Como falar sobre pretensão salarial?

O que é linkedin e como usá-lo pra fazer negocios

Você sabe qual o momento certo de falar sobre pretensão salarial e como definir a sua?

A maior parte das empresas, ao abrir uma vaga, já possui o valor que deseja pagar pelo profissional que irá contratar.

 

A pergunta sobre pretensão salarial é exatamente para constatar se o candidato se adequa ao valor e se irá sentir-se motivado a trabalhar em troca de tal remuneração.

Trazer um candidato com valor superior ao previsto da vaga pode gerar desequilíbrio interno na empresa – profissionais com mais tempo de empresa podem se sentir desprestigiados, a empresa ou setor pode ter um custo orçamentário não previsto, e pelo lado do novo integrante, o medo das empresas é investir em alguém que continuará em busca de algo melhor, que não irá ficar confortável com um valor abaixo do que pretendia – e que muitas vezes aceita o emprego de forma transitória.

 

Se você tem dúvidas sobre este tema (assim como muita gente!), preparei algumas dicas sobre o assunto:

 

Quando os anúncios de vagas pedem pretensão salarial, é essencial ter esta informação no currículo?

 

Quando nos deparamos com anúncios de vagas a grande dúvida é saber como falar sobre pretensão salarial de maneira adequada e sincera. Sempre mencione a pretensão, quando solicitado. Não precisa informar um valor específico, pode mencionar um valor aproximado, como por exemplo: “entre R$ 2.000 e R$ 3.000, negociável de acordo com o pacote de benefícios”.

Nem só de salário se compõe a remuneração, por isso é importante considerar essa variação.

 

 

Ilustração sobre como falar de pretensão salarial

 

O mesmo vale ao responder entrevista presencial se questionado sobre a pretensão salarial. Sempre que possível, seja franco quanto espera ser remunerado pela função pretendida.

 

O que define a pretensão salarial?

 

Leva em consideração vários fatores: localização geográfica, tipo de negócio e tamanho da empresa, tempo de experiência do profissional, nível hierárquico e de responsabilidade da vaga são algumas delas.

 

Um profissional mais sênior, numa empresa pequena, pode ganhar menos do que um profissional júnior numa grande empresa. Tudo deve ser analisado.

 

Se logo no meu currículo a pretensão estiver acima do que eles pretendem pagar, eu já serei excluído?

 

Se existir apenas uma vaga e o valor pedido for muito acima, são altas as chances de ser eliminado apenas pela informação.

 

Mas se o profissional tiver um histórico e formação interessante para a empresa, poderá ser considerado para outras oportunidades, permanecendo num banco de dados ou sendo chamado para entrevista nos casos em que há oportunidade de entrar para a vaga de menor salário com possibilidade de crescimento a curto prazo (mantendo assim a motivação do candidato pela vaga).

 

Também pode ocorrer, em raros casos, uma contraproposta mesmo que abaixo do valor pretendido pelo candidato caso a empresa julgue interessante e de acordo com o nível de interesse pela qualificação.

Nessa contraproposta pode envolver outros benefícios ou até plano de carreira, por exemplo.

 

Dar uma pretensão salarial muito baixa é ruim?

 

Cada um deve saber até onde vai seu poder de negociação, não existem limites e não tem problema em reduzir salário, inclusive é uma realidade no mercado atual.

 

Muitos profissionais tinham um alto salário pelo tempo de empresa ou aquecimento de mercado. Com a crise econômica e o alto desemprego do país, as médias salariais baixaram consideravelmente.

 

Se adequar a nova realidade faz parte do processo de recolocação. O que o profissional deve analisar é que uma vez que ele regrida na remuneração, não será simples ou rápido ter a elevação salarial se ela for muito grande, pode levar tempo.

 

Como pesquisar por salários equivalentes ao meu cargo e experiência?

 

Uma boa dica é pesquisar no segmento que você ou a empresa que pretende contratar atua qual é a média salarial para o cargo pretendido, lembrando que os valores podem variar de um estado para o outro.

É importante analisar o ambiente: estar atento ao mercado da sua região, acompanhar as vagas e analisar o volume de ofertas x demandas.

