Transição de Carreira: como não desistir depois do primeiro passo

Transição de Carreira: como não desistir depois do primeiro passo

Tomar a decisão sobre fazer uma transição de carreira, mudar todo o seu estilo de vida, já não é nada fácil.

 

Abordo muito as etapas sobre o melhor momento da transição ou como fazer a transição em meus vídeos e artigos, talvez você já tenha lido eles e definido seu plano de ação, sua nova vida.

 

 

Se esta etapa já não é fácil – e o medo pode aqui te sabotar, impedindo que você avance e mude de vida e carreira –  não ache que será mais simples depois que você tiver mudado.

 

Eu sempre faço a analogia da carreira versus casamento. Quem casou, tinha certeza absoluta, todos os segundos da vida, de que foi a melhor decisão? Provavelmente não..rs.

Sempre temos os “e se” em nossa cabeça. E se não der certo, e se tivesse feito outra coisa, de outra forma, e se visse outras opções primeiro…

 

E se, nos mostra possibilidades. Mas chega uma hora em que temos que fazer uma escolha.

Só vence quem arrisca.

 

 

Transição de Carreira: como não desistir depois do primeiro passo

 

 

Assim como no casamento, por uma soma de fatores: ambições, sonhos, valores, ideais, etc. , resolvemos que a lista de prós é maior do que a lista de contras e é hora de dar este passo.

 

Passo dado, mesmo com muito amor e boa vontade, teremos dias não tão legais pela frente. Dias de dúvida sobre o que fizemos, se tem outro jeito, se é assim mesmo.

 

Acreditar no que você quer e enxergar o pote de ouro no final do arco-íris, fará com que você tenha mais ânimo para enfrentar a jornada.

 

Ter um mapa de ação bem desenhado ajudará no dia a dia, na execução.  Neste artigo falo sobre como planejar e mudar de carreira

 

Mas são 3 os fatores que realmente farão diferença total para você se manter firme em seu propósito, e é sobre eles que irei abordar.

 

1) De olho nas finanças

 

Por mais que o planejamento financeiro tenha sido bem realizado antes da transição, ao fazer a mudança e ver na prática o dinheiro saindo mais do que deveria ou entrando menos do que o esperado, somado à uma provável instabilidade financeira, ocasionará calafrios e pode levar à desistência.

 

Rever sempre suas finanças, ajustar entradas e saídas, é o primeiro passo, fundamental e necessário para toda transição. Acostume-se a olhar para o seu bolso e tomar ações de correção sempre que necessário.

 

Ter uma fonte de renda alternativa (um plano C, D) que auxilie nas entradas, ao menos no primeiro momento, irá também ajudar muito.

 

Nesta conversa com a Lucia Stradiotti falamos sobre este tema:

 

 

2) Mude rápido

 

Ajustes são necessários sempre. Nenhum plano de ação ou plano de negócios se mantém de pé depois que o plano entra em execução.

 

É necessário, testar, aprender, ajustar.

 

E quanto maior a velocidade com que você fizer estes ajustes, mais rapidamente seu plano se mantém, refletindo nos resultados e na sua motivação para continuar o projeto.

 

Transição de Carreira: como não desistir depois do primeiro passo

 

 

3) Mantenha-se motivado

 

Motivação é igual banho, precisa ser renovado todo dia, você já deve ter ouvido esta frase. Mas acredite, quando estamos sob pressão, é muito fácil deixar que o desânimo e os pensamentos negativos tomem conta da situação.

 

Para que a motivação seja reforçada, não adianta ficar repetindo frases motivacionais ou se entupindo de livros e palestras de autoajuda. Estes serão materiais de apoio, mas será na prática, no dia a dia, que você precisará colocar sua motivação à prova.

 

O que eu recomendo:

 

Mudança real de mindset: quando você se habitua a olhar o que acontece como aprendizado e a enxergar o propósito em suas ações e seus reflexos, fica muito mais simples ser positivo. Não é algo simples, mas é possível trabalhar o que chamamos de Mindset de crescimento, muito bem abordado no livro Mindset da autora Carol Dwek.

 

Rede de Apoio: contar com pessoas que tenham o mesmo propósito que o seu, que acreditam no que você quer realizar, que te incentivam, mas que ao mesmo tempo te ajudam a corrigir a rota, dão feedbacks duros e necessários para o ajuste do projeto e que te desafiam a ir além.

Muitas vezes precisamos ir em busca de mentores, pessoas mais preparadas e que realmente irão ajudar na construção do seu sonho.

 

 A mentoria é um caminho que ajuda a acelerar resultados e mindset.

 

Saiba mais sobre mentoria para coaches ou para empreendedores.

 

Transição de Carreira: como não desistir depois do primeiro passo

Transição de Carreira: a disciplina é o que manterá você e o seu sonho de pé.

A disciplina constrói a consistência necessária. A consistência constrói os Resultados. Os resultados nos dão mais motivação. E assim, temos mais disciplina para continuar gerando consistência, resultados, motivação.

 

 

Quer receber nossos textos em primeira mão? Assine nossa newsletter clicando aqui 

 

 

Compartilhe!

É hora de mudar de trabalho? 4 passos para transição de carreira

Exemplificação de como mudar de carreira e como mudar de trabalho

Quando eu resolvi mudar de trabalho e saí do mundo corporativo muita gente demorou a entender a minha transição: de convites para trabalho “CLT”, à família perguntando sobre “como que faria sem assistência médica”, as questões eram várias, mas o princípio de todas as dúvidas era o mesmo:

 

Muitas vezes parece impossível alguém se “desapropriar do crachá”, utilizar seus conhecimentos, competências, habilidades de outra forma, em outro ambiente.

 

Neste artigo quero propor os seguintes pontos:

  1. A diferença entre mudar de emprego e mudar de carreira
  2. Entrevista com profissional que mudou de área, de Engenheiro para Especialista em Marketing Digital
  3. Os 4 passos para mudança de carreira

Se você sente que este assunto é pra você, vamos em frente!

Em primeiro lugar vamos “clarear” a visão sobre o conceito:

A diferença entre transição de carreira e mudar de emprego

Transição de carreira significa mudar de atividade ou tipo de trabalho. Por exemplo, deixar de ser empregado para ser empreendedor, mudar de uma profissão X para a profissão Z.

