O trabalho está adoecendo as pessoas – e até matando

O trabalho está adoecendo as pessoas  – e até matando. É possível mudar esse cenário para não ser o próximo!

 

As pessoas estão morrendo por um salário. Essa é a conclusão do professor de comportamento organizacional da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, Jeffrey Pfeffer. Sua estimativa é que o emprego acabe com a vida de 120.000 pessoas por ano apenas naquele país.

 

Assim começa a matéria de capa da revista VOCÊ RH de fevereiro, que estampa o título: CAUSA MORTIS: TRABALHO

 

 

Conforme citado na matéria, o ritmo diário, os salários baixos e a falta de tempo para cuidar da própria saúde levam a morte 120.000 pessoas por ano apenas nos Estados Unidos.

 

 

Esta não é uma realidade apenas da galera do hemisfério norte.

 

Aqui no Brasil vemos um aumento anual de doenças ocupacionais que causam afastamento do trabalho ligadas a saúde mental: depressão, ansiedade, síndrome do pânico, burnout. De 2017 para 2018, foi registrado um aumento de mais de 12% nos afastamentos por causas psicológicas.

 

 

Jornadas extenuantes, falta de recursos, cobranças excessivas e falta de vida pessoal são as maiores fontes de esgotamento profissional.

 

 

Todo mundo conhece alguém que passou por isso. Eu tive burnout e tive muita dificuldade em reconhecer minha doença, mesmo com acompanhamento.

 

Muitas vezes achamos que questões psicológicas e comportamentais são fraqueza, frescura. Resistimos em aceitar, afinal temos que ser fortes e continuar a trabalhar.

 

Tudo hoje acontece em ritmo acelerado, recebemos muitas informações o tempo todo, precisamos estar conectados e ativos 24h por dia. E não aprendemos a lidar com isso de forma saudável. Nos cobramos por aumento de performance, em ambientes competitivos e que muitas vezes não prezam pela saúde e qualidade de vida, quase desumanos.

 

Quantas vezes você ficou no escritório até mais tarde porque todo mundo fica, ou para não mostrar que já tinha terminado suas atividades?

 

Trabalhar a mais e ser workaholic é quase um troféu “nossa, como ela trabalha muito!”.

 

Eu já ganhei este troféu muitas vezes. Masss… ele tem um preço, muitas vezes caro e sem volta.

 

 

Projetos de vida tem ficado de lado, em detrimento do crescimento profissional.

 

Deixamos sonhos de lado, saúde de lado, família de lado.

O que é pior, é que nem sempre o crescimento e os méritos profissionais acontecem. O que agrava a situação, porque a fadiga vem, sem o troféu para ostentarmos por aí.

 

É comum também as pessoas se sobrecarregarem e terem necessidade cada vez maior de trabalharem mais e mais. O aumento de salário acontece, a promoção vem, mas não é perceptível, pois a pessoa já aumentou seu padrão de vida, e muitas vezes, para suprir sua ausência ou se premiar pelo esforço, como uma compensação pelo que perdeu no caminho.

 

Também é cada vez mais comum as férias encurtadas ou não aproveitadas. Com o acesso à tecnologia, trabalhar de onde estiver e qualquer dia ou horário é mais comum do que o uso das tecnologias para otimizar o trabalho – e com isso, trabalhar menos e com mais resultados.

 

Trabalhos tóxicos e extenuantes não são exclusivos de quem trabalha em grandes empresas.

 

Poderíamos associar a qualidade ruim do trabalho à ambientes que instigam a competição, principalmente em grandes empresas, mas esta não seria uma verdade.

 

É cada vez mais comum vermos empreendedores esgotados. Ser autossuficiente, vencer os desafios de empreender, dar conta de tudo. Só isso já faz com que estes profissionais se sobrecarreguem. E muitos, sem equipe, nem lembram quando foram as últimas férias.

 

Profissionais autônomos também estão na lista dos “esgotados”. A pressão por garantir diariamente o seu salário, além de cuidar de seus próprios benefícios e estrutura, faz com que eles cheguem ao limite e não consigam relaxar. Não aprendemos a trabalhar neste modelo o que leva muita gente a ter dificuldade com planejamento e gestão e assim acabam se sobrecarregando ou não conseguindo manter o mínimo de qualidade de vida.

 

Profissionais que amam o que fazem também correm risco.

 

Exatamente por se envolverem demais com o que fazem, acabam não colocando limites.

 

 

4 Dicas para melhorar sua relação com o trabalho à partir de hoje:

 

#1 Delimite horário

Quantas horas você precisa trabalhar? Nestas horas, você está sendo realmente eficiente, com foco em estar sendo produtivo ou se mantém ocupado, fazendo atividades que não agregam?

 

E-mails , whatsapp, ligações. Precisam mesmo acontecer / serem respondidos a qualquer minuto? Se possível, desative notificações nos momentos de pausa e descanso.

 

 

#2 Existe vida após o expediente

Tenha atividades prazerosas fora do trabalho. Encontre algo que você goste de fazer, converse sobre outros assuntos, se relacione com pessoas que não são do trabalho. Faça algo em que consiga realmente desligar, relaxar.

 

#3 Cuide de você

Bem estar é cuidar do corpo, mente e alma.

Cuide do Corpo – Você abastece seu carro direitinho, certo? E o seu corpo? Cuide da alimentação para manter o bom funcionamento da sua máquina. Faça atividade física, ela influencia diretamente na sua química cerebral, ajudando a manter a motivação e a positividade. Faça sua rotina de exames anuais. Se você acha tempo para as reuniões, acredite, também conseguirá tempo para você.

Cuide da Alma – aprenda a meditar, relaxar e ser grato. Isso irá melhorar muito sua qualidade de vida.

Cuide da Mente – aprenda algo novo, questione seus padrões e crenças, abra sua mente para novas sinapses.

 

#4 Tenha clareza sobre quem você é quais passos deseja trilhar

Quem está no piloto automático tem mais propensão à cair no desânimo ou aceitar qualquer situação, trabalhando e levando a vida de forma robotizada, sem questionar e sem entender o que faz e porque faz.

Entenda o que te faz bem, quando precisa parar e para onde esta indo. Isso ajudará você a direcionar suas ações, dizer não quando necessário e ter resultados mais efetivos – e menos nocivos.

 

 

Pra carreira ir bem, a gente precisa estar bem.

 

 

Se você precisa de apoio, conte comigo.

 

O meu trabalho é ajudar pessoas que desejam se reinventar:

– para conquistar um trabalho mais autêntico e com propósito;
– para usar seu potencial, seus talentos e habilidades, e ter satisfação no que faz;
– para liderar, colaborar e se dedicar da melhor forma no que já faz;
– pra conseguir melhor harmonia entre a vida pessoal e profissional;
– para colocar em ação seu plano B, C, D… e por que não, tudo isso junto?

 

 

Seja num processo de consultoria individual, numa avaliação, num curso ou através de um texto como este, estou aqui disponível para ajudar você a se reencontrar profissionalmente – e ser mais realizado!

 

Bora?

 

Se você está insatisfeito com sua carreira, indico assistir este vídeo e fazer o nosso teste online de satisfação profissional.

CLIQUE AQUI – ASSISTA O VÍDEO E FAÇA O TESTE

 

Descubra o quanto sua carreira está impactando na sua qualidade de vida.

 

 

 

Compartilhe!

6 dicas para ser mais produtivo trabalhando em home office

trabalhar em home office

Trabalhar em home office é o sonho de muita gente.  Novas profissões, flexibilização da jornada de trabalho, busca de maior qualidade de vida – incluindo a fuga de passar horas no trânsito das grandes cidades, facilidade tecnológica, redução dos custos fixos. Não importa o motivo.

A questão é que o trabalho remoto é uma opção crescente entre profissionais e empresas.