 

Também existem sites que realizam pesquisas salariais (Love Monday, Hays) e outros, como o Vagas.com, que disponibilizam uma média salarial pública, que pode ser consultada.

 

Atente-se apenas que em geral as pesquisas e tabelas podem não considerar a realidade da sua região, então se faz necessário a primeira análise citada (ambiente), de qualquer forma.

 

 

 

Se eu quero ganhar mais do que eu ganho hoje para mudar de emprego, quanto eu devo pedir?

 

Muitas pessoas que estão empregadas e buscam uma nova recolocação colocam percentuais em torno de 10 a 20% acima do que ganham como pretensão na busca do novo emprego.

 

Eu acho isso um erro, pois crescimento profissional e busca de um novo emprego não deve ser feito com base apenas em percentual de aumento salarial imediato, outros fatores devem ser levados em consideração, como ambiente de trabalho, benefícios como um todo, possibilidades de crescimento e desenvolvimento profissional, qualidade de vida, etc.

 

Muitas vezes a troca ocorre por um salário igual ou até mesmo inferior, mas os ganhos indiretos são muito mais vantajosos.

 

De qualquer forma, também vale a pesquisa e análise de mercado.

 

E se você deseja ajuda para saber qual o melhor momento para mudar de emprego ou até profissão, saiba aqui como podemos contribuir.

 

 

Cultura e ambiente empresarial devem ser levados em consideração para definir o salário?

 

Nem sempre um profissional com um bom salário se sente realizado e feliz onde está.

 

É cada vez mais comum as pessoas deixarem um bom emprego com um excelente salário, para irem atrás de trabalhos em empresas onde se sintam mais realizadas e tenham valores pessoais alinhados.

 

O tempo despendido ao trabalho é cada vez maior, as pessoas já não enxergam a aposentadoria como um fim de carreira, e por isso estar num ambiente onde se sintam bem faz diferença para essa longevidade e bem estar profissional.

 

Ilustração sobre quanto pretende de salário

 

Benefícios precisam entrar nesta pretensão?

Sim, benefícios fazem toda diferença.

 

Existem empresa que concedem benefícios com auxilio a estudo, cursos de idiomas, previdência privada, auxilio em despesas como combustível e moradia.

 

 

Quando somados, estes benefícios diminuem as despesas que a pessoa teria que arcar com o salário, que pode acabar sendo menor do que em uma empresa com menos benefícios, mas no final, entre entradas e saídas, a conta do orçamento doméstico fecha mais positiva.

 

Se existe algum benefício que seja indispensável para você, é importante que ele seja mencionado. Do contrário, vale perguntar quais benefícios a empresa oferece.

 

Quais são os principais erros cometidos pelos candidatos?

  • mencionar a pretensão no currículo, sem ela ter sido solicitada;
  • ter uma pretensão salarial incompatível com o mercado atual, baseada em experiência passadas e sem pesquisa e adequação recente;
  • preocupação com o salário bruto, sem análise dos demais itens que compõe a remuneração e sem analisar o possível desenvolvimento de carreira;
  • comparar a remuneração sua com profissionais formados na mesma época e graduação, mas com carreiras conduzidas de forma totalmente diferente.

 

 

E se você errou e por isso foi demitido no último emprego, como falar sobre isso na entrevista?   – Aqui eu falo sobre isso:

 

Erro no trabalho: você sabe o que fazer caso cometa um?

 

 

Ficou com alguma dúvida? Escreva pra gente!

 

 

 

Lilian Sanches  – Coach Especialista em Carreira

**

Se você procura coaching para sua carreira, treinamentos, mentoria ou consultoria, conte conosco. Atendimento online para todo Brasil. Atendimento presencial em São José dos Campos, Vale do Paraíba e São Paulo.

 

 

O problema do seu currículo é o modelo ou o conteúdo?

 

Muitas pessoas estão desempregadas, mandam 100, 1000 currículos e não tem retorno ou não recebem um único agendamento de entrevista em meses.

A crise está aí, as empresas realmente reduziram seus quadros de funcionários, muita gente está desempregada e neste cenário a concorrência aumenta.