Mudar apenas de empresa, de emprego, mantendo-se na mesma área ou cargo é recolocação.

Na hora de realizar uma transição, pensar numa nova forma de atuação, seja uma nova profissão, montar uma empresa ou empreender de forma autônoma (ser um freelancer, por exemplo), podem ser opções.

Quem encara uma transição de carreira normalmente passa por 4 fases:

  • Decidir se chegou a hora certa de mudar.
  • Escolher qual caminho seguir.
  • Identificar como superar o medo – e se atirar com cautela na nova etapa.
  • Saber quais são os passos necessários e certeiros para seguir em frente e vencer!

Caso de sucesso: mudar de carreira para o que realmente gosta

O Dimitri Vieira passou por estas fases e contou nesta entrevista como foi mudar de Engenheiro para Especialista em Marketing Digital:

Se você quer se preparar para uma MUDANÇA DE CARREIRA, gravei um vídeo completo onde eu falo sobre como fazer a mudança, como planejar, e quais cuidados você precisa ter. >> ASSISTA AQUI

O entrevistado revelou que pouco antes de formar em engenharia começou  fazer estágio. Para ele, uma das grandes portas de entrada para o mercado de trabalho seria fazer estágio. Quando ele percebeu que não teria chance de ser efetivado, começou a estudar.

Ele fez curso grátis de marketing e gostou do assunto, percebeu que seria uma profissão mais prazerosa, foi descobrindo que no marketing se identificava mais.

Assista ao vídeo acima para entender como foi o processo de mudança de profissão.

Ilustração sobre como mudar de trabalho

Quero mudar de trabalho!

4 Dicas essenciais para quem está em busca de uma transição ou sente que seu ciclo atual está perto do fim:

Comece a fazer algo

Estude, pesquise, fale com pessoas diferentes. Antes de fazer algo maior, como abrir sua empresa ou entrar num curso de longa duração, fale com as pessoas, pesquise o mercado, descubra o que realmente a nova carreira deseja faz, as atividades do cotidiano, os ganhos médios na sua cidade.

Não tenha resistência ou medo de mudar

O planejamento e o preparo vão ajudar a perder o medo e a encarar as mudanças que virão. Não é mudar por mudar ou simplesmente mudar de carreira de uma hora para outra. Cada passo de uma vez, com planejamento, estratégia, pesquisa. A mudança precisa ser segura.

Saia do piloto automático

Cuidar e expandir seu mindset farão toda diferença. Não acredite que as coisas são como são, principalmente quando algo não está bom. Cabe a você mudar.

Busque ajuda

Acredite, você pode e deve buscar ajuda, alguém que te auxilie a enxergar as possibilidades e que tenha experiência para te apoiar no caminho a ser percorrido.

Nada melhor que uma profissional coach com vivência no assunto para ajudar. Que tal contar com a nossa experiência? Saiba como.

Espero que este artigo tenha sido esclarecedor sobre como mudar de trabalho e carreira de maneira assertiva, fazer o que realmente gosta e te faz feliz. É um processo que pode não ser fácil, mas há maneiras inteligentes para cumprir o objetivo.

Compartilhe!

4 Passos Para Fazer Uma Transição de Carreira

Processo de transição de carreira - ilustração

 

Não importa o motivo, se é por insatisfação profissional, necessidade ou vontade de mudança:

 

Sempre há dúvidas sobre ter escolhido a profissão certa…

 

Neste artigo vamos abordar os seguinte assuntos para você que pretende mudar de carreira e melhorar a satisfação profissional:

 

  • O conceito sobre ter optado pela melhor formação profissional
  • A falta de tempo e a queda na qualidade de vida
  • Por que há desmotivação?
  • Falta de desafios
  • Processo de transição de carreira em 4 passos incríveis

Por que muitas vezes desejamos mudar de carreira?

 

 

São inúmeras as causas que levam as pessoas a desejarem uma transição de carreira, porém muitos não sabem como fazer a transição, por onde começar e nem qual o melhor caminho a seguir.

 

 

Neste artigo cheio de informações úteis e esclarecedoras conheça 4 passos fundamentais para o processo de transição de carreira.

 

 

Antes, entenda o começo de tudo

 

 

O modelo de carreira que muitos de nós seguimos até hoje é totalmente linear e oriundo da Revolução Industrial.

 

Ter uma boa formação, arrumar um emprego numa grande empresa, trabalhar 20, 30 anos na mesma área de atuação, com duas possíveis variações: ser especialista ou gestor.

Casar, ter filhos, trabalhar bastante para proporcionar o máximo conforto e educação para eles. Se aposentar e pensar em como viver o “resto da vida”.

 

 

Foi o sonho dos seus avós, dos seus pais e, passado de geração em geração, talvez tenha sido a sua primeira opção como roteiro para a vida feliz e bem sucedida.

 

 

Quem não ouviu histórias de garotos e garotas que são incentivadas a seguir carreiras conhecidas como “valorizadas”, no caso advocacia ou medicina, por exemplo, apenas por que a família deseja?

 

Mas não existe só um caminho do sucesso profissional.

 

E saber disso muda completamente a forma de lidar com os sintomas da insatisfação profissional.

 

 

Muitas pessoas estão infelizes e insatisfeitas nas suas carreiras e não sabem que é possível mudar de área de atuação a partir dos conhecimentos e aprendizados que já possuem.

 

Aliás…

 

Você sabe as causas e sintomas da infelicidade no trabalho?

 

Falta de tempo e queda na qualidade de vida

 

Uma das principais queixas de quem está infeliz na carreira atual é sobre a falta de tempo pra vida pessoal. Muita gente reclama de não ter mais tempo para a família e para os amigos.

 

Geralmente, são pessoas com uma carreira promissora, bem desenvolvida, muitas vezes com sucesso profissional, mas que acabaram perdendo a qualidade de vida, o convívio com a família, o auto-cuidado.

 

Pessoas que não encontram mais tempo para o lazer ou para uma atividade física. Em muitos casos, a saúde já está comprometida e a pessoa segue em ritmo alucinante de estresse e cansaço.