 

Se até pouco tempo atrás o trabalho remoto era mais aplicável a profissionais autônomos ou de áreas como vendas e suporte técnico, hoje, em muitas empresas tradicionais, a possibilidade do trabalho remoto já é uma realidade em diversas áreas.

 

 

Para as empresas, economia financeira, sustentabilidade e concessão da condição como benefício aos funcionários são as principais questões avaliadas para implantação da modalidade de trabalho.  (No final do artigo eu trago informações sobre como as empresas podem se adequar a este formato)

 

O aumento de resultados acaba sendo visto como consequência.

 

Porém, para muitos profissionais trabalhar em home office acaba sendo muito mais produtivo.

 

Se esse não é o seu caso – se você ainda se sente improdutivo, tem muitas interrupções ou “se perde” nas atividades, este texto e as dicas que selecionei são para você.

Home Office na vida real

 

Eu trabalho a pouco mais de 3 anos em home office, cerca de 80% da minha semana em casa. Hoje tenho um espaço reservado para isso, mas nem sempre foi assim.

 

Quem se lembra do repórter da BBC, que estava ao vivo no ar, falando direto de seu espaço de home office e de repente as crianças entram correndo  na sala?

 

 

Isso se chama: vida real!

 

Pode conversar com quem trabalha em casa: todo mundo terá uma história tragicômica para contar (se você tiver, me conte! Editarei o artigo aos poucos, incluindo as melhores histórias!)

 

Eu já tive minhas cachorras latindo, com direito ao cachorro do meu cliente responder do outro lado da vídeo conferência.

 

 

Numa transmissão ao vivo inclusive, com cerca de 100 pessoas assistindo, uma delas resolveu “aparecer” e ficou subindo no sofá, por trás de onde eu estava sentada – e acabou saindo em todos os vídeos.

 

Também já aconteceu de acabar a luz no meio de teleconferências. E ter interrupção do sinal da internet naquele momento em que eu precisava entregar um relatório.

Em todas as situações, sempre agi com naturalidade: simplesmente expliquei a situação.  Sinceridade nestas horas funciona melhor do que cara de pânico ou fingir que nada está acontecendo.

 

Explico a situação e numa próxima analiso se tem algo a ser melhorado. Este é o processo básico para evoluirmos em qualquer quesito: não se cobrar e sim, analisar possibilidades de melhoria. Além do que, pedir desculpas não mata ninguém.

 

Outra situação comum: as pessoas ao redor acharem que você não está trabalhando. Filhos, amigos, vizinhos. Ao iniciar o trabalho em home office é comum as pessoas acharem que você está disponível para qualquer coisa.

 

Inclusive muitas vezes você mesmo esquecerá do trabalho e começará a arrumar as gavetas do guarda-roupas, mesmo tendo uma entrega urgente.

Então, se temos dificuldades, bora falar das facilidades!

 

trabalhar em home office

Dicas para ter uma melhor experiência e performance ao trabalhar em home office:

 

#1  Organize-se

 

Disciplina e foco farão toda diferença. São comportamentos que temos condição de desenvolver e aprimorar (foco para mim sempre foi desafiador!).

 

Muita gente imagina que irá trabalhar menos em home office. A grande realidade é que muitas vezes acabamos trabalhando mais! Trabalho acumulado, demandas inesperadas, infraestrutura que não funciona quando você mais precisa!

 

Saiba definir prioridades, ter clareza sobre as entregas e demandas previstas e utilize ferramentas de apoio.

 

Os apps que eu mais uso:

  • Evernote para organizar ideias, inclusive para anotar em áudio ideias para próximos textos;
  • Trello para organizar as demandas e tarefas da equipe (todos trabalham de forma remota);
  • Ferramentas do Google – Agenda e Drive são os que mais uso. Assim, integro tudo – compromissos e arquivos, e minha equipe consegue acompanhar a distância.
  • Zoom – para conversas online. Ele traz facilidades como o uso até 100 pessoas, quadro branco e gravação da reunião.

 

Todos funcionam no notebook e no celular simultaneamente, assim, de onde você estiver terá acesso. (não é propaganda, não ganhei nenhum centavo, são os que realmente uso)

 

#2  Planeje-se

 

Como citei, utilizo o Trello para gerenciamento dos projetos e tarefas. Porém estabeleci em minha rotina um hábito que me tornou extremamente produtiva e focada:

 

Planejamento Semanal e Metas diárias.

 

Como funciona na prática:

 

  • Uma vez na semana (eu faço isso no domingo) olho para meus resultados esperados e tarefas do mês.

 

  • Defino o que farei nesta semana para conseguir evoluir ao máximo: de entregas a tarefas, a prioridade é definida ali.

 

  • Elenco estas prioridades em ordem de importância para meus resultados, sempre começo executando a mais importante / prioritária.

 

  • Todos os dias pela manhã faço meu checklist do dia, avaliando o que já cumpri, o que falta fazer e novas demandas que aparecem no meio do caminho.

 

  • Não “me deixo interromper” enquanto não cumpro a meta do dia

 

Também é muito importante você planejar as demais atividades: das compras de casa à atividades e recursos que precise de terceiros, junto com as suas atividades de trabalho. É comum, principalmente no começo, subdimensionar o tempo gasto nas atividades e ser interrompido por questões não planejadas. Aos poucos você terá melhor noção e controle.

 

Neste artigo eu falo sobre prioridade e planejamento

 

#3  Cuide do seu tempo

 

Não fique acessível 24h por dia. Trabalhando remoto você pode ser acionado via whatsapp, telefone, e-mail e mais as notificações dos sistemas e aplicativos que utilizar. Acabamos perdendo muito tempo com isso. O que sugiro é que você intercale tempos de respostas /  contatos com o tempo em que foca no que precisa fazer.

 

Também é muito importante fazer pausas. É comum pessoas que trabalham remoto ficarem o dia todo em frente ao computador e não verem literalmente a cor do dia. Levante, faça pausas rápidas, espreguice. Eu costumo sair pra almoçar ou tomar um café fora, inclusive.

 

Uma técnica incrível para essa administração do tempo que eu utilizo é o POMODORO.

 

A Técnica Pomodoro é um método de gerenciamento de tempo desenvolvido por Francesco Cirillo no final dos anos 1980. A técnica consiste na utilização de um cronômetro para dividir o trabalho em períodos de 25 minutos, separados por breves intervalos

 

Passo-a-passo

  • Escolher e listar as tarefas a serem executadas;
  • Ajustar o cronômetro para o tempo desejado (geralmente 25 minutos);
  • Escolher a tarefa inicial;
  • Trabalhar na tarefa escolhida até que o alarme toque. Se alguma distração importante surgir, anotá-la e voltar o foco imediatamente de volta à tarefa;
  • Quando o alarme tocar, marcar um “x” na lista de tarefas;
  • Se houver menos de 4 marcações, fazer uma pausa curta (3-5 minutos);
  • Se houver quatro pomodoros marcado, fazer uma pausa mais longa (15-30 minutos), zerando a contagem de marcações e retornando ao passo 1.

 

As etapas de planejamento, controle de tempo, gravação de registros e visualização são fundamentais para a técnica.

 

Na fase de planejamento de tarefas, são priorizados os itens que devem ser feitos no dia. Isso permite que os usuários possam estimar as tarefas que exigem maior esforço. Como cada pomodoro refere-se a um período indivisível de 25 minutos, que deve ser registrado na lista, é possível fazer uma auto-observação de como o tempo é gasto.

 

Um objetivo essencial da técnica é reduzir o tempo das interrupções, adiando outras atividades que interrompam o pomodoro.

 

(fonte sobre Pomodoro: wikipedia)

trabalhar em home office

 

#4  Delimite e organize seu espaço

Quem começa a trabalhar em casa sofre com a invasão ou perda do espaço e da agenda, principalmente quando não vive sozinho.

 

Filhos e família podem não considerar que você está em casa trabalhando, por isso, é fundamental ter o espaço de trabalho bem definido.

 

Se possível, tenha uma mesa /  cantinho para seu uso.

 

Se isto não for possível e você acabar trabalhando na mesa da sala, tenha o seu kit de trabalho, com todas as suas coisas dentro. Ao iniciar seu dia, organize seu espaço.

 

Também é importante informar as pessoas que convivem com você sobre o trabalho que você realiza e qual apoio precisa deles para tudo fluir bem. Eu fiz “acordos” em casa, como por exemplo: porta fechada significa “não interrompa”. Quando estou em vídeo conferência ou preciso ter mais foco, fecho a porta!

Livre-se ao máximo dos papéis. Quanto mais a sua vida estiver no mundo online, mais simples e leve ficará o seu dia a dia e mais fácil ficará pra você se adaptar a um novo lugar de trabalho quando necessário. Lembre-se também de ter backup de tudo!

 

#5  Você é um profissional, apenas num novo ambiente

 

Mesmo que você passe o dia todo de pijama e atenda as pessoas por chat, saiba: você precisa se lembrar que está a trabalho.

 

Preocupe-se com a imagem e credibilidade que transmite. Da qualidade da internet, das ferramentas e documentos que entrega, à sua imagem pessoal, tudo influenciará numa questão importante: seu ânimo, motivação e imagem profissional.

 

Muita gente começa a trabalhar de forma remota e se isola ou fica “desleixado”, para de se preocupar em se apresentar, em se cuidar, em se atualizar.

 

Fora cuidar de você, cuide do ambiente. Trabalhar num ambiente agradável irá afetar diretamente na sua produtividade e bem estar.

 

#6  Mantenha, cultive e crie relacionamentos

 

Cuidado para não se “apagar do mundo”, afinal já diria a famosa frase: Quem não é visto não é lembrado.

Estabelecer bons contatos, manter os relacionamentos e criar novas oportunidades de conhecer gente é fundamental.

 

Inclua em sua rotina participar de eventos presenciais, marcar compromissos com seus colegas de trabalho e frequente ambientes de trabalho colaborativos – existem muitos escritórios abertos, coworkings e cafés onde profissionais e encontram.

 

São espaços de trocas valiosas e excelente networking.

 

Depois de quase dois anos de trabalho remoto o que eu mais sentia falta era de gente de carne e osso! Ir alguns dias para um coworking foi a solução ideal, hoje isso agrega muito para meu trabalho e motivação. 

 

Para ter bons resultados e entrosamento, escolha um lugar em que haja sinergia com os profissionais que frequentam o espaço.  

 

Trabalhar remoto não necessariamente significa trabalhar apenas de casa.

trabalhar em home office

O Jornal a Folha de São Paulo publicou uma matéria em fevereiro/2018 onde fala sobre as vantagens para as empresas em utilizar a modalidade de home office e fala sobre as mudanças ocorridas na legislação trabalhista, que hoje já permite e regulamenta este tipo de trabalho, inclusive sobre as regras para custeio da infraestrutura.

Os principais pontos da relação empresa x funcionário são:

  • Deve constar no contrato quem vai arcar com os custos de infraestrutura e equipamentos necessários para a atividade, como internet e computador. Estes custos são negociáveis.
  • Não se computa e não há limite para a jornada de trabalho, o trabalho é por produtividade.
  • Os benefícios permanecem os mesmos, exceto vale transporte. O Vale refeição continua sendo devido, caso faça parte do pacote de benefícios (quem trabalha em casa também almoça, certo?).
  • Sobre acidentes, a empresa deve instruir o funcionário sobre como evitar acidentes de trabalho e fazê-lo assinar um termo de responsabilidade. Em caso de acidente, a empresa pode alegar que não tem como saber se ele trabalhava no momento. (ex: a pessoa tropeçou na cozinha de casa e se machucou. Como saber se naquele momento estava trabalhando? Impossível).

 

E aí, como é para você trabalhar em home office? Tem histórias, dicas ou dúvidas? Me escreva!

 

Se você precisa identificar e desenvolver seus comportamentos para ter melhores resultados,  um processo de coaching com acompanhamento individual irá te ajudar. Clique aqui e saiba mais.

 

 

Compartilhe!

Corra atrás dos seus sonhos, mas não morra tentando

Em geral, quando pensamos em alguém com alta performance profissional, associamos à imagem de uma pessoa que abriu mão de sua vida pessoal, tem pouco tempo pra família, pros amigos ou até mesmo pra cuidar de si e da própria saúde.

 

Os modelos sociais muitas vezes nos colocam numa corrida acelerada em busca de: comparação, competição, sermos cada vez melhores e termos cada vez mais coisas.

 

Nisso,  muita gente confunde a performance profissional com a quantidade de trabalho, porém a performance está muito mais ligada à qualidade e objetivo do trabalho executado.

 

Quando falamos sobre performance aliada a qualidade de vida, um ponto é fundamental: definir prioridades e ter clareza sobre o que você realmente está buscando, o que te faz bem, na vida e na carreira – sem separar as coisas!

 

1 – Reveja seus objetivos. 

 

 

Nestes tempos onde o que mais ouvimos são frases motivacionais e o surgimento de gurus e grupos de alta performance, aqui estou eu falando sobre desistir!

 

 

Sim, desistir de algumas coisas.

Mas não de forma aleatória, e sim, entendendo o que realmente faz sentido pra você, aliviando um pouco a cobrança e seguindo com  maior foco.

 

A maioria das pessoas está passando por buscas incessantes atrás de dinheiro suficiente para fazer o que quiserem, um trabalho com propósito e que amem profundamente, uma família feliz de comercial de margarina, um amor eterno, um corpo saudável, lindo e escultural.

 

E dá pra conquistar tudo isso?

 

Dá, mas em geral será necessário muito esforço e dedicação. É preciso saber o que você quer – e o que perde ao correr atrás deste resultado.

 

Por exemplo: sua meta é ter um corpo escultural. Porém, toda sua vida social gira em torno de restaurantes, jantares, encontros regados à comidas –  que você gosta! Qual o peso de abrir mão disso em troca do corpo escultural? Se a troca não te agrada, não te faz feliz, é preciso encontrar o meio termo: reduzir o cardápio e não eliminá-lo. 

 

 

É um exemplo bem simples, apenas para que você entenda o conceito, sobre o preço que pode estar pagando para correr atrás de questões cobradas pela sociedade – e que você talvez nem tenha certeza de que queira de fato.

 

Sempre que excluímos de nossa vida aquilo que é fundamental em troca de uma meta, temos a tendência de desistir no meio do caminho, na primeira dificuldade.

 

Você sabe o que realmente é fundamental na sua vida? Do que você não abre mão?

 

 

E do que vem abrindo mão dia após dia, correndo atrás de sonhos que você nem sabe ao certo se são seus de verdade?

 

 

 

2 – Foque no que realmente é bom e o resto delegue as atividades

 

Sempre tentamos ser os melhores e por isso muitas pessoas preferem se autodelegar responsáveis por tudo. Essa sobrecarga acaba nos incapacitando de exercer até mesmo as tarefas que realmente somos bons.

 

Quando possível, delegue para outras pessoas a execução de atividades nas quais você não possua alta habilidade ou que não estejam ligadas diretamente ao resultado. Defina o que é prioridade, o que somente você precisa fazer – e delegue todo o resto

Delegar significa treinar e capacitar, leva tempo. Mas se você gasta mais tempo pra delegar do que fazer, a médio e longo prazo essa curva se inverte, as pessoas aprendem, ganham autonomia – e você ganha mais tempo para mergulhar em outras atividades.

 

Por isso é importante saber liderar, mesmo não estando no papel oficial de líder.

 

3 – Fazer o que se ama é maravilhoso. E isso pode ser ruim. 

 

Quando buscamos uma atividade ou profissão que amamos, enxergamos que tudo pela frente será maravilhoso, com atividades prazerosas, momentos felizes. Porém mesmo na melhor profissão do mundo existem tarefas e dias ruins. Situações que você irá querer protelar, não fazer. Ou o contrário: momentos em que você irá se apaixonar pelo que faz e acabará fazendo coisas sem sentido, que não precisavam ser feitas: e que você faz apenas porque ama, perdendo tempo e produtividade.

 

4 – Qual o preço que você vai pagar pelo que quer conquistar?

 

Seja para conquistar um cargo, comprar uma casa, ter e criar filhos, realizar uma grande viagem dos sonhos: cada sonho envolve um processo de conquista, com ganhos e perdas pelo caminho.

 

Tudo tem um preço.

 

 

E este preço pela busca pela da satisfação e da felicidade suprema à longo prazo pode estar te impedindo de uma coisa fundamental: ser feliz e satisfeito com sua vida hoje, da forma como ela está!

 

 

Nos preocupamos tanto com o futuro, com as conquistas que estão por vir, com o que podemos realizar que esquecemos de viver o presente de forma plena.

 

Vivemos acelerados e em busca de resultados futuros e rápidos.

 

Jovens de vinte e poucos anos querem ter a carreira, o patrimônio e os carimbos no passaporte que seus pais só foram conquistar lá pelos cinquenta anos de idade.

 

 

Ilustração sobre performance profissional

 

Muitas vezes, estamos correndo atrás da performance profissional e perdendo o prazer e a satisfação de apreciar as pequenas conquistas, já absorvidos pelo pensamento de: o que mais podemos fazer, ter, conquistar.

 

 

Próximo, próximo, próximo…  e não aproveitamos o presente, não saboreamos nossas pequenas conquistas.

 

Me lembrei de uma cena: estava visitando o Aquário de São Paulo, parando em meio ao caos de turistas afoitos, tentando observar o nado tranquilo, as cores e a delicadeza de cada peixe.

 

Recebo um empurrão com um ombro, seguido de uma criança de uns 6 anos que entrou na minha frente, entre eu e o vidro, com um tablet enorme. A criança, o pai – que me deu o empurrão – e a mãe, estavam cada qual com seu equipamento fotográfico em mãos.

 

Não se falavam, apenas corriam para o próximo tanque, para fotografar mais rapidamente o próximo peixe. Eles não olharam em nenhum momento com os próprios olhos para nada. Tampouco se olharam, falaram entre si ou comentaram sobre o que presenciavam. Eles não estavam ali de fato.

 

A preocupação era: o próximo, próximo, próximo.

 

Afinal, o que eles aproveitavam do passeio?

Tiravam fotos que provavelmente ninguém nunca irá ver.

 

melhore sua performance profissional

 

5 – Sobre nossos desejos e necessidades

 

Hoje temos possibilidades e informações exponenciais

Isso também nos traz vontades e desejos exponenciais.

 

Vivemos afoitos e acelerados.

 

Nossos pais, tios e quem dirá avós sequer sonharam em ser, ter ou fazer um terço do que nós podemos ser, ter e fazer hoje.

 

Pirâmide das necessidades de Maslow

 

Maslow, em sua teoria que resultou na pirâmide das necessidades humanas, explicou o que vivenciamos hoje: conforme subimos um nível, conforme suprimos uma das necessidades, podemos vislumbrar – e ansiamos – pela próxima conquista.

 

Muitos de nós já vieram com as necessidades básicas e de segurança supridas pela família. Neste caso, fica muito mais fácil pensar em propósito e satisfação na carreira, por exemplo.

 

Nossos antepassados sonhavam com saúde, emprego e renda.

Logo, é natural podermos sonhar com viagens e em desbravar o mundo, quando nossos antepassados já garantiram itens mais básicos, como ter a casa própria, alimentar e garantir educação para os filhos.

 

Eles garantiram a base pra gente poder correr atrás de algo mais.

 

Se eles não fizeram, observe, provavelmente é o que você enxerga como seu papel e responsabilidade com a geração seguinte: garantir a base para a evolução.

 

Então, antes de sair enlouquecidamente querendo mais e mais, pense se você tem clareza sobre o que quer de verdade, se você consegue identificar o que realmente te faz ou fará feliz.

 

 

Muita gente está se matando para conquistar algo que não quer, algo que não fará diferença de fato em sua vida.

 

Correndo atrás apenas porque aprendeu que tinha que ser assim, porque todo mundo faz, seguindo modelos e padrões.

 

 

Se quiser saber mais sobre este tema, leia este texto: Crenças limitantes: elas podem estar sabotando seus sonhos

 

 

Também desconfie de tudo que te cause sofrimento demais.

O que é para ser seu até pode necessitar de trabalho e esforço para ser conquistado, para haver aprendizado.

 

Mas não precisa haver sofrimento. Sempre que houver dor demais, analise se você está no lugar certo: seja no trabalho, num relacionamento, num local físico.

 

Quando algo requer muito esforço e sofrimento é hora de verificar se esse sonho é seu de verdade, ou se você está desperdiçando a sua vida correndo atrás dos sonhos dos outros.

 

 

Tendo clareza sobre o que você realmente deseja e busca, a chave da alta performance é exatamente focar no que precisa ser feito, para garantir o resultado. Pra isso, existem muitas técnicas que podemos utilizar para ajudar no processo.

 

 

Delegando, deletando ou deixando pra depois tudo o que não for realmente fundamental na sua vida.

 

 

Recorra ao coaching para melhorar sua performance profissional

 

O coaching é um processo no qual um coach profissional apoia no desenvolvimento das competências, através de sessões individuais para planejar, estabelecer metas, dirigir, inovar, tomar decisões e, com isso, alcançar resultados em nível de excelência. É um profissional importante e que realmente ajuda a administrar o tempo e conseguir seus objetivos profissionais alinhados ao sonhos pessoais.

 

 

 

Compartilhe!

Autoconhecimento: o caminho para uma vida melhor

Olhe para você, para quem você é e para o caminho que você percorreu até aqui: talvez você tenha grandes conhecimentos em humanas, exatas ou biológicas, grandes conhecimentos em idiomas, inglês ou espanhol fluentes, pode conhecer sobre softwares e aplicativos modernos e não me espantarei se você conhecer vários lugares do mundo.

 

E o que você conhece, com clareza, sobre você?

 

Normalmente temos muito mais facilidade em lidar com questões externas do que em olhar para dentro de nós, para identificar o que temos de bom e ruim. E aqui, não falo sobre aquelas perguntas de entrevista, pra você falar sobre pontos fortes e fracos, o que proponho é uma análise profunda sobre quem você é de verdade, quais suas preferência, motivações e paixões.

 

No melhor estilo: Por que você vive?

 

Ocupados com a vida corrida que assumimos desde o início da adolescência, nossa preocupação acaba voltada para a sobrevivência ou superação de desafios e etapas: escolher uma carreira, passar no vestibular, arrumar um bom emprego, conseguir se manter, comprar casa e carro, constituir família e assim seguir a vida com seus inúmeros desafios, deveres e compromissos.

 

Hoje, ainda temos mais um aliado para nos distanciar do autoconhecimento: o excesso de mídias e informações. Tudo nos leva ao mundo externo. Somos bombardeados o tempo todo pela oferta de tudo quanto é supérfluo mas que pode tornar nossa vida melhor – e com necessidade de trabalhar mais, ganhar mais para poder consumir… ainda mais.

 

Cobranças externas, comparações e competição também são elementos cruciais para nos distanciar de quem somos e do que gostamos.

 

 

Enquanto tentamos agradar aos outros ou nos encaixar num lugar que não é nosso, deixamos de viver a nossa vida de forma verdadeira, autêntica.

 

Como num jogo de quebra-cabeça, somos a peça da ponta tentando caber no meio. Não encaixa.

 

O autoconhecimento é fator determinante para fazer escolhas assertivas.

Saber quem você realmente é, do que gosta, onde quer chegar e porque faz o que faz (os motivadores) irá ajudá-lo não somente nos momentos de decisão, mas também a aumentar a qualidade de vida, melhorar os relacionamentos e otimizar os resultados.

 

Olhe pra sua vida, pra sua carreira, para os seus relacionamentos: O que você gostaria que fosse diferente ou melhor?

 

E tudo bem não ter a resposta exata sobre como gostaria que as coisas estivessem. Muitas vezes temos apenas a insatisfação, o incômodo sobre como as coisas estão mas não sabemos propor as mudanças.

É como se soubéssemos O QUE precisa ser mudado, mas buscamos nos livros e manuais da vida o COMO fazer, PRA ONDE ir… e a resposta está aí perto, dentro de você pra ser exato.

 

E como tirar estas camadas de sombras, máscaras, crenças e projeções e viver sua vida e carreira autêntica? Através do exercício contínuo do autoconhecimento, experimentando as possibilidades que a vida traz, aos poucos, para entender o que realmente faz sentido pra você.

 

 

3 aspectos fundamentais sobre autoconhecimento

Para você iniciar este mergulho em quem você e o que te trará real satisfação

 

Dedique-se a ser a sua melhor versão.

 

Pare de olhar para os pontos fracos e coloque sua energia no que você é bom. Não significa que você deva ignorar suas sombras e fraquezas, porém muitas vezes damos mais ênfase à elas e deixamos de potencializar o que realmente temos de melhor.

Acredite, será muito mais fácil, fluído e leve você agir com a sua melhor versão.

 

Quanto aos seus pontos fracos, observe e busque melhorá-los sempre que eles te impedirem de realizar algo ou de ter resultados melhores na sua vida e carreira. Crie o hábito de olhar para suas atividades e se perguntar: o que eu poderia ter feito melhor ou diferente, usando a seguinte frase “Eu também poderia ter feito x coisa”. Assim você irá estimular a melhoria, não a crítica.

 

Reflexão: O que você faz muito bem, sem dificuldade, preguiça ou cansaço?

 

 

Agimos mais pela dor do que pelo amor.

 

É necessário entender que o ser humano age para evitar a dor ou para buscar prazer. Porém, exatamente porque não queremos sofrimento, agimos mais pela dor do que pelo prazer de ter mais realizações. Temos muito mais iniciativa e ações para mudanças quando algo vai mal e procrastinamos na busca pelo prazer, quando tudo vai bem.

Se tudo está bem e eu tentar mudar algo, posso falhar. Falhar é sinônimo de dor, desconforto. Assim, muitas vezes evitamos começar algo novo.

 

Reflexão: Tente reconhecer suas dores e fraquezas. Comece percebendo o que te incomoda, o que te traz emoções negativas ou sentimentos de inferioridade.

 

 

As crenças tem papel fundamental sobre quem somos

As crenças são a nossa interpretação de fatos, estórias ou conversas.

Tudo o que vivenciamos, sentimos e ouvimos irá nos induzir a decisões e pré definições sobre o que é certo ou errado, bom ou mau, o que posso ou não posso, se sou capaz ou um fracasso. É a nossa interpretação sobre o mundo.

 

As crenças podem vir das nossas próprias experiências ou podem ser sociais, familiares, históricas. Acreditar em algo tanto pode nos limitar quanto fazer prosperar.

 

Eu dou força ao que acredito.

Assim, reconhecer as crenças que te limitam é fator fundamental para o autoconhecimento e para fazer escolhas assertivas.

 

Reflexão: O que você faz hoje apenas para agradar aos outros e o que não faz com medo do que os outros vão achar?

 

Neste artigo eu falo mais sobre Crenças Limitantes:

 Crenças limitantes: elas podem estar sabotando seus sonhos

 

 

As reflexões irão estimular você a pensar mais sobre suas ações, comportamentos, emoções: sobre você.

 

Autoconhecimento é músculo: exercite diariamente.

Este é o ponto de partida, começar a prestar atenção diariamente em você mesmo, sem cobranças, apenas buscando entender quais são as suas reais preferências, o que te motiva e te faz feliz, e o que você vem fazendo por obrigação ou simplesmente por não se dar conta de que havia opção melhor.

 

Conforme seguimos no processo contínuo de autoconhecimento, temos maior clareza sobre o que queremos de verdade e do que não abrimos mão. Isso te levará a ter menos medo de erros e mudanças, melhores resultados e a certeza de que está no caminho certo: o seu caminho.

 

Autoconhecimento é um desafio em que a disputa é com a gente mesmo, é tirar as máscaras, despir os personagens que criamos e seguir se descobrindo!

 

No dia 25 de Setembro realizei uma aula ao vivo sobre Autoconhecimento.

Assista aqui na íntegra:

 

Pra finalizar, seguem 3 poderosas reflexões que enviei ao final da aula: 

 

1) Olhe pra sua história. Do que você se arrepende e se pudesse voltar no tempo o que não repetiria?

 

2) Se não houvessem consequências ou dificuldades, o que você mudaria daqui pra frente em sua trajetória?

 

3) Como seria um dia fantástico para você, daqueles que você encerraria com sentimento de realização plena?

 

Feche os olhos, respire fundo e pense na sua vida. No que é maravilhoso e no que precisa de ajustes. E tudo bem não ter respostas prontas. Pense em como iniciar pequenas mudanças na sua vida para ir em direção da sua verdade.

 

***

 

Se você procura coaching para sua carreira, treinamentos, mentoria ou consultoria, conte conosco. Atendimento online para todo Brasil. Atendimento presencial em São José dos Campos, Vale do Paraíba e São Paulo.

Dois aliados para sua carreira: COACHING E MENTORIA. Você sabe qual o ideal pra você?

Leia aqui: https://www.intentus.com.br/qual-a-diferenca-entre-coaching-e-mentoria/

Compartilhe!

Mudanças para uma vida melhor

Mudanças, planejamento e resiliência. Para mim, os três elementos que nos ajudam a ter uma vida e carreira melhor. Palavras e ações constantes em minha vida.

Aqui estou eu, escrevendo este texto feliz e rodeada de caixas. Mais uma mudança pra minha lista.

 

Desta vez, mudança breve, próxima, no mesmo bairro, apenas de um apartamento para outro. Já morei em alguns lugares de Sul à Sudeste, já visitei outros tantos. Gosto do mundo, chego num lugar e logo me apaixono, me integro, sinto-me em pleno pertencimento ao local. Olho em volta e penso: poderia morar aqui.

 

Contabilizando rapidamente, esta é a minha vigésima mudança de endereço. Se eu falar de emprego, de cabelo, de gostos, de vontades… milhares de mudanças!

 

Sempre fui meio metamorfose, nunca me acostumei com as coisas mornas. Quero calor escaldante, de arder a alma e o coração ou o frio intenso que gele a espinha. Estou aqui pra viver intensamente, hoje.

 

Não nasci e nem me conformo com nada mais ou menos. Por isso, mudar não me traz sensação de trabalho. Me traz a emoção de novidade, me desligar de algo que eu já conhecia ou que eu não estava gostando, pra algo… novo!

 

Que pode ser melhor, pior ou igual. (É necessário deixar isso claro: nem toda mudança traz coisas melhores. Mas como saberemos? Testando.) Mas é novo.

 

Gosto da novidade, porém hoje tenho plena consciência de que gosto mesmo é de experimentar.

 

Eu não vivo simplesmente, eu saboreio a vida. Sou totalmente apaixonada por experimentar cada possibilidade que existe no mundo ou de inventar o que ainda não há.

 

Para manter essa minha paixão por novidades, mudanças e experimentos é necessário planejamento, adaptabilidade e resiliência.

 

 

São as 3 características essenciais de quem quer mudar qualquer coisa!

Na vida, na carreira, nos relacionamentos. 

 

Porque não dá pra sair por aí mudando tudo da noite pro dia: é preciso pesar prós e contras, analisar riscos, gastos e impactos – não só para mim, mas para todos envolvidos – e montar um plano de ação.

 

Agora, também não dá pra se agarrar na zona de conforto e não mudar nada, passar a vida toda do mesmo jeito, esperando o melhor momento, esperando estar pronto ou esperando alguém fazer algo por você.

 

Tudo é com a gente. Se você está incomodado com algo, comece pelo primeiro passo, com o planejamento.

 

 

Destas mudanças frequentes, de quem muda de casa, gosto ou opinião, deixo pra você 2 reflexões que podem te ajudar a ter clareza sobre por onde começar:

 

O que você precisa mudar.

O que está sem graça na sua vida, onde você precisa ter novos ares.

Uma forma de enxergar esses itens: liste tudo o que você vem fazendo da mesma forma, quais comportamentos ou ações você vem repetindo, sem ter resultados bons ou pior ainda: tendo resultados negativos!

Separe a lista em 4 pilares: Pessoal, Profissional, Familiar e Social.

Lista feita, comece uma mudança de cada vez.

 

O movimento é mais importante do que a pressa.

Do que você precisa desapegar.

Em toda mudança, um grande trabalho é encaixotar tudo, carregar e arrumar novamente. O que fui aprendendo, e que tem feito cada vez mais sentido na minha vida: desapegar.

 

E essa lição é pra vida. Quantas vezes estamos carregando pesos desnecessários. Então, mesmo que você não se mude fisicamente, exercite o desapego:

  • Na sua casa: tire roupas, sapatos, enfeites, livros que não usa mais e doe ou venda. Jogue fora ou arrume o que estiver quebrado, sem uso.
  • No trabalho: desapegue de tarefas que não são suas, de reclamações que não levam à lugar algum, de pessoas que não agregam, de comportamentos que impedem seu crescimento.
  • Nos relacionamentos: desapegue de pessoas que não te servem, mas desapegue também de emoções negativas: desapegue de ciúmes, da raiva, do egoísmo. Viva sua vida leve e deixe que os outros sigam leves também, não repasse sua bagagem e seus pesos para os outros.

 

Mude, que o mundo muda com você.

 

E se você, como eu, adora uma mudança, apenas um ponto de observação: o que te motiva à mudar. É a novidade em si, gostar de coisas novas e experimentos, como eu, ou é fuga, é buscar algo que te falta em coisas externas?

 

As vezes queremos mudar apenas para fugir de algo que não conseguimos resolver ou que não queremos ver, enfrentar. Cuidado.

 

Quando é assim, a pessoa muda de relacionamento e se relaciona na sequência com alguém igual, fica vivendo as mesmas situações. Muda de emprego e quando se dá conta estará fazendo as mesmas atividades e com as mesmas queixas no novo ambiente. Muda de casa e terá os mesmo problemas.

 

Porque não resolveu, não enfrentou.

 

Você se muda e o problema vai junto.

Você e suas sombras continuarão iguais, apenas num ambiente novo.

 

Mudar não significa apenas abandonar o velho e seguir para o novo, levamos pedaços fundamentais – quem a gente é! – para onde formos.

 

Então, vale arrumar primeiro a bagunça interna.

 

Tirar o pó das caixas que estão dentro da gente, que não usamos mais e que trazem peso à alma, ao coração e que podem estar aí tirando seu sono e causando medo de seguir em frente.

 

**

 

Se você quiser ler um pouco mais sobre como unir REALIZAÇÕES com RESPEITO AO SEU RITMO, te indico este artigo:  Do essencialismo ao desapego – Como reduzir o ritmo sem reduzir suas realizações

 

Compartilhe!

Como ser feliz no trabalho

Como ser mais feliz no trabalho com a competitividade em alta, medo do desemprego, busca por aumento de performance e resultados, ambientes e relacionamentos hostis e insalubres nas empresas, sobrecarga de trabalho?

 

Mesmo com todos estes desafios, existe espaço para ser feliz e buscar o equilíbrio entre as ambições profissionais e as necessidades pessoais.

 

O primeiro passo para ser feliz no trabalho é reconhecermos os aspectos que nos trazem satisfação, motivação, que suprem nossas necessidades individuais, bem como reconhecer o que não nos faz bem – e o que não queremos para nossa vida e carreira.

 

Quando falo sobre felicidade no trabalho, três questionamentos são fundamentais, tente respondê-los:

 

  • Como você chegou onde está – quais caminhos percorreu para chegar na posição onde está hoje, seja ela boa ou ruim.
  • Porque você está aí, nesse emprego, carreira ou empresa – mesmo que ela seja sua! – o que te faz ir trabalhar, o que te motiva a buscar o seu desenvolvimento e maiores resultados.
  • O quanto esse trabalho tem a ver, em %, com o seu estilo de vida.

 

 

Antes de qualquer mudança – de empresa, de profissão, de área – é necessário checar se a insatisfação é geral, que necessite mesmo da mudança, ou se são apenas itens pontuais a serem ajustados.

 

Neste caso, ao invés de investir na mudança, podemos nos aplicar no desenvolvimento de habilidades e comportamentos que aliviem a pressão e tragam mais satisfação.

 

 

Um alerta importante:

Os transtornos mentais, muitas vezes ocasionados pelos altos níveis de estresse e excessiva carga de trabalho, foram a terceira maior causa de afastamento dos trabalhadores brasileiros nos últimos 4 anos.

 

Mais de 17 mil casos de concessão do auxílio-doença e de aposentadoria por invalidez foram registrados entre 2012 e 2016 com este motivo, segundo o Boletim Quadrimestral sobre Benefícios por Incapacidade, divulgado em 2017 pelo governo federal.

 

 

 

 

Tampar o Sol com a peneira e seguir com a insatisfação não resolve.

 

Pensar no que te incomoda hoje é o primeiro passo para solucionar qualquer problema.

 

 

Ao identificar os gatilhos, o que desperta a sua insatisfação, você estará limpando seu campo de visão e assim começará a perceber se os problemas estão mesmo relacionados ao seu campo de atuação, à empresa em que você trabalha ou até mesmo se o problema é com você.

 

Se você está insatisfeito com o trabalho que tem ou, apesar de gostar do que faz e da empresa onde atua, não se sente plenamente feliz, talvez o problema não esteja nem mesmo no trabalho, diretamente.

 

Um fator muito comum é a incompatibilidade entre a vida profissional e a vida pessoal, causando desequilíbrio e frustração.

 

 

No trabalho é quase inevitável passarmos por problemas ou fases ruins.

 

Enfrentaremos riscos, erraremos e trabalharemos sobre pressão. Haverá sempre aquele relatório ou tarefa que você não gostaria de fazer ou um feedback negativo.

 

É preciso encarar essas situações com maturidade.

E diferenciar fases, momentos ruins, daquilo que realmente não nos serve mais.

 

 

Ninguém está isento e não é uma situação ou um dia ruim que causa infelicidade. É a soma de alguns fatores.

 

 

Se você está insatisfeito com o trabalho que tem ou, apesar de gostar do que faz e da empresa onde atua, não se sente plenamente feliz, talvez o problema não esteja nem mesmo no trabalho. 

 

 

Pode ser algum desequilíbrio entre o que você faz na vida profissional e o que ambiciona para sua vida pessoal.

 

 

E no fim, tudo é uma coisa só. 

 

A felicidade no trabalho só se estabelece quando você toma consciência de que o campo profissional não é um espaço isolado, ele recebe interferências de outras áreas da vida, como a familiar, a financeira, a espiritual e a social, por exemplo.

 

“Se um lado está desequilibrado, ele afetará o outro.

 

Quando o conjunto de elementos que forma a nossa vida estiver bem, você se sentirá bem.

 

 

Mas cuidado para não ficar buscando a perfeição em todas as áreas da vida, muitas vezes, nos afasta daquilo que é fundamental – a harmonia.

 

Para se alcançar a felicidade profissional, o ideal é aliar todos esses elementos e encará-los do modo mais natural possível, e aprender a lidar com as pequenas dificuldades diárias.

 

 

 

 

Existem alguns fatores que dão um empurrãozinho para a felicidade no trabalho:

 

1 – Faça o que gosta:

Fazer o que gosta é o primeiro passo para conseguir alcançar a satisfação na carreira.

Não significa fazer apenas o que gosta, e sim atuar com suas potencialidades e em um ambiente que te permita se desenvolver o máximo possível.

 

 

2 – Autoconhecimento:

Saber o que te faz bem, o que é necessário para sua vida, o que te motiva e o que te dá prazer é fundamental para você buscar a felicidade no trabalho.

 

Quando não temos estes itens bem claros, corremos o risco de ficar seguindo padrões dos outros, que não nos servem, ter grandes conquistas  – e continuar insatisfeito.

 

 

3 – Valores Pessoais x Valores da Empresa:

No que você acredita?

Quais os seus valores e ideais de vida, o que acredita que é certo ou errado? A empresa – e as lideranças – de onde você trabalha possuem valores compatíveis?

 

Vocês compactuam com as decisões, posturas, ideologias?

 

Você tem orgulho do que faz e da empresa onde trabalha?

 

4 – Desafios e Reconhecimento:

Ter desafios constantes e perceber que está evoluindo, crescendo na carreira e como pessoa.

 

Se sentir útil, respeitado e reconhecido por colegas e líderes são outros fatores que também contribuem para a felicidade na carreira.

 

 

5 – Ter bons relacionamentos:

Ter relacionamentos respeitosos e saudáveis no ambiente de trabalho.

Conviver com pessoas com as quais sentimos afinidade trazem inúmeros benefícios.

Além disso, é importante também cultivar bons hábitos durante o expediente: fuja das fofocas, organize seu tempo e sempre que puder, ensine algo.

Compartilhar conhecimento é um ato nobre, que aproxima as pessoas, gera confiança e nos inspira em todas as áreas da vida.

 

 

Esses 5 fatores, porém, não são isolados, uma vez que a nossa carreira, assim como o mercado de trabalho, está em constante mudança.

 

 

A felicidade é uma atividade e escolha diária.

 

Pratique!

 

A satisfação e o bem estar em exercer as atividades do dia a dia impulsionarão a sua motivação e o seu crescimento na carreira.

 

 

 

******

Você anda desanimado com a sua carreira?

 

Talvez seja hora de pensar numa Transição de Carreira

CLIQUE AQUI E ASSISTA UM VÍDEO ESPECIAL

 

 

 

 

Compartilhe!

Você enxerga a abundância que há no mundo ou vive na escassez?

Este final de semana estive em Cunha, interior de SP, e fui comprar shitake num pequeno produtor local, o Sr. Milton. Eu já havia estado na pequena propriedade rural dele uma única vez, levada pela minha amiga Gabriela Freire.

 

Chegamos e fomos muito bem recebidos pelo sr. Milton, com um sorriso nos lábios e uma serenidade em seu olhar profundamente azul e empático, mas que já veio se desculpando: “não tenho shitake, a produção está ruim por conta do frio”.

 

A minha cara foi de decepção, mas agradeci e já ia saindo, andando e me despedindo dele, quando veio a oferta: “não quer levar umas verduras da horta?”

 

Já houve tempos onde minha educação ou meu ego diriam não, obrigada.

 

Hoje, quando algo surge em meu caminho, estou aberta às possibilidades, aberta ao receber. Assim, respondi: claro que quero!

 

E lá fui eu, pra horta, seguindo o Sr. Milton, canivete na cintura e o mesmo sorriso de sempre. Colhemos alface, couve, azedinha, cebolinha, gengibre, batata doce. A cada item, ele olhava e me perguntava: Gosta desse? Eu respondia que sim…e ele feliz cortava e enchia uma sacola com suas verduras, legumes e hortaliças cheios de amor e vida.

 

No final, sacolas cheias e sorriso no rosto – meu e dele – pergunto quanto era.

 

E ele, de coração aberto, me diz: “nada, eu planto para eu comer e para oferecer pra quem chega, eu nunca conseguiria comer sozinho tudo o que eu plantei”.

 

Dou a ele o que eu tinha a oferecer naquele momento sem ser dinheiro: um abraço e muitas vibrações de amor e saúde. Fico já imaginando como retribuir, como trazer pra ele algum presente na próxima visita.

 

Sai de lá com o coração e a geladeira abastecidos. Feliz.

 

A Lei Sistêmica fala sobre o equilíbrio entre o dar e receber.

Se damos demais, podemos ficar sem. Primeiro eu me abasteço, vejo o que realmente preciso e o que posso compartilhar. E dou. E se eu apenas recebo, pode chegar o momento em que meu “recipiente” fique cheio demais, que não caiba mais nada, como se eu não tivesse mais espaço para aceitar coisas novas que venham. É preciso dar e receber o tempo todo, nos permitindo encher e esvaziar de tudo o que há.

 

Quando nos vemos sozinhos e com medo de algo nos faltar, corremos o risco de não enxergar essa abundância toda que existe no universo, podemos não ver que existe tudo em quantidade suficiente pra todos, se cada um souber usar somente a sua parte, sem desperdício, sem ganância.

 

Imagine que você esteja sozinho em casa e tenha apenas 1 quilo de arroz no armário. Nada mais. Você pode ter medo de passar fome ou se sentir infeliz por não ter opções diferentes, sentir que algo te falta.

 

Agora, pense que você pode chamar mais pessoas para repartir o seu alimento. E sim, pode faltar ainda mais! Agora, pense que se cada um trouxer o que tiver em casa, de repente, chega alguém com batatas, outro com alface, outro com feijão, logo vemos uma abóbora.

 

Um almoço farto e feliz se fará, onde antes havia apenas arroz, medo e tristeza. Todos comerão, bem e fartamente. Se bobear, vai sobrar pra levar marmita pra casa.

 

Cadê a falta, cadê a escassez?  

 

Estava no medo. De que não teria mais nada.

De que se não dividisse ficaria com menos, de que o que tinha não daria, não seria suficiente.

 

Não foi esse o pensamento do sr. Milton ao dividir comigo os produtos da sua horta. Ele não acha que vai faltar. Ele carrega no coração a certeza de que se ele continuar fazendo a sua parte, todo dia é dia de colheita.

 

Meus produtos, em abundância, eu dividi com mais 2 pessoas, e cheguei em casa assim em plena abundância e feliz.

 

Se quiser ler mais um texto sobre este tema, veja este aqui:

A sua mentalidade é de abundância ou de escassez?

Compartilhe!

Lavando a roupa suja – porque a vida não é feita somente de bons momentos

Hoje é domingo, voltei ontem da praia onde descansei por três gostosos dias e aqui estou eu: lavando as roupas sujas, organizando a casa, planejando meu trabalho da semana que se inicia.

 

No café da manhã li alguns e-mails de alunos do programa Jornada Singular, a tarefa da semana era sobre qual a sua vida e trabalho dos sonhos. Vários insights, várias dúvidas. Medos e sonhos andam de mãos dadas, sempre.

 

Fiquei com este tema na cabeça: a vida ideal.

 

Volto meu olhar pro cesto de roupas sujas…ainda terei umas quatro máquinas cheias pela frente, já dei banho nas cachorras que estavam cheias de areia e carrapichos, assei pães de batata-doce pro café e daqui a pouco terei que fazer o almoço, responder os e-mails, deixar tudo pronto.

 

 

Quando falamos sobre a vida ideal dificilmente incluiremos nela esta parte: a dos bastidores. Poxa, quero tanto passear na praia! Está lá, na vida dos sonhos. E lavar a roupa suja depois? Quero tanto ver minhas cachorras pulando soltas pela natureza – e dar banho, tirar carrapicho e secá-las? Não, isso não entra na lista dos sonhos, da vida ideal.

 

E quando falamos de trabalho, a mesma coisa. Eu amo meu trabalho. Mas tem as planilhas, os relatórios, o controle financeiro e fiscal…que me cansam! Preferia pular esta parte, mas não posso!

 

Nossa vida e trabalho ideal sempre vem com um quê de romantismo. Nos sonhos ou nas estórias com final feliz a casa e as roupas são auto-limpantes, os filhos não dão trabalho e nem ficam doentes, as pessoas não tem TPM ou um dia ruim. Bem diferente da vida real.

 

A vida real é recheada de momentos não tão legais.

 

Cabe a nós definir como olharemos para estes momentos.

 

A pia está cheia de louça? Puxa, lembre-se de como foi o jantar! Seus filhos bagunçaram toda a casa? Mas que delícia de vê-los brincando, rindo e com saúde.

 

Eu estou cheia de roupas com restos de areia e protetor solar para lavar… mas a cada peça, a lembrança gostosa do momento vivido, do sol no meu rosto, da areia e da água do mar nos meus pés. Vale a pena a sujeira!

 

Muitas vezes não podemos mudar o mundo, a situação, temos que fazer o trabalho duro e pesado. Mas podemos reinterpretá-lo e começar a olhar com amor e gratidão à tudo o que nos acontece.

 

Hoje é domingo.

 

Você pode se deitar no sofá, assistir programas ruins na TV, ler um livro ou levantar agora e ir passear num parque. Pode reclamar que não tem nada na TV, que ler é obrigação, que o parque está longe e lotado. Pode escolher reclamar de tudo, sempre.

 

Ou pode chegar à conclusão de que a vida que você vive é reflexo das escolhas que você faz, ao agir e ao pensar.

 

Podemos reclamar menos e sermos mais gratos.

 

O que não significa que a vida está perfeita e ideal, significa apenas que é a vida, assim, com todas as superações, desafios e alegrias que a fazem tão linda e boa de ser vivida!

 

Viva bem e seja feliz.

 

 

 

 

Compartilhe!

Jornada Singular – uma viagem em busca de nós mesmos

Esta da foto sou eu. Prazer, Lilian.

Dezembro de 2014, Vale do Pati – Chapada Diamantina – Bahia.

Ali, na minha ignorância, seriam os passos finais do meu processo de autoconhecimento e transformação, que vinha acontecendo de forma acelerada. Que tola que fui.

Cheguei com a mochila pesada de medos, crenças, bloqueios.

 

Cheguei acreditando que faria calor todos os dias. 

Afinal, era verão na Bahia!

Fez frio. Muito frio. Sofri até pra tomar banho gelado.

 

Cheguei acreditando que eu estava preparada fisicamente, em forma.

Treinei bastante, ia na academia.

Não estava. Tive bolhas nos pés, dores nos joelhos, nas costas.

 

Cheguei acreditando que eu era independente, autossuficiente e que iria para onde quisesse.

Dona do meu nariz! Na primeira hora a natureza me disse que não – ali, era ela quem mandava.

Choveu, cancelamos os 1os planos. Na sequência, o primeiro paredão de pedras me mostrou meus medos e fraquezas.

Aprendi que sozinha eu não iria longe.

 

Pensei em jogar tudo o que tinha na mochila fora pra não carregar mais peso.

Revi o que era realmente necessário. Lição que eu trouxe pra vida, aplico até hoje.

Do que preciso, afinal pra ser feliz?

Fiquei uma semana sem internet, sem telefone.

Me desconectei. E pasmem, não morri.

Quando voltei, o mundo estava exatamente igual!!

Mas eu não. 

Meus pés, meu corpo, meus olhos, minha mente e meu coração tinham mudado. Eu já não enxergava as coisas como eram.

Eu tinha mudado. E então, precisava mudar o meu entorno.

Assim, achando que aquela viagem seria o fim do meu processo de resgatar quem eu era, mal sabia que ali, na verdade, era apenas o começo da minha Jornada Singular.

A cada passo que damos, descobrimos um pouco mais sobre nós, sobre quem somos, sobre o que nos serve e para que, afinal, estamos aqui.

Pra que você vive?

Eu não vivo de passagem. 

Vivo para realizar, mudar, transformar. Não só a minha vida.

Vi que podia expandir, me conectar e apoiar pessoas que também são buscadoras. 

 

E assim nasceu um novo projeto – JORNADA SINGULAR – onde compartilharei, de mãos dadas com você, como ter mais leveza e construir uma vida e carreira mais autêntica.

 

> Como ser a gente mesmo num mundo que nos cobra o tempo todo a ser igual a todo mundo!

 

Será um curso online e ao vivo, com muitas partilhas e aprendizados sobre autoconhecimento, vida pessoal e carreira.

 

No final, um mega encontro presencial, em SPaulo. 

Jornada Singular - Saia do Piloto Automático!

Vamos juntos, passo a passo. Eu serei a guia desta jornada.

Rumo a vida e carreira que você merece. E pode ter.

Link para inscrições AQUI

Compartilhe!

Está mesmo tudo bem com você?

Tudo bem com você?

Quantas vezes, ao encontrar um conhecido que te fez essa simples pergunta  – Tudo bem? você não respondeu sem pensar: Tudo bem!, mesmo quando não estava bem?

O socialmente aceito, o piloto automático,  o convencional, o medo de expor nossas fraquezas e angústias nos faz dar respostas prontas: nem pensamos em como realmente estamos passando, no que estamos de fato sentindo.

Passamos para a próxima pauta da conversa.

E mais. Muitas vezes perguntamos aos outros se está tudo bem, simples e puramente por obrigação.

E se a pessoa disser pra você que não está bem e começar a falar sobre as angústias que vem passando, a ansiedade quanto ao futuro, o medo de algo não dar certo. Você vai querer mesmo ouvir?

Não aprendemos a falar sobre sentimentos, emoções.
Expor o que estamos realmente sentido é visto como fraqueza.

Também não aprendemos a ouvir as pessoas, de verdade.
Ouvir sem julgar, sem querer dar solução, sem comparar.
Ouvir com compaixão, respeitando a dor alheia.

Nossa prioridade é seguir modelos, padrões, sermos aceitos – e perfeitos.
Do lado de fora. Se não somos, ao menos tentamos aparentar, fingimos.

Mas em algum momento desmoronamos.

E então, vem as aulas e regras sobre equilíbrio emocional.
Controle-se, seja resiliente, aguente a pressão. Sendo que deveríamos ensinar: tudo bem chorar, tudo bem desabafar, coloque pra fora, externalize o que está sentindo, esta é a melhor forma de reequilibrar.
Porque não sabemos o que fazer com as emoções, então, quando fazemos algo, vem sem controle, desequilibrado emocionalmente – os famosos altos e baixos.

Não vamos conseguir equilíbrio emocional suportando algo que nos sufoca por muito tempo. 

Quando o leite ferve, em um segundo ele se esparrama por tudo, faz um desastre no fogão.
E sempre acontece no segundo em que nos viramos para pegar algo. Mas ele não ferveu de um segundo pro outro, foi um processo. O leite foi esquentando, esquentando…até que ferveu.

Assim somos nós. Aguentamos, aguentamos…até que transbordamos de forma errada, sem saber como lidar com o que estamos sentindo.

Muitos dos problemas nas relações pessoais ou profissionais, vem de não sabermos lidar com estas emoções e sentimentos, nossos e dos outros.
Muitas vezes somos PHDs em dar soluções mágicas e poderosas em conversas com amigos, mas não fazemos ideia de como realmente aplicar aquilo no nosso dia a dia.

Um bom ponto de partida para olhar para estes sentimentos é olhar pra você mesmo, no espelho, e se perguntar:
  Tudo bem com você?
Seja sincero, e esteja aberto e preparado para se ver profundamente.

________

 

Dê uma olhada na página de Materiais Gratuitos e veja os materiais que podem te ajudar neste processo de olhar pra dentro, refletir e desbloquear os medos.

_______

Já viu nossa AGENDA DE CURSOS – PRESENCIAIS E ONLINE? 

 

 

Compartilhe!