Mesmo com este cenário tem empresas contratando e pessoas trocando de emprego.

Questiono: O seu produto é bom?

 

É assim que você é visto no mercado de trabalho: um produto.

 

E como todo produto, não basta ter uma embalagem bacana.

Para permanecer no mercado é preciso ter conteúdo de qualidade.

 

 

E aqui mora o perigo!

 

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

Se a sua dúvida é quanto ao formato, disposição das informações, conteúdo que deve conter no currículo está simples. Veja estes dois materiais:

Em nosso site, disponibilizamos gratuitamente 3 modelos de currículo, super modernos e atuais. É só baixar e adaptar o seu para o formato escolhido:  Clique aqui. 

Se ainda tem dúvidas, leia este artigo:   Dicas essenciais para o seu currículo. 

 

 

 

 

 

Mas agora vamos falar sobre o conteúdo.

 

 

Abaixo listo as principais causas de conteúdo que fazem um currículo ser rejeitado pelos recrutadores.

 

 

  • Falta objetividade:

Aqui não é sobre a falta de objetivos, é sobre falta de objetividade mesmo.

É o caso de currículos muitos extensos, com muitos conteúdos e que muitas vezes se repetem. Experiências muito parecidas em empresas diferentes, citados em vários lugares do currículo. Como se estivesse “enchendo linguiça”.

Seja o mais objetivo, direto e sucinto possível.

Coloque no currículo o que realmente te destaca e guarde o resto para a entrevista ou para o seu perfil no LinkedIn.

Um caso clássico é quando o profissional lista todas as atividade que fazia, inerentes ao cargo. Um exemplo é um analista de contas a pagar que cita nas principais atividades: pagar contas ou uma secretaria executiva que cita administrar a agenda dos diretores.

Lembre-se: diferencie o seu produto, coloque “o que mais você faz”, o que justificaria alguém querer muito você.

 

 

  • Pulando de galho em galho:

Experiências muito breves em muitas empresas ainda é muito mal visto.

Hoje as pessoas não seguem mais o padrão antigo, de entrar e se aposentar na mesma empresa. Testar, experimentar atividades e culturas empresariais não é ruim. Mas deve haver um limite.

Ficar menos de 1 ano em cada empresa demonstra instabilidade. Ou você foi demitido logo ou é o típico funcionário insatisfeito, que logo quer sair. Nenhuma empresa quer estes perfis.

A solução? Tente ficar mais tempo no próximo emprego!

 

O-problema-do-seu-currículo-é-o-modelo-ou-o-conteúdo

 

  • Falta de congruência entre experiências e formações:

A formação é em humanas e toda experiência é em exatas. Ou o contrário.

É muito típico em currículos de profissionais que começaram a trabalhar primeiro e depois buscaram formação. Isso cria uma lacuna e o recrutador não consegue entender qual a linha de crescimento de carreira daquele candidato:

       – Será que ele quer continuar trabalhando no que tem experiência ou no que se formou?

Aqui a grande saída é conseguir deixar claro o objetivo e as pretensão. O que você deseja fazer daqui pra frente? E se você não sabe, não será o recrutador que vai te apoiar.

Um processo de coaching ou um bom planejamento de carreira podem te ajudar.

Defina seu direcionamento de carreira e deixe isso claro no currículo. Escreva uma carta de apresentação que te ajude a contar seu histórico e ambições ao recrutador, esclarecendo e conectando formações e experiências.

 

  • Excesso de experiência e falta de formação (o contrário também é válido):

É o típico currículo recheado de experiências mas sem formação equivalente. Enquanto você está na mesma empresa ou trabalhando com pessoas que te conhecem, é muito válido. Mas quando seu currículo vai para as mãos do recrutador a primeira coisa que ele irá ver é se você atende aos requisitos da vaga.

Formação superior, MBA, Inglês fluente: hoje são pedidos mínimos de muitas vagas.

Não adianta ser um excelente profissional se você não tiver uma formação condizente com a posição que está buscando.

Você faria uma cirurgia com um médico que não tem formação em medicina?

Um outro item muito importante: cursos extras, participação em feiras e eventos da sua área de atuação, publicações, voluntariado. Tudo soma.

Isso mostra que você está preocupado com o seu desenvolvimento, com as pessoas em volta – transmitir o conhecimento e buscar se atualizar sobre as tendências da sua área e do mercado de trabalho.

 

  • Experiências e informações defasadas

Aquele curso de MS-DOS não serve mais pra nada.

Parece piada, mas tem pessoas que ficaram “reféns” da desatualização da empresa onde trabalharam o último período – e principalmente se o período foi extenso.

Tudo o que sabem ou que fazem já não está mais em uso e o mercado de trabalho não perdoa.

Assuma a responsabilidade sobre a sua carreira.

Se a empresa onde você trabalha ou trabalhou possui sistemas, equipamentos, processos defasados e você nada podia fazer pela empresa – muitas não aceitam mudanças – mude você!

Busque se atualizar e se qualificar de outras formas.

Volte para a cadeira da escola ou dê um passo atrás na sua carreira para poder se reciclar. Ou os dois.

 

 

Planeje e acompanhe a sua carreira sempre.

Não basta fazer um planejamento e seguir à risca.

É preciso ser flexível, antenado e resiliente.

 

Enquanto você se empenha, o tempo passa. Seus sonhos mudam, suas ambições mudam, as empresas mudam.

A empresa que um jovem sonha em trabalhar pode não existir mais quando ele se formar, mas novas empresas surgirão.

Empregos e funções acabam. Outras aparecem.

 

O principal é você estar atualizado e no controle de sua carreira.

 

 

 

Dicas essenciais para o seu currículo

Você tem dúvidas sobre como preencher o seu currículo, se tem informações a mais ou a menos, sobre como disponibilizar as informações e deixar o seu currículo atrativo?

Começando um currículo:

Primeiro, escreva todas as informações de forma estruturada, mas sem se preocupar em formato. O que vale é você não esquecer nada. Na sequência, pegue o modelo de currículo e vá dispondo as informações. Assim tem menos chance de você esquecer de algo relevante. Utilize fontes simples (exemplo: arial, cambria ou verdana no tamanho 11) e insira palavras-chaves. Além de facilitar a visualização, algumas empresas possuem softwares para análise inicial de currículos. Neste caso, serão as palavras-chaves que garantirão que você siga para a próxima fase.

 

 Intentus-Dicas-essenciais-para-o-seu-currículo

Os principais itens de um bom currículo:

 

 

 

 

Dados Pessoais: Nome e Sobrenome, Primeira parte do currículo, deve ser breve. Mencionar a cidade de residência (bairro somente em grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro), dados para contato – seu número de celular, um e-mail e o endereço para o seu LinkedIn.

 

Objetivo: Vou repetir o título deste item: objetivo! Não é para contar história ou pretensões. Em uma ou duas palavras fale o que você quer fazer, qual a sua área de atuação ou cargo pretendido. Você pode atuar em mais de uma área e função? Adeque seu currículo à cada envio, mas nunca generalize.

 

Formação: Em ordem, assim como nas experiências, do mais recente ao mais antigo. Destaque: qual formação possui, onde fez e em que ano terminou. Basta isso. Se você possui ensino técnico, mencione apenas se for relevante para a sua área de atuação. Um bom exemplo são os engenheiros, que possuem uma bagagem extra quando oriundos de formações e experiências técnicas.

 

Idioma: Apenas insira um 2º ou 3º idioma se o seu nível for de intermediário para avançado. Vai no início do currículo se for relevante para a vaga, do contrário pode ser listado no final do documento, junto com cursos.

 

Intentus-Dicas-essenciais-para-o-seu-currículo

 

Principais Realizações / Resultados: Campo para você destacar o que realmente fez a mais, o que fez de diferente nas empresas e cargos por onde passou.

 

 

 

Preferencialmente utilize resultados quantitativos e mensuráveis e somente nos quais você tenha participado diretamente nas conquistas.

Utilize marcadores e tenha de 4 a 8 itens. Se houver muitos, agrupe-os por similaridade ou por empresa. Se houver poucos, não inclua este campo, cite as realizações na própria descrição da experiência.

 

Experiências Profissionais: Cite todas as empresas / cargos, em ordem decrescente, da mais recente para a mais antigo. É necessário ter: nome da empresa, período inicial e final, cargo exercido. Não é necessário citar todas as atividades realizadas, mas quando o cargo é muito amplo, é bom citar ao menos as principais. Evite redundâncias e atividades muito corriqueiras.

 

Quando houver um período grande numa única empresa, mencione no topo: nome da empresa, período inicial e final total e o último cargo. Na sequência, desmembre por períodos, cargos e atividades desempenhadas.

 

Cursos e Outras Informações: Mencione todos os cursos relevantes para seu objetivo profissional. Outras informações relevantes são aquelas ligadas a premiações, trabalhos voluntariados, estudos e publicações e disponibilidade para mudança e/ou viagens.

Não mencione principais características e comportamentos, isso será abordado na entrevista.

 

 

Dois últimos cuidados que você deve ter:

 

Seja objetivo: Se você for capacitado ou tiver interesse em múltiplas funções, será preciso elaborar um currículo específico para cada vaga / função desejada.

O conteúdo deve ser claro e objetivo, porém tem que demonstrar toda a sua experiência, conhecimentos e realizações.  Um bom currículo tem no máximo 2 páginas!

 

Linguagem e Gramática: Erros aqui podem indicar falta de atenção e despreparo. Sempre peça para que outra pessoa revise o currículo antes de enviá-lo.

 

 

Seguindo todos estes passos, seu currículo já estará bem apresentado.

Daqui pra frente o cuidado que você deve ter é sobre como está “recheando” o seu currículo: congruência entre estudos e experiências, atualização, estruturação da carreira. Um bom planejamento e o coaching de carreira podem te ajudar.

 

Este outro artigo pode te interessar, sobre o perfil do LinkedIn:

https://www.intentus.com.br/importancia-do-linkedin-e-5-dicas-bombasticas-para-o-seu-perfil/

 

Dê uma olhada em nossos artigos e materiais do site. Tem muitos materiais gratuitos que podem te ajudar!

 

Sucesso!

 

Você já estava demitido, só demorou a saber.

Esta afirmação – Que você já estava demitido, só demorou a saber – pode ser muito forte, mas é um reflexo exato do que acontece nas empresas. E muitos se perguntam por que fui demitido?

 

Com exceção dos cortes gerais, aqueles em que a área ou empresa fecha e todos são demitidos, nas demais a demissão dificilmente ocorreu no dia em que você foi comunicado. Um líder avalia seus funcionários todo dia, em cada pequeno pedido, resultado, comportamento.

E se entre você e seu colega de trabalho o seu líder preferiu ficar com ele, possivelmente é porque você já tinha pontos negativos em sua avaliação – e é bem provável que nem soubesse.

Vários fatores podem ser considerados para que seu desempenho e avaliação estejam negativos – e seu emprego em jogo – e você nem está se dando conta.

 

Podemos iniciar pelos principais pontos de avaliação de um líder quando o assunto é escolher entre um integrante ou outro da equipe. E é bem provável que estes itens não estejam presentes lá na sua avaliação anual feita pela empresa.

 

Acompanhe abaixo os principais fatores para um líder, empresário ou departamentos de RH decidirem demitir funcionários.

 

  • Custo

Você faz o mesmo trabalho do que outra pessoa que ganha menos? Este ponto é polêmico, porque o salário pode ser mérito pelo tempo e realizações que você já fez na própria empresa, ou pelo seu currículo muito bem recheado.

Mas pense num exemplo prático: se você vai mandar lavar o seu carro, a lavagem é exatamente igual em dois lugares, um cobra R$ 30 e outro cobra R$ 50. As chances são grandes de você mandar no mais barato. A empresa também pensa assim. Deixe o sentimentalismo de lado, e vamos ao próximo item.

Queda de produtividade são aceitáveis até certo momento, principalmente se influenciados por fatores externos a cadeia de valor do segmento da empresa que trabalha.

 

  • Diferencial

O que você faz de realmente diferente, extraordinário, que justifique a empresa manter você? Se você não sabe, seu chefe provavelmente também não.

E voltamos ao exemplo do carro. Você prefere comprar um carro com ou sem ar condicionado, pelo mesmo valor e demais itens todos iguais? Todo mundo quer valor agregado, o famoso mais por menos. Então, se especialize em algo.

Você já deve ter ouvido mil vezes a história de ganhar por saber qual botão apertar.

 

  • Comportamento

Aqui é a história do bom e barato, mas que não dura muito tempo. Estamos falando do profissional que tem um excelente custo x benefício e alta ou boa performance: habilidades, conhecimentos, aplicação.

Mas na hora de interagir, trabalhar em equipe, ter equilíbrio emocional, etc., é uma verdadeira bomba relógio, o líder sempre tem receio de como ele vai reagir a algo novo ou quando for contrariado.

Muitas vezes seus posicionamentos são corretos e com foco na melhoria dos resultados, mas a forma de se expressar é desastrosa. O discurso padrão deste perfil é: “Eu faço meu trabalho melhor do que os demais, sou injustiçado apenas porque não concordo com eles”.

 

Em artigo escrito pelo Ricardo Karpat, diretor da Gábor RH, revela pela experiência dele que o comportamento no trabalho é um dos motivos que mais provocam demissões nas empresas, seja média, grande ou pequena e mais recorrente ainda mas pequenas organizações. O profissional é contratado pelo bom ou perfil adequado, mas dispensado pelo comportamento não adequado dentro da empresa.

 

  • Multidisciplinaridade

O maior reflexo em tempos de crise econômica. As empresas colocam um funcionário fazendo o trabalho de dois para reduzir custos e manter o funcionamento.

Você sabe fazer o trabalho de outro da equipe e aceitaria esta sobrecarga numa boa? Busque conhecer mais e mais as atividades da empresa, da área. Se envolva, interaja, mostre disponibilidade.

 

Se houve um corte na sua empresa e você foi desligado sem muita explicação, se auto avalie em cada um deste itens.

O que já aconteceu você não reverte mais, mas pode ter uma excelente reflexão sobre seus pontos fracos, erros e acertos e chances de melhoria.

Por mais que o líder devesse dar o feedback real, em nossa cultura isso não é muito comum, mas você pode refletir sozinho.

 

Se você está trabalhando e quer crescer onde está, avalie os mesmos pontos, tente aumentar sua performance e se adequar às exigências da empresa.

 

Sempre é possível ter resultados melhores, basta planejar: definir onde se quer chegar e o caminho a ser percorrido.

 

Você pode ser pego de surpresa, ficar a mercê da sorte, ou pode assumir o seu destino e traçar passo a passo o seu caminho de sucesso!

 

Essas são algumas das questões que respondem as aflições sobre “por que fui demitido”

 

 Como não ser demitido do trabalho?

 

Pergunta difícil de ser respondida. Nenhum trabalhador tem garantia permanente de que jamais será será demitido, mas algumas atitudes podem ser adotadas para que fortaleça relações duradouras nas organizações.

 

Relacionamento

O ser humano, na maioria das vezes, não consegue se relacionar bem com todas as pessoas ao seu redor.

Questões de afinidades e opiniões são divergentes. Mas isso não justifica criar atritos no ambiente de trabalho. Deve-se trabalhar para manter boas relações com todos, criar ambiente harmonioso nas relações de trabalho.

 

Produtividade e profissionalização

Para empresas que investem na capacitação profissional o processo é mais fácil. E sempre que há essa oportunidade, agarre-a.

Mas nas empresas que não possuem essa cultura o funcionário o recomendável é buscar conhecimento e se aprimorar. Melhor do que isso, aplicar os novos conhecimentos dentro da empresa. Isso faz toda a diferença.

 

Comprometimento

Cumprimentos de horários, esforços para metas, propor soluções e ideias, definitivamente qualquer ações que motive a equipe e que literalmente “abrace” as causas da empresa, além de ser motivadora para a sua satisfação profissional.

Leia também como evitar erros no trabalho