue para você.

 

 

E se você quer saber como ter um perfil top e fazer negócios no Linkedin, leia ESTE ARTIGO

 

Você já estava demitido, só demorou a saber.

Esta afirmação – Que você já estava demitido, só demorou a saber – pode ser muito forte, mas é um reflexo exato do que acontece nas empresas. E muitos se perguntam por que fui demitido?

 

Com exceção dos cortes gerais, aqueles em que a área ou empresa fecha e todos são demitidos, nas demais a demissão dificilmente ocorreu no dia em que você foi comunicado. Um líder avalia seus funcionários todo dia, em cada pequeno pedido, resultado, comportamento.

E se entre você e seu colega de trabalho o seu líder preferiu ficar com ele, possivelmente é porque você já tinha pontos negativos em sua avaliação – e é bem provável que nem soubesse.

Vários fatores podem ser considerados para que seu desempenho e avaliação estejam negativos – e seu emprego em jogo – e você nem está se dando conta.

 

Podemos iniciar pelos principais pontos de avaliação de um líder quando o assunto é escolher entre um integrante ou outro da equipe. E é bem provável que estes itens não estejam presentes lá na sua avaliação anual feita pela empresa.

 

Acompanhe abaixo os principais fatores para um líder, empresário ou departamentos de RH decidirem demitir funcionários.

 

  • Custo

Você faz o mesmo trabalho do que outra pessoa que ganha menos? Este ponto é polêmico, porque o salário pode ser mérito pelo tempo e realizações que você já fez na própria empresa, ou pelo seu currículo muito bem recheado.

Mas pense num exemplo prático: se você vai mandar lavar o seu carro, a lavagem é exatamente igual em dois lugares, um cobra R$ 30 e outro cobra R$ 50. As chances são grandes de você mandar no mais barato. A empresa também pensa assim. Deixe o sentimentalismo de lado, e vamos ao próximo item.

Queda de produtividade são aceitáveis até certo momento, principalmente se influenciados por fatores externos a cadeia de valor do segmento da empresa que trabalha.

 

  • Diferencial

O que você faz de realmente diferente, extraordinário, que justifique a empresa manter você? Se você não sabe, seu chefe provavelmente também não.

E voltamos ao exemplo do carro. Você prefere comprar um carro com ou sem ar condicionado, pelo mesmo valor e demais itens todos iguais? Todo mundo quer valor agregado, o famoso mais por menos. Então, se especialize em algo.

Você já deve ter ouvido mil vezes a história de ganhar por saber qual botão apertar.

 

  • Comportamento

Aqui é a história do bom e barato, mas que não dura muito tempo. Estamos falando do profissional que tem um excelente custo x benefício e alta ou boa performance: habilidades, conhecimentos, aplicação.

Mas na hora de interagir, trabalhar em equipe, ter equilíbrio emocional, etc., é uma verdadeira bomba relógio, o líder sempre tem receio de como ele vai reagir a algo novo ou quando for contrariado.

Muitas vezes seus posicionamentos são corretos e com foco na melhoria dos resultados, mas a forma de se expressar é desastrosa. O discurso padrão deste perfil é: “Eu faço meu trabalho melhor do que os demais, sou injustiçado apenas porque não concordo com eles”.

 

Em artigo escrito pelo Ricardo Karpat, diretor da Gábor RH, revela pela experiência dele que o comportamento no trabalho é um dos motivos que mais provocam demissões nas empresas, seja média, grande ou pequena e mais recorrente ainda mas pequenas organizações. O profissional é contratado pelo bom ou perfil adequado, mas dispensado pelo comportamento não adequado dentro da empresa.

 

  • Multidisciplinaridade

O maior reflexo em tempos de crise econômica. As empresas colocam um funcionário fazendo o trabalho de dois para reduzir custos e manter o funcionamento.

Você sabe fazer o trabalho de outro da equipe e aceitaria esta sobrecarga numa boa? Busque conhecer mais e mais as atividades da empresa, da área. Se envolva, interaja, mostre disponibilidade.

 

Se houve um corte na sua empresa e você foi desligado sem muita explicação, se auto avalie em cada um deste itens.

O que já aconteceu você não reverte mais, mas pode ter uma excelente reflexão sobre seus pontos fracos, erros e acertos e chances de melhoria.

Por mais que o líder devesse dar o feedback real, em nossa cultura isso não é muito comum, mas você pode refletir sozinho.

 

Se você está trabalhando e quer crescer onde está, avalie os mesmos pontos, tente aumentar sua performance e se adequar às exigências da empresa.

 

Sempre é possível ter resultados melhores, basta planejar: definir onde se quer chegar e o caminho a ser percorrido.

 

Você pode ser pego de surpresa, ficar a mercê da sorte, ou pode assumir o seu destino e traçar passo a passo o seu caminho de sucesso!

 

Essas são algumas das questões que respondem as aflições sobre “por que fui demitido”

 

 Como não ser demitido do trabalho?

 

Pergunta difícil de ser respondida. Nenhum trabalhador tem garantia permanente de que jamais será será demitido, mas algumas atitudes podem ser adotadas para que fortaleça relações duradouras nas organizações.

 

Relacionamento

O ser humano, na maioria das vezes, não consegue se relacionar bem com todas as pessoas ao seu redor.

Questões de afinidades e opiniões são divergentes. Mas isso não justifica criar atritos no ambiente de trabalho. Deve-se trabalhar para manter boas relações com todos, criar ambiente harmonioso nas relações de trabalho.

 

Produtividade e profissionalização

Para empresas que investem na capacitação profissional o processo é mais fácil. E sempre que há essa oportunidade, agarre-a.

Mas nas empresas que não possuem essa cultura o funcionário o recomendável é buscar conhecimento e se aprimorar. Melhor do que isso, aplicar os novos conhecimentos dentro da empresa. Isso faz toda a diferença.

 

Comprometimento

Cumprimentos de horários, esforços para metas, propor soluções e ideias, definitivamente qualquer ações que motive a equipe e que literalmente “abrace” as causas da empresa, além de ser motivadora para a sua satisfação profissional.

Leia também como evitar erros no trabalho