 

Pessoas que se enquadram neste item costumam, quando em estado avançado de desgaste, entrar em quadros de doença psicológica, como burnout, depressão e síndrome do pânico, ou problemas físicos, como aumento de pressão arterial, dores de estômago, falta ou excesso de sono.

 

Nesse caso, antes de uma transição de carreira, é preciso cuidar da saúde.

 

 

Desmotivação e o Piloto Automático ligado

 

Outra grande queixa é quanto a entrar no chamado “piloto automático”.

A pessoa não sente mais prazer, não sabe mais por que está ali, naquele cargo, naquela empresa, e torce para acabar logo o dia, ou a semana, para ir embora para casa.

 

Quem está no piloto automático não dá a mínima para o que faz e não sente interesse genuíno no trabalho e nas atividades cotidianas, não sente realização.

 

Tudo fica muito pesado.

 

Então, a pessoa acaba procrastinando, buscando realização e satisfação em outras tarefas particulares, ou fazendo coisas à toa, como navegar na internet sem foco e sem necessidade. Com isso, elas perdem produtividade e precisam ficar até mais tarde. Vira um ciclo quase sem fim.

 

Falta de Desafios e Oportunidades

 

Em outros casos, a pessoa sabe que está numa carreira que gosta, sabe que teve resultados bons, mas não enxerga mais os próximos passos, não vê chance de crescimento, desenvolvimento, não sabe se fez a escolha certa ou se era mesmo aquele caminho, apesar de já ter tido sucessos, ter resultados positivos.

 

Olha para frente e não enxerga se sua vida profissional continua por aquele caminho, que é a carreira que ela quer seguir.

 

 

Não importa o grau do desconforto que você esteja vivendo.

 

O importante é identificar que qualquer tipo de incômodo, por maior ou menor grau que ele venha, são sinais importantes.

 

Os incômodos são sinais de que tem alguma coisa errada que precisa ser mudada.

O incômodo é como se fosse uma ferida aberta. Então, é preciso olhar para essa ferida para buscar a cura. Para entender o porquê desse incômodo existir.

 

E por que muitas vezes as pessoas acabam travando nas decisões profissionais?

 
As escolhas de carreira são feitas por modelos e pelos caminhos mais fáceis ou conhecidos.
Na maioria das vezes, na hora de escolher uma profissão, acabamos escolhendo as carreiras tradicionais ou aquela profissão em que você já conhece alguém que trabalha naquilo, ou então a profissão do momento, a que paga bem.

 

Em geral fazemos a escolha profissional sem grande embasamento, na maioria das vezes, de uma forma muito precoce, num momento da vida que ninguém está ainda pronto.

 

Ilustração sobre o sonho de mudar de carreira que gosta

 

 

Neurológicamente, as pessoas ainda não estão prontas na adolescência para fazer escolhas, mas são obrigadas a tal definição (pense bem quando encontrar um adolescente e for perguntar pra ele o que ele quer ser quando crescer!).

 

E mais: só depois que iniciamos em determinada profissão é que iremos avaliar se gostamos ou não, se a realidade era aquilo mesmo que sonhamos (porque também existe uma lacuna enorme entre o sonho e o dia a dia profissional).

 
O que falta no Brasil e em muitos países do mundo é um preparo adequado para a escolha da profissão ideal. Mas enquanto não somos ainda eficientes nisso, saiba que sempre há tempo de mudar.

 

E, então, é muito comum as pessoas entrarem no famoso piloto automático, o famoso “tá ruim mas tá bom”.

 

É esse piloto automático que faz com que as pessoas se acostumem com uma coisa, mesmo que ela seja ruim. O piloto automático condiciona a seguir naquele caminho e a fazer o que todo mundo faz, achar normal a vida que se tem, sem questionar.

 

 

Você olha em volta e vê que está todo mundo feliz, vê que todo mundo faz algo parecido com o que você faz, o mesmo estilo de vida, as mesmas dificuldades.

 

Mesmo você se sentindo infeliz no seu trabalho, você percebe que todos seguem o mesmo caminho e você acha que não tem motivos para reclamar e se sentir infeliz. “Eu devo ser o errado, fora da curva”.

 

Mas o mundo gira… e cada vez mais rápido!

 

Sentir estes desconfortos na carreira – e os impactos que nossas escolhas profissionais trazem para a vida, tem muita ligação com as pessoas começarem a entender que, talvez, estes modelos de sucesso em vigor não sirvam para todos.

 

Que precisamos olhar muito mais para o que realmente faz sentido em nossas vidas e fazer adaptações conforme experimentamos viver, conforme as situações ocorrem.

 

Tem muita gente que vai fazer uma coisa e irá se sentir super-realizado com aquilo. E o outro, não. E tudo bem.

 

Porque as escolhas teriam que estar muito mais ligadas com quem somos do que com o que os outros esperam de nós.

 

Estar desconfortável, sentindo que algo poderia ser diferente, que poderia ser melhor, que poderia fazer algo novo, que poderia ter resultados diferentes, não é coisa de gente fracassada e que não está preocupada com a carreira.

 

Pelo contrário.

 

Essa preocupação é uma preocupação legítima de quem realmente está consciente, de quem se preocupa, de quem tem responsabilidade, de quem quer resultados.

 

Mas que deseja resultados que tenham a ver com quem se é.

 

 

Trabalho deve ser fonte de prazer e felicidade.

Não de sofrimento ou pura obrigação.

 

 

Mas, então, como fazer uma transição de carreira e buscar um trabalho que faça sentido?

 
 
Ilustração sobre como mudar de carreira, os processos
 

Veja aqui 4 passos para ter um adequado processo de transição de carreira

 

1. Pense em Novas Possibilidades

Faça as seguintes perguntas:

  • O que mais eu posso fazer?
  • No que mais eu posso usar as minhas habilidades?
  • As minhas experiências, os meus conhecimentos, as minhas relações todas. Onde mais eu posso aplicar isso?

Essa é a hora em que um engenheiro pode virar um assessor financeiro, porque ele entende muito de cálculo e tem facilidade com números, por exemplo.

 

2. Qual o Seu Propósito?

O meu propósito é o porquê eu faço alguma coisa.

Propósito não tem nada daquelas questões mágicas.

O propósito é por que eu faço o que faço.

  • Por que eu levanto de manhã e vou trabalhar?
  • Por que eu quero trabalhar?
  • Por que eu preciso desse dinheiro?

Busque estas respostas em você.

 

3. Valores Pessoais

  • O que é importante para você, de verdade?
  • Quais são as causas que te motivam?
  • Pelo que você briga? O que você realmente acredita?

 

Se o seu propósito não estiver alinhado ou seus valores estiverem sendo corrompidos, vai sempre ficar um sentimento de vazio, um sentimento de que falta alguma coisa.

 

 

4. Teste Uma Nova Ideia

Isso é uma questão muito forte, porém muitas vezes negligenciada até o limite. Muita gente deixa para testar a nova ideia em momentos de risco.

 

 

O Brasil é o país onde mais se fecham empresas nos primeiros dois anos.

 

As pessoas abrem empresas em situações vulneráveis, muitas vezes em pleno desemprego e sem reserva financeira – e elas não param de pé. Porque a pessoa abre o seu negócio sem o planejamento que precisava ou na hora em que não tem outra opção.

 

Sempre que possível, deve-se testar primeiro a viabilidade, testar se você gosta realmente daquilo, se a ideia realmente tem futuro, para então iniciar a mudança.

 

E como testar?

 

Cursos rápidos. Aqui, você já começa a ter interação com aquela nova realidade, com pessoas ligadas àquela atividade.

 

Networking. Começar a estreitar o networking na área onde quer começar a atuar. Comece a falar com pessoas que também tenham um negócio muito parecido com o que você quer criar. Estabeleça contatos.

 

Converse com pessoas da área. Se você quer mudar de profissão, converse com pessoas que estão na área nova. Converse com pessoas que vão te falar a realidade como está aquela área de atuação.

 

Inicie algo de forma paralela. De preferência, de formato pequeno. Veja se tem aceitação e se tem mercado aquilo que você quer fazer. Teste de uma forma menor e vá aumentando conforme os resultados aparecendo, ampliando o modelo.

 

 

Ilustração sobre o tempo no trabalho. Processos de transição de carreira

 

 Extra: assista ao webinário sobre a transição de carreira

E por que muita gente mesmo sabendo que as coisas vão mal, não mudam?

 

A maior parte das pessoas não muda por medo.

 

O medo impede a gente de realizar coisas novas, de mudar, de tentar coisas diferentes, de quebrar padrões.

 

Quantas vezes você queria fazer algo novo, ficou ensaiando, com medo e, quando fez, o ato aconteceu rápido, você conquistou, deu certo? Quantas vezes perdemos mais tempo com o medo do que com a execução?

 

O medo faz com que as pessoas se limitem o tempo inteiro. Elas se boicotam, se sabotam, atrasam sonhos e atrasam projetos.

 

O que não significa que não é preciso avaliar riscos. Tem sim que avaliar.

 

O medo deve servir para prevenir, não para limitar.

 

Faça um planejamento para tentar analisar esses impactos e riscos. 

Isso diminui o medo, mas você tem que entender de onde vem o medo, se ele é real e o que você pode fazer para prevenir os riscos.

 

 

Dessa forma, é possível passar pelo processo de transição de carreira de forma mais segura e eficaz.

 

Neste link tem um vídeo onde falo um pouco mais sobre Transições

 

 

Que muitas profissões estão com os dias contados, isso não é mais novidade. Algumas pessoas já sentem na pele a dificuldade para encontrarem uma vaga, uma oportunidade para continuarem fazendo o que sempre fizeram.

 

Haja vista a área de tecnologia. Existem inúmeras agências digitais e empresas correlatas que abrem oportunidades de trabalho para profissões que até poucos anos não existiam. O mercado está dinâmico, essa é uma nova realidade que também serve como portas oportunas para mudar de carreira que te satisfaça.

 

Aqui, lanço uma provocação: será que não é hora de se reinventar, de fazer algo diferente, algo novo, utilizando seus conhecimentos e experiências de outra forma? Com as mudanças acontecendo cada vez de forma mais acelerada, precisamos nos reinventar – seja na função atual, aprendendo e aplicando novos conhecimentos e habilidades, seja para mudar radicalmente.

 

 

E ainda temos mais um elemento: trabalharemos cada vez mais e precisaremos da renda e da ocupação saudável!

 

Xô aposentadoria, trabalharemos até os 70, 80, 90, 100 anos.

 

 

E não será fazendo a mesma atividade que fazemos hoje. Com este novo cenário, uma pessoa fará durante sua vida de 3 a 8 transições de carreira!!! Não importa qual a sua situação atual, pensar em transição de carreira é algo fundamental.

 

 

E você sabia que o coaching pode te ajudar a ter clareza e planejamento para uma transição mais tranquila e segura?   

 

 

Leia aqui mais informações 

 

 

Compartilhe!

Como mudar de carreira com planejamento, foco e determinação

Muitas vezes, ao percebermos que algo vai mal na carreira, ou que a busca por uma recolocação não chega, é necessário Mudar de Carreira. Para essa transição dar certo, é necessário planejamento, foco e determinação.

 

 Na hora de realizar uma transição, pensar numa nova forma de atuação, seja uma nova profissão, montar uma empresa ou empreender de forma autônoma (ser um freelancer, por exemplo), podem ser opções.

 

 Este artigo tem como objetivo dar detalhes sobre como mudar de carreira de forma segura e com planejamento.

 

Quem encara uma transição de carreira normalmente passa por 4 fases:

 

  • Decidir se chegou a hora certa de mudar.
  • Escolher qual caminho seguir.
  • Identificar como superar o medo – e se atirar com cautela na nova etapa.
  • Saber quais são os passos necessários e certeiros para seguir em frente e vencer!

 

Neste artigo, falarei principalmente sobre o 4º item:

 

Como seguir em frente, vencer a ansiedade inicial, respirar fundo e seguir confiante rumo à mudança profissional.

 

 

 

Como mudar de carreira em 4 etapas

Etapa 1 – Planejar o futuro

 

Antes de qualquer caminhada, é importante ter uma mínima noção de: ONDE VOCÊ QUER CHEGAR.

 

Na estória de Alice no país das maravilhas, há um trecho onde Alice está perdida e encontra o Gato em cima de uma árvore. Ao vê-lo, surge o diálogo:

 

 

– O senhor pode me ajudar?
– Claro. Responde o Gato.
– Para onde vai essa estrada? – pergunta Alice.
– Para aonde você quer ir?
– Eu não sei. Estou perdida.
– Para quem não sabe para aonde vai, qualquer caminho serve.

 

 

 

 

a) Clareza

 

Então, antes de sair fazendo cursos, contatos, investindo tempo e dinheiro baseado no que você PRECISA FAZER HOJE, tenha a mínima noção do que VOCÊ REALMENTE busca a longo prazo.

 

Você não precisa ter clareza total, saber detalhadamente cada etapa do caminho, mas precisa ter a visão macro sobre:

 

  • O que busca – O que te motiva, quais sonhos quer realizar, quais realizações deseja ter.
  • O que é fundamental na sua vida – Do que você não abre mão, quais sãos as coisas, pessoas ou momentos valiosos na sua vida. Por exemplo, se almoçar com a família todos finais de semana é fundamental para você, uma atividade que envolva viagens ou trabalho aos finais de semana pode acabar sendo frustrante.
  • Quais são os seus valores – Dentro de você existem conceitos éticos, morais e filosóficos que devem ser respeitados para que você tenha o senso de pertencimento e engajamento no trabalho que precisar realizar.

 

 

E aqui, o assunto não é apenas carreira. É a soma de tudo o que te faz pleno, realizado.

 

 

 b) Pé no chão:

Olhe para suas finanças. Quanto tempo de fôlego financeiro você possui até conseguir que seu novo projeto – seja uma empresa faturando ou que a nova carreira aconteça?

 

 

Qual a previsão de entradas e saídas no próximo ano?

A conta fecha?

 

 

 

 

Para este exercício, sugiro o seguinte:

 

Pense no pior cenário, tanto para gastos, como para entradas. Considere todas despesas altas, sem cortes, economias ou ajudas. E considere as entradas mínimas, como se não entrasse um real na sua conta.

E aí. Como ficou sua conta?

Você segue em frente mesmo assim, ou precisa aumentar sua reserva, ter ganhos extras, de outras fontes, fazer ajustes?

Essa análise tenebrosa vai te apoiar nos momentos difíceis. Porque se você topar seguir em frente olhando pro pior cenário, nada do que acontecer depois, financeiramente falando, irá te desestabilizar.

 

 

E acredite: muitos casamentos se desestabilizam e sociedades terminam quando o dinheiro desaparece da conta.

Um dos grandes problemas para quem pretende mudar de carreira é justamente a falta de um planejamento financeiro, ou planejamento incorreto. Toda mudança de profissão requer desafios neste aspecto.

 

 

 c) Olho no retrovisor:

Análise de mercado e concorrência

 

Não importa se a ideia é um negócio próprio, ser freelancer ou tentar uma nova carreira.

Olhe para o mercado atual e analise tendências futuras. A internet é hoje uma grande aliada, tem tudo no Google! Basta se dedicar, pesquisar e separar o que é relevante.

 

 

Duas certezas da vida:

 

  • Muitas coisas vão continuar surgindo e desaparecendo, da noite para o dia.
  • Nem tudo que dá certo para todo mundo, dará certo pra você (como sua mãe dizia, você não é todo mundo)!


Não fique no achismo. Não ache que o segmento que pretende atuar é sempre fácil. Você precisa entender bem como é o mercado que pretende atuar, seja empreendedor ou mudança de carreira.

 

Se você vai empreender, monte um plano de negócios, pesquise, teste, valide.

Converse com as pessoas, não tenha medo de expor sua ideia. É isso que irá validá-la.

E as pessoas (ao menos a maioria) não irão criticar sua ideia porque tem inveja de você – e sim, porque a ideia é ruim mesmo. Leve isso em consideração e vá ajustando o plano inicial.

Se tem um aprendizado bom nesta fase é não levar as criticas e negativas que vai ouvir como algo pessoal. E também aprender que mesmo quem te incentiva, pode nunca comprar nada de você, nem te contratar.

Saiba separar fãs e amigos, de clientes ou contratantes em potencial. Os primeiros te aplaudem, os segundos – que são muito mais críticos – serão os que investem em você.

 

 

Ilustração sobre como mudar de carreira e profissão

 

Aproveite para ler também 4 passos para transição de carreira

2o Passo – Planejar o agora

 

Hora de entrar em ação. Nesta fase, uma competência será fundamental: FOCO.

 

Principais pontos de desvio do Foco:

 

Excesso de atividades – Perder tempo executando atividades que não precisam ser realizadas naquele momento é uma grande perda de tempo profissional. É necessário definir prioridade: qual atividade realmente é importante, que trará resultados concretos para o que você deseja? É por esta atividade que você deve começar o dia.

 

 

O trabalho que não é trabalho – Somos acostumados a trabalhar numa empresa, temos modelos enraizados em nosso cérebro sobre “o que é considerado trabalho”. Logo, ao ficar no computador na sala de casa, você tem altas chances de ser interrompido – a família não irá aceitar que você está trabalhando, irá te solicitar coisas que irão te tirar o foco. Ou então, você mesmo definirá no meio do dia que tem coisas “mais importantes” para fazer do que estudar ou prospectar clientes, como arrumar os livros ou organizar as gavetas do escritório.

 

Estabeleça horários e locais de trabalho, mesmo trabalhando em casa. Sinalize os momentos em que precisa ter foco (usar fones de ouvido ou se isolar num ambiente ajudam).

 

Utilizar espaços de trabalho compartilhado, como os coworkings, ajuda muito. Eu mesma optei por trabalhar num espaço assim, super bacana.

O que vale nesta hora: identificar um local que, além das facilidades disponíveis, possua uma rede de profissionais em sintonia com seu momento, para ampliar e fortalecer não apenas seu networking mas também sua rede de colaboração e conhecimento.

 

 

Distrações – Seja a rede social, a notificação de mensagem no celular, as abas abertas no navegador ou um colega que não para de falar, as distrações são responsáveis pela perda de contexto, que faz com que nosso cérebro gaste tempo “voltando para onde estava antes de ser interrompido”. Como evitar distrações: remova o máximo de interferências possíveis.

 

A técnica Pomodoro para gestão do tempo é bem útil nestas horas. Consiste em colocar um cronômetro marcando 25 minutos. Neste tempo, você deve focar numa única atividade. Ao final uma pausa de 5 minutos, também cronometrada, para distrações em geral. E volta no ciclo.

 

 

Planeje seu desenvolvimento:

Tenha clareza sobre o que você precisa desenvolver, em você, para alcançar os objetivos que busca. Uma forma simples de elaborar seu plano de desenvolvimento é olhar para o CHA:

Conhecimentos – Habilidades – Atitudes

 

Liste:

  • Quais conhecimentos (técnicos ou teóricos) precisa desenvolver.
  • Quais habilidades (experiências e vivências) necessita.
  • Quais são as atitudes (comportamentos) que ajudarão você nesta jornada.

 

Não tem problema se imediatamente você não souber. Identifique o que já está perceptível e depois, converse com profissionais da nova área e fique atento às suas dificuldades. Estes serão os maiores filtros sobre o que é necessário desenvolver.

 

Vá atualizando a sua lista de desenvolvimento, conforme se aprofundar mais na transição de carreira.

 

Defina ações para cada um dos itens levantados.

Depois, enumere todos eles, por prioridade, sendo o 1 o mais urgente ou impactante para a transição.

 

 

Planeje suas ações:

 

Semanalmente olhe para tudo o que busca, o que precisa desenvolver e realizar, e defina as metas e prioridades da semana. Pode ser uma agenda, um caderno ou aplicativo (como o Trello), onde você irá gerenciar as atividades.

 

 

 

 

3o Passo – Rasgue o planejamento!

 

O planejamento para mim é uma bússola, não um mapa.

 

Ou seja, ele dá uma orientação, mostra o rumo, mas não traça exatamente o caminho a ser seguido.

 

Com a bússola na mão, sabendo que está andando na direção certa, desvios e atalhos (também conhecidos como oportunidades) vão surgir, assim como distrações e precipícios.

 

Estar de olhos bem abertos, atento para separar o que é oportunidade do que é perda de tempo fará toda diferença na trajetória.

 

A resiliência, a perspicácia, a coragem, a positividade e a criatividade farão toda diferença nesta etapa.

 

 

Quando você faz um planejamento, tudo é maravilhoso, o papel aceita tudo.

Mas saber adaptar e reagir rapidamente e de forma positiva aos percalços do caminho é o que garantem o sucesso de um negócio ou carreira.

 

Acredite, se tudo der certo, muita coisa sairá diferente do planejado. Que bom.

 

 

O caminho se faz caminhando.

 

7 dicas para ajudar você a estar atento – e não se perder ou desistir no caminho:

 

  • A empolgação e a motivação começam algo. O propósito é o que mantém ele vivo nos momentos de dificuldade.
  • Cerque-se de pessoas que te apoiam. Não tente convencer as que não acreditam em você. O seu exemplo provará que você estava certo, mais pra frente.
  • Considere um plano B, C, D, E, F para renda alternativa… e isso não significa que você não acredita no plano A e sim que você pode ter contas pra pagar – e que para não se desesperar com o tempo necessário para algo se consolidar – tendo outras fontes de renda, ajudará a manter o plano principal em ação.
  • Cada pessoa tem um ritmo e competências diferentes, não se compare.
  • Não queira convencer ninguém a vir pro seu lado, e não se deixe convencer de que você é louco.
  • Faça networking, busque parcerias e pessoas que estejam no mesmo momento que você.
  • Busque mentores e fontes de inspiração – pessoas que já trilharam um caminho parecido com o seu, para te inspirar e orientar.

 

 

Não se esqueça, a sorte chega pra quem trabalha duro e acredita em si mesmo.

 

 

Neste vídeo eu falo sobre Como planejar a sua transição de carreira 
com assertividade e clareza

 

Compartilhe!

O mundo está ao contrário e a gente reparou – sobre transições e mudanças tão necessárias

O mundo está ao contrário e a gente reparou sim!

Muitas pessoas tem se questionado sobre o atual modelo de sucesso pessoal e profissional (isso inclui eu e possivelmente você, que se interessou por este artigo).

 

Transições e mudanças em nosso estilo de vida, na forma de pensar e encarar o mundo são necessárias.

 

Acompanhe comigo!

  • Fomos treinados para o sucesso.
  • Estudar desde cedo focados em passar no vestibular.
  • Escolher uma área de atuação que remunere bem e entrar numa boa universidade, de preferência pública, antes dos 18 anos.
  • Entrar num programa de estágio ou de trainee numa grande empresa, crescer na carreira, conquistar posições de destaque e que deem orgulho à todos em sua volta.
  • Escolher a carreira do momento (só ver na imprensa e conversar com amigos que eles irão apontar as carreiras que estão em alta no momento –  e não importa se você gosta da área ou se tem habilidade, estas serão as profissões que te trarão sucesso!! ahammm…)

 

Na sequência ou junto a tudo isso – casar, ter um carro, comprar uma casa financiada em 30 anos, viajar uma vez por ano com a família, ter filhos e colocá-los de volta neste mesmo caminho, esperando e desejando que eles também sejam felizes e bem-sucedidos. (ahammm 🤭…)

 

Robert Kiyosaki chamou sabiamente esta trilha de “corrida dos ratos” em seu livro best seller “Pai Rico, Pai Pobre”.

 

São estas e tantas outras imposições que muitas vezes levam as pessoas a escolherem rumos na vida profissional que não condizem com os mais profundos desejos, anseios pessoais e habilidades.

 

Epa!! Só que no meio dessa corrida, paramos para refletir:

 

– Poxa, talvez eu não esteja tão feliz assim, apesar de ter feito todo o caminho (ou parte dele) direitinho.

 

Você deve estar se perguntando: O que será que eu fiz de errado?

 

 

Mulher pensando no trabalho - O que será que eu fiz de errado - insatisfação profissional

 

 
Não se aflija! É normal em algum momento da vida estes questionamentos surgirem.

 

Seguimos um caminho para o sucesso sem saber ao certo onde ele vai nos levar.

Em geral, só enxergamos o destino quando estamos chegando perto dele. Por isso a frustração! Muitas vezes, o que deixamos pelo caminho foi muito custoso, dói muito.

 

E o benefício pode nem ser tão grande assim.

 

Nos perdemos na nossa própria ânsia em querer conquistar cada vez mais. Muitas vezes, conquistar o que nem ao menos valorizamos.
E isso quando conquistamos, porque muita gente corre, corre, corre… e nunca chega na reta final.

 

 

Três aspectos baseiam fortemente este questionamento:

  1. Escolhemos cedo demais e com pouquíssima maturidade e conhecimento sobre o mundo, pra não dizer com uma visão romanceada, o que faremos na maior parte do tempo: nossa profissão.
  2. Seguimos modelos definidos pela vontade e necessidade dos outros, sem nos questionar sobre o que realmente queremos, o que faz bem pra gente.
  3. Nós mudamos e nossas vontades e necessidades mudam junto. Se aos 20 anos o seu sonho era ter um carrão esportivo, com 30 e poucos anos, casado e com filhos, a sua grande vontade talvez seja chegar em casa mais cedo.

 

Mas será que é possível voltar atrás?

Como já disse o médium Chico Xavier:

“Você não pode voltar atrás e fazer um novo começo, mas você pode começar a fazer agora e fazer um novo fim”.

 

Aquele que faz uma autorreflexão da vida, para por alguns instantes a pensar e analisar os rumos que a sua vida seguiu oriundos de decisões passadas, muitas vezes influenciadas pelo meio que você vive e foi educado(a), certamente concluirá que novas decisões devem adotadas para mudar a reta final que mencionamos.

 

Conforme mudamos, algumas coisas que eram importantes ficam pra trás.

 

Aprovação social é uma das questões que muda. E muito!

Porque muita gente fez a faculdade que fez?

Para ter a aprovação dos pais, da sociedade ou porque os amigos fizeram. Porque ser músico, confeiteiro ou artista não era bem uma opção profissional aceita aos 20 e poucos anos de idade. E porque você não queria provocar a ira familiar justificando que estava “apenas” seguindo os seus sonhos.

Talvez tudo isso tenha acontecido inconscientemente! pense ai…

 

Outra questão que muda muito:

Conforme o tempo passa, na maioria das vezes, nos preocupamos mais com saúde, qualidade de vida e família.

 

Começamos a entender que a vida acaba. E pra alguns muito, muito cedo.

Na juventude, vivemos a certeza de que somos eternos. A velhice está muito longe.

Conforme os anos passam, começamos a perder amigos, ver gente da mesma idade enfartando, adoecendo…

 

É a fase onde começamos a questionar se o CNPJ que defendemos vale o AVC.

 

Eu vivi tudo isso na pele. Trabalhei e estudei muito para conseguir um alto cargo corporativo. Foram noites mal dormidas, investimento financeiro, ausência dos eventos familiares. Quando cheguei lá, quando alcancei o sucesso, me perguntei: era isso? E agora, o que faço? 

 

Eu sabia… tinha que dar alguns passos pra trás, reencontrar minhas verdadeiras paixões, vontades, necessidade… e usá-las ao máximo, enquanto houvesse tempo. Não dava pra esperar a aposentadoria, então, ali, resolvi agir e mudei minha vida.

 

Chega um momento em que  precisamos de mais tempo livre, menos dedicação ao trabalho e mais cuidados com a gente mesmo (e como isso nos faz um bem danado!).

 

Nesse processo é fundamental o apoio profissional do coaching de carreira, com alguém que tenha vivência no assunto, experiências para compartilhar, orientar e te ajudar a fazer a transição de carreira da maneira correta, planejada e leve. 

 

(se você quiser conhecer um pouco mais sobre o meu trabalho, clique aqui)

 

 

Você se arrependeria daquilo que fez ou daquilo que não fez?

 

 

Uma enfermeira especializada em atender pacientes em estado terminal listou os “Cinco maiores arrependimentos que as pessoas têm antes de morrer”. São eles:

 

1 – Gostaria de ter tido coragem de viver uma vida fiel a mim mesmo e não a vida que os outros esperavam de mim.

Passamos a maior parte da vida fazendo coisas pelos outros. E esperamos algo em troca, no mínimo reconhecimento. Mas o problema é que em geral os outros nunca nos pediram para fazermos algo! Ai quando não recebemos gratidão pelo ato feito, acabamos sentindo rancor, cobrando por algo que nós mesmos definimos o valor.

 

2 – Gostaria de não ter trabalhado tanto

Mesmo aqueles que tiveram um trabalho gratificante no qual tiveram a possibilidade de enriquecer, se transformar, ter uma vida melhor, ainda assim se cobram. Imagina os que se sacrificaram sem ter o retorno desejado! A grande cobrança quanto ao trabalho está ligada a dedicação excessiva e a abnegação dos demais valores pessoais: saúde, família, hobbies, amigos…

 

3 – Eu gostaria de ter tido coragem de expressar meus sentimentos

Nos preocupamos tanto em seguir regras e padrões sociais que acabamos aprendendo a esconder os sentimentos. Quantos “eu te amo” deixamos de dizer por que não era o momento certo?

Quando não dizemos, também escutamos muito pouco ou quase nada desses “eu te amo” que são potenciais bombas nucleares de alegria, acalentos e sempre estão recheados de um montão de coisas boas que reciclam nossa vontade de viver intensamente.

 

  4 – Eu gostaria de ter mantido contato com meus amigos

Muitas vezes, as nossas relações de amizade são mais fortes e verdadeiras do que com nossa própria família. Só que a falta de tempo acaba nos afastando de quem gostaríamos de ter por perto. Mais uma vez, trabalhar muito é um dos maiores vilões.

 

5 – Eu gostaria de ter me permitido ser mais feliz

Não importa o quanto a vida seja boa ou ruim. Em algum momento nos questionaremos: valeu a pena?

São nossas escolhas e o tempo que investimos naquilo que fez diferença em nossa vida e na vida das pessoas que amamos é que realmente fará a diferença. Normalmente não valorizamos as pequenas coisas que temos. Liberdade, amor, felicidade… O quanto você as coloca como prioridade em sua vida?

 

Feitas todas estas reflexões, é hora de se questionar:

 

O quer eu realmente quero ser quando crescer?

 

Agora sem o peso das escolhas dos outros ou das necessidades criadas pela sociedade e que não te cabem mais, apenas vivendo aquilo que te faz sentido.

 

Mas mudar não é tão simples!

 

Primeiro vem o medo do desconhecido. Todo mundo faz a mesma coisa, segue a vida do mesmo jeito.

 

– E logo eu vou arriscar e fazer algo diferente?

 

Existem dois tipos de pessoas:

  • As que fazem;
  • As que reclamam da própria vida e falam mal das que fazem 🙄.

 

Não temos como definir que uma será mais feliz do que a outra. A única coisa que sabemos é que não é o segundo tipo de pessoa que transforma o mundo (nem mesmo seu próprio mundo!).

 

O ser humano é naturalmente inquieto e movido à insatisfação.

 

Nossos antepassados evoluíram, criaram a roda, a escrita, mudaram de local, criaram comunidades… simples e puramente porque estavam insatisfeitos com algo e queriam melhorar o que tinham. Faz parte da nossa natureza mudar, melhorar, ser inquieto.

 

 

Logo, nossa felicidade e satisfação está ligada diretamente ao quanto “agitamos” a nossa inquietude.

 

 

Se evoluímos – como espécie – e chegamos até aqui é porque em algum momento alguém saiu da zona de conforto, colocou o medo de lado e foi em frente.

 

E como saber o que faz sentido pra mim e o que eu realmente quero?

 

Autoconhecimento e aprendizado com sua própria história são a base para todo o processo de mudança. Sempre digo que nunca saberei o que eu quero pro resto da minha vida. Mas sei claramente o que não quero, o que não me cabe, o que não me serve.

 

Você pode testar coisas novas, seja um novo trabalho, um novo modelo de contratação, uma nova empresa… E talvez você vá incluir muitas destas experiências na lista do que não quer. Mas é preciso testar.

 

Invista em seu desenvolvimento. Muitas de nossas insatisfações vem do fato de não estarmos nos desenvolvendo, nos sentirmos estagnados e sem desafios. Precisamos sentir que aprendemos, evoluímos e contribuímos com algo maior.

 

Busque um ambiente onde você se sinta bem, em que você tenha prazer em estar e de falar sobre ele para seus amigos e familiares. Um local em que você fique alegre em ir todos os dias e mesmo que haja muita pressão e cobrança por resultados, que seja também um local de crescimento, aprendizado e segurança.

 

Busque um trabalho onde você utilize suas potencialidades, seus talentos, onde permitam você ser simplesmente você e onde você possa expressar suas opiniões.

 

Respeite e valorize quem você é para que os outros também o façam.

 

 

 

E como iniciar a mudança? 

 

# Entenda o que você quer fazer, mesmo que seja só o primeiro passo.

Você já pensou no que quer ou gostaria de fazer? Muitas vezes pensamos em mudanças drásticas sendo que apenas estamos insatisfeitos com algo pontual. Basta uma mudança de área, de cargo, de empresa ou inserirmos algo novo no contexto atual e a satisfação aumenta.

 

Se é uma mudança maior, pense em começar a fazer algo em paralelo, iniciar e testar o que for possível. Se for mudar de estado ou país, quem sabe uma viagem de um mês ao novo local já te mostre como será a nova vida. Se a mudança for de profissão, frequentar eventos com profissionais da nova área pode ser interessante.

 

O importante é começar.

 

 

# Defina o melhor momento para cada passo e entre em ação

Seja qual for a mudança, da mais simples a mais drástica, uma coisa é certa: quanto mais nos preparamos e planejamos, mais tranquilamente as coisas fluem. Por isso é importante pensar nas pessoas envolvidas, nas questões financeiras, nos ganhos e perdas de cada ação.

Lembre-se que mesmo a meta mais difícil pode ser alcançada (sem deixar de viver o seu presente!!!).

 

Uma boa ideia não passará disso se você não executá-la.

 

Novamente, o importante é começar.

 

 

# Cerque-se de pessoas com o mesmo propósito

Muita gente vai rir dos seus sonhos e dizer que você não é capaz.

Tentarão fazê-lo desistir dos seus projetos e se ajustar ao padrão comum. Estas pessoas somente valorizarão seus feitos quando você provar que deu certo (acolha as críticas e não dê muito peso a elas. Alguém tem calçado os seus sapatos?).

 

Você ainda precisa destas pessoas ao seu lado?

 

Cerque-se de pessoas que te incentivam, te façam crescer e que estimulem você a sair da zona de conforto. Muita gente não quer que você cresça e não é por mal: apenas querem que você fique com elas, fazendo companhia e compartilhando suas frustrações.

 

O mundo requer mais autoconsciência e menos competição. Substitua a competição pelo compartilhamento e pela compaixão. Ao invés de caminhar sozinho rumo as suas realizações, leve com você as pessoas que estão realmente ao seu lado e que amam você verdadeiramente.

 

 

Transição de carreira – um novo começo para construir um futuro que realmente deseja

 

Quando falamos em buscar um novo trabalho para utilizar seus talentos, suas potencialidades e que sinta-se bem, alegre e com motivações para trabalhar, não é algo a ser decidido sem planejamento e aprofundamento.

 

Para ter sucesso e não se decepcionar com a mudança, é preciso respeitar o processo que chamamos de Transição de Carreira, pois não devemos mudar radicalmente, de uma hora para outra, a profissão que escolhemos e seguimos até aqui.

 

Muita coisa pode ficar para trás, as coisas boas devem ser absorvidas e bem aproveitadas. Valorize sua trajetória, seja grato pelo que realizou e liberte-se, fortalecido, para seguir em frente. A vida é feita de ciclos.

 

Construir uma nova carreira não é tão simples, mas saiba: você não está sozinho, podemos ajudar você.  

 

Compartilhe!