Quais são os seus super poderes?

super poderes talentos

 

Talentos: Você sabe quais são os seus? Eles são seus super poderes, que podem fazer com que você tenha muitas realizações e conquistas em sua vida e carreira.

 

Quando a gente é criança se imagina voando, ficando invisível, atravessando paredes. Você lembra disso, na sua infância?  Em meus sonhos e devaneios, eu sempre era super forte e voava!!! A própria mulher maravilha!

 

Daí chega a vida adulta.

 

Um dia nos contam que não existe Papai Noel.

No outro, dizem que não existe coelhinho da Páscoa.

Adolescentes, nos fazem testes e perguntas para descobrir A NOSSA VOCAÇÃO em uma única área, nos perguntam “O que você quer ser quando crescer”, assim, de forma fria, como se tivéssemos arco e flecha na mão e precisássemos acertar o meio do alvo.

 

E dessa escolha, vale a felicidade e seu sucesso pro resto da vida.

 

Entramos em empresas e nos ensinam a cumprir processos, cumprir a etiqueta, cumprir a regra local.

 

É tamanha a pressão que esquecemos nossos sonhos, nossos talentos, e nos conformamos em fazer o que é pedido.

 

E o que você fez com seus super poderes?

 

Assim como deixamos de acreditar em Papai Noel, muitas vezes deixamos de acreditar em nós, em nosso potencial.

 

Muitas vezes esquecemos que somos fortes, talentosos. E que os talentos que possuímos, por mais variados que sejam, podem e devem ser associados a competências profissionais.

 

super poderes talentos

 

Talentos, você conhece os seus?

 

Quando começo a falar sobre talentos nos processos de coaching ou em treinamentos, a maioria das pessoas quando questionada sobre o tema já pensa logo em algo quase “sobrenatural” , elevando o talento à um dom, algo muito diferenciado, algo que elas não tem!

 

É isso mesmo, geralmente quando pergunto às pessoas:

 

– Quais são os seus TALENTOS?

 

É bem comum ouvir: – “não sei”, “não tenho”, “não conheço”.

 

Mas a verdade é que todo mundo possui talentos, inúmeros aliás. E para identificá-los o primeiro passo é desmistificar o que é talento.

 

Talento é aquilo que fazemos de forma natural, com destreza e facilidade, melhor do que a maioria das pessoas, ação a qual temos grande capacidade em realizar.

 

Super Poderes Talentos

 

Em meus atendimentos e treinamentos, utilizo duas linhas de estudo:

 

A Teoria das Inteligências Múltiplas, de Howard Gardner e um dos pilares da Psicologia Positiva, de Martin Seligman que trata o Caráter Positivo (Forças Pessoais e Virtudes).

 

Falo mais sobre este segundo estudo neste artigo

 

A Teoria das Inteligências Múltiplas trouxe um questionamento quanto ao uso dos testes de QI como único padrão de se medir inteligência e trouxe uma abordagem sobre diversos tipos de inteligências (ou talentos): relacional, executor, artístico, espacial, linguística, etc.

 

 

Até então, quem não possuía talento lógico-matemático não teria talento nenhum. Mas não é assim que as coisas funcionam. Tem muita gente que não entende nada de matemática, mas é ótimo em comunicação, artes, esportes… e por que não valorizamos o que cada um tem de melhor?

 

 

É ai que entra a Psicologia Positiva, que nos traz a potencialização do que temos de melhor.

 

 

Se a pessoa já for boa em esportes, como por exemplo, uma criança que desde cedo se destaca no futebol, e a colocarmos para treinar futebol 5, 6 horas por dia, ao final de um período, ela será muito melhor nisso!

 

E é assim que  eu vejo que devemos trabalhar a questão dos talentos e das potencialidades.

 

Pegue aquilo que você faz bem, treine, se especialize…e seja FANTÁSTICO nisso!!!

 

Ou, pegue o menino que tinha talento para o futebol, deixe ele de castigo porque tirou nota baixa e insista para ele tirar um 10 em matemática, estudando todo dia. Ele provavelmente acabará sendo mediano nos dois itens.

 

 

Talvez esteja ai o porquê de termos tantas pessoas frustradas: estamos querendo moldar todo mundo num talento único, em padrões únicos.

 

As próprias escolas e empresas muitas vezes acabam estimulando o que eu chamo de “avaliação da mediocridade” onde é trabalhado para que todos sejam nota 7 / Adequado, ao invés de estimular para que cada indivíduo supere resultados naquilo que é verdadeiramente bom, e neste caso, porque possui talento e não pela simples competição.

 

“Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda a sua vida acreditando que é estúpido.” – Albert