Flexibilização no Ambiente de Trabalho: entre salgadinhos e stress

Atualmente muito se fala sobre a flexibilização no ambiente de trabalho: ações voltadas para humanizar as relações, esquentar o clima organizacional e transformar o trabalho em algo mais leve, até mesmo divertido.

 

Se precisamos amar o que fazemos nada melhor do que transformar o trabalho numa extensão de nossas casas, certo? 

 

A Flexibilização no Ambiente de Trabalho é uma grande ganho neste quesito.

 

Eu estudo sobre reinvenção e futuro do trabalho faz algum tempo e venho me deparando com boas ações e conquistas incríveis, para empresas e profissionais.

 

Fui entrevistada pela TV Globo / Vanguarda sobre este tema, aqui a matéria que foi ao ar no Vanguarda Mix.

 

Nas empresas vemos de tudo um pouco:

  • Dia do pet ir ao trabalho;
  • snacks e refrigerante liberado;
  • dia do chopp e da pizza;
  • horários alternativos;
  • dormitórios e salas de descompressão;
  • vídeo game;
  • dress code liberado – de bermuda a fantasia, vale qualquer traje;
  • até mesmo as famosas – piscinas de bolinha com tobogã.

 

 

Algumas empresas são famosas pelo ambiente interno: Google, Facebook, LinkedIn, Ifood, Netshoes, etc… (quer citar alguma, a sua quem sabe?)

 

 

Em pesquisa realizada pelo Portal Trabalhadores.com, 52% dos entrevistados alegaram que buscam motivação no ambiente de trabalho, assim como a relação interpessoal entre colegas e líderes.

 

 

Todas estas ações influenciam no clima organizacional, que é a percepção coletiva que os empregados têm da empresa.

 

Mas clima organizacional não é apenas sobre um ambiente descolado onde as pessoas trabalham de bermuda ou fantasiados.

 

 

Para o clima ser positivo os funcionários precisam experimentar e validar as políticas, estrutura, sistemas, processos e valores.

 

Será a soma de todos estes itens que irá prover a produtividade, a qualidade, a inovação e a vitalidade empresarial.

 

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Se por um lado tem muitas empresas e profissionais obtendo ganhos incríveis com estas transformações, ajustando ambiente, políticas e posturas, por outro lado tem o que eu chamo de pseudo-startup: empresas que fingem bem!

 

 

O que diferencia uma empresa que tem a real preocupação com sua equipe de uma que só implantou ações “para inglês ver”?

 

As pseudo startups são empresas bonitinhas e com papo descolado. Porém, esta conversa em geral fica na faxada. Nestes ambientes é comum verificarmos um ou vários dos itens abaixo:

 

  • Processos seletivos engessados, com etapas desnecessárias e muitas vezes preconceituosos.
  • A equipe não tem tempo de utilizar o que está “disponível” ou existem regras demais para o uso, o que acaba limitando as áreas comuns. Já presenciei área de descompressão que fica trancada, o funcionário precisa pedir a chave para o líder, justificando o porquê de estar parando.
  • Não existe preocupação real com a saúde e o bem estar. Muitos dos benefícios são mais para esconder as jornadas excessivas de trabalho ou fazer com que o funcionário “esqueça” de levantar para almoçar.

 

Na prática, tudo se resolveria com um simples:

Flexibilização no ambiente de trabalho é sobre:

Faça o que fala,  fale somente sobre o que faz.

 

Porém muitas empresas querem ser moderninhas, competitivas na atração de bons profissionais, mas acabam não sabendo como fazer isso de forma íntegra, na prática. Viram fraudes ou caricaturas.

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Como implantar a Flexibilização no Ambiente de Trabalho de forma realista?

 

E como as empresas podem flexibilizar e se transformar, sem se perder no caminho?

 

A primeira coisa que precisa mudar numa empresa, antes de pintar as paredes ou colocar uma máquina de refrigerante no corredor é a mentalidade de quem está no comando.

 

Definir como quer ser visto pela equipe, por aqueles que farão a divulgação sobre como é realmente bom trabalhar ali. E isso impacta no senso de pertencimento e engajamento. Aplique e veja seu turnover despencar.

 

Assuma sua personalidade empresarial e implante melhorias aos poucos – ouvindo sua equipe e se preocupando de fato com ela.

 

Comunique todas mudanças com transparência, inclusive falando sobre o que é possível ou não de ser feito – nem toda mudança acontece da noite para o dia.

 

Crescer é aumentar de tamanho.

Evoluir é aumentar sua influência e consciência, se transformar.

Muitos líderes e empresas precisam evoluir, não apenas crescer.

 

 

Ajudamos empresas e profissionais que precisam se reinventar. Conte com nosso apoio.

 

Compartilhe!

O que é LinkedIn e como utilizá-lo para fazer negócios

O que é linkedin e como usá-lo pra fazer negocios

Você sabe o que é LinkedIn e como utilizá-lo para fazer negócios?

Se você ainda acredita que o LinkedIn serve apenas para quem busca recolocação, saiba: você pode estar perdendo excelentes oportunidades profissionais e de negócios!

 

No decorrer desta leitura você saberá o que é necessário para ter credibilidade e fechar negócios usando o LinkedIn.

 

Uma das primeiras coisas que ensino nos meus processos de mentoria para coaches é como eles podem utilizar a rede para negócios.  

 

Assim que eles dedicam atenção na correta utilização do LinkedIn conquistam rapidamente excelentes resultados e interações, incluindo fechamento de contrato com pessoas e empresas que não conheciam, em menos de 30 dias de uso!

 

Resultados de uma mentorada: + de 250% de crescimento de visualizações do perfil com apenas 1 semana aplicando minhas técnicas e estratégias.
Resultados de uma mentorada: + de 260% de aumento nas visualizações do perfil com apenas 1 semana aplicando técnicas e estratégias que ensino.

 

 

E agora, você quer saber o que é LinkedIn e como utilizá-lo para fazer negócios?

 

Vamos em frente! 

 

Esqueça a venda pela venda. O que funciona na rede é:

  • Estabelecer novas conexões, ampliando sua rede de forma exponencial.
  • Compartilhar sua expertise, ajudando as pessoas e construindo autoridade.
  • Ter um perfil que seja seu portfólio, deixando claro quem você é e o que faz.

 

É sobre isso que abordarei. Então, pra começar, vamos deixar uma coisa bem clara:

 

Pra trabalhar de forma orgânica no LinkedIn (onde são seus conteúdos e interações que atraem novos clientes), esqueça o perfil empresarial. Ele até pode existir para solidificar a sua atuação. Mas será através do perfil pessoal que todo trabalho será realizado. 

 

Pessoas conectam-se com pessoas.

 

E quanto mais você for conhecido e confiável, mas fácil será vender qualquer coisa.

 

Eu sou usuária do LinkedIn desde 2011 e somente no final de 2015 comecei a realmente utilizar a rede social de forma efetiva com três objetivos bem claros:

 

  • Produzir e distribuir conteúdos que ajudem as pessoas a pensarem e planejarem a carreira;
  • Consolidar minha marca pessoal, como especialista em minha área de atuação;
  • Estabelecer novos contatos, parcerias e fomentar negócios.

 

Com um trabalho consistente e planejado, o LinkedIn passou a ser a minha principal rede social orgânica e hoje consigo mensurar ganhos em todos os objetivos ao qual me propus, como por exemplo:

 

  • Visibilidade mensal do perfil acima de 10.000 visualizações, sendo mais de 300 ocorrências em buscas.
  • Mais de 27 mil visualizações de um único artigo publicado.
  • Em um único post, mais de 426 mil pessoas alcançadas, com mais de 400 comentários e 11 mil curtidas.
  • Em uma semana, o canal do LinkedIn Brasil referenciou 2 vezes um artigo meu como sendo material de destaque na plataforma!

 

 

 

 

O que isso me trouxe de retorno? Clientes, parcerias, eventos cheios, entrevista pra televisão e muitos, muiiiitos amigos! 

 

Pra você entender um pouco mais sobre o potencial do Linkedin

 

Em 2017 o LinkedIn alcançou a marca de 500 milhões de usuários, sendo que destes mais de 29 milhões estão no Brasil. Somos o terceiro maior mercado da rede social profissional, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e Índia.

 

E você, sabe como se destacar no LinkedIn?

 

São muitas as oportunidades disponíveis no LinkedIn e para potencializar sua atuação na rede é necessário atuar em 3 pilares:

 

  • Possuir um Perfil otimizado e completo, com informações organizadas e bem expostas.
  • Interagir e construir relacionamentos: apoiar e ampliar a sua rede, contribuir com os demais profissionais e participar de grupos.
  • Produzir conteúdos, compartilhar conhecimentos e ideias.

 

Porém, para colher bons resultados, é importante atuar com FOCO e ESTRATÉGIA,

baseado em como deseja se posicionar e quais os resultados quer obter.

 

Ao longo destes anos o LinkedIn passou por várias e consistentes transformações, incorporando ambientes de aprendizagem, editorial de artigos e possibilitando o compartilhamento de vídeos, entre outras mudanças.

 

Assim, a plataforma que já foi vista por muitos como local para busca e oferta de empregos passou a se tornar uma imensa oportunidade para apresentação de soluções, conteúdo, networking e exposição de marca profissional e empresarial.

 

Vamos falar mais sobre isso!

 

#1 – Transforme seu perfil em um Portfólio

 

 

 

Esqueça o famoso currículo.

 

Se você pretende fazer negócios usando o LinkedIn, deve transformar seu perfil num resumo atrativo, claro e diferenciado sobre QUAL SOLUÇÃO REAL VOCÊ ENTREGA e/ou QUAL O SEU VERDADEIRO DIFERENCIAL

 

 

A começar pelo título:

Ele deve falar sobre o que você faz e não sobre qual formação você possui.

 

 

 

 

 

 

Resumo que vende:

Mais uma vez, um bom resumo não é sobre você e sim sobre o que você pode fazer pela pessoa que está lendo. O foco deve estar em três pilares:

  • o que você pode fazer (sua oferta);
  • o que prova que você pode fazer isso (sua bagagem, experiência e realizações);
  • o que te capacita pra isso (seus títulos e  formações).

No resumo é possível inserir links e documentos – use e abuse destes recursos.

 

Histórico Congruente:

Não adianta ter um perfil lotado de formações, experiências, cursos… mantenha o que for congruente, que acrescente às oportunidades que você busca. Nem sempre são apenas os exatamente ligados à atuação, mas sim todos aqueles que tragam competências e habilidades relativas ao seu trabalho atual.

 

 

#2 – Estratégia – O que você busca no LinkedIn?

 

Antes de começar a adicionar todo mundo, antes de postar sobre mil assuntos e antes de compartilhar o que vê pela frente, defina a sua estratégia:

  • Qual o seu objetivo na rede? 
  • Qual o seu público-alvo (com quem você irá se comunicar)?
  • Sobre qual tema quer ser reconhecido?
  • Como quer ser visto?

Lembre-se: o que menos funciona no primeiro momento é a venda pela venda. Cultive relacionamentos e conquiste seu posicionamento.

 

 

 

#3 – Conecte-se!

Devo ou não aceitar todos os pedidos de conexão? Se você quer ter visibilidade, eu defendo que SIM!

O algoritmo das redes sociais funciona de forma exponencial: quando uma pessoa da sua rede curte ou comenta em suas postagens, os amigos dela são notificados. Assim, quanto maior sua rede, mais pessoas – de 1º e 2º nível, verão seus conteúdos, trazendo maior visibilidade. A conexão de 1º nível pode não ter perfil para ser seu cliente, mas o amigo dela, sim.

Vale também buscar suas conexões por afinidades e ir expandindo sua rede de forma ativa.

 

Não adianta apenas expandir a rede, aceitar e incluir pessoas: fale com elas! Crie mensagens de boas-vindas.

ah!

Conexões de 1º nível = pessoas conectadas diretamente a você.

Conexões de 2º nível = conexões (amigos) de pessoas conectadas diretamente a você.

 

#4 – Contribua – e posicione-se como especialista!

 

Na minha opinião, a melhor estratégia para conquistar audiência, ganhar posicionamento e converter seguidores em clientes no LinkedIn é através do Marketing de Conteúdo. 

 

As possibilidades dentro da plataforma são inúmeras e não param de surgir novidades:

 

  • Posts curtos, de até 1300 caracteres, de leitura rápida, que permite o compartilhamento de notícias ou a exposição da sua opinião sobre algum tema ou acontecimento.
  • Artigos mais extensos, onde além de escrever de forma mais aprofundada, é possível citar referências, ilustrar com  apresentações, imagens e vídeos.
  • Vídeos curtos, de até 10 minutos – sejam eles autorais, animações ou um conteúdo legal produzido por outros.
  • Apresentações em power point ou pdf – sabe aquele material bacana que você fez para uma palestra ou reunião? Você pode compartilhar com sua rede.

 

No quesito conteúdo, alguns cuidados são fundamentais:

 

  • Cuidado com plágio ou compartilhamento não autorizado. Muitos materiais possuem direitos autorais, principalmente imagens, vídeos, livros e músicas.
  • Quando o material não for seu, cite o autor.
  • Fique atento para não contribuir com as “fake news”. Apenas compartilhe ou comente sobre assuntos que você tenha certeza de serem reais.
  • Tenha clareza sobre os temas em que deseja ser especialista e fale sobre eles. Melhor postar menos, porém com precisão e conhecimento.

 

Lembre-se: o LinkedIn é uma rede profissional. Cuidado com o conteúdo que você compartilhará!

 

 

Tudo é valido para manter sua rede de contatos aquecida, desde que seja com o foco em ajudar e de forma ética.

 

 

CLIQUE AQUI  para entender como o você pode encontrar CLIENTES qualificados e desenvolver novos negócios no LinkedIn! 

 

 

 

 

#5 – Acompanhe suas métricas e desempenho!

Como em qualquer negócio, acompanhar as métricas do seu perfil e traçar estratégias para melhorá-las sempre, ajudará você a direcionar e ampliar o seu resultado. 

Estabeleça uma rotina de acompanhamento e quais dados precisa checar.

 

 

 

Estas dicas vão ajudar você a ampliar a sua rede e aumentar a sua visibilidade

Entretanto não se esqueça de 3 regrinhas básicas:

 

 

Cuidado com a ortografia – capriche no português, se possível peça para mais de uma pessoa revisar o seu perfil.

 

Seja honesto – não minta e não tente parecer ser quem você não. Também nunca ofereça algo que não possa cumprir ou com interesses “obscuros”. Trate as pessoas e os negócios com clareza e ética.

 

Cuide da sua imagem – as redes sociais devem refletir sua postura profissional no mundo real. Cuidado com discussões que ultrapassem o limite da cordialidade, brincadeiras ou temas impróprios para o ambiente profissional. Na dúvida, pense: você trataria o tema da mesma forma numa mesa de reunião? 

 

 

 

 

 

Para ajudar você a aprofundar no tema criei um curso 100% online e com investimento super, super acessível onde ensino todos os passos para:

 

Planejar sua atuação, construir um Perfil Campeão etapa por etapa, criar conteúdos e fazer pesquisas, interagir com a rede de forma eficiente e muito mais, de forma bem detalhada e prática.

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

 

 

 

Compartilhe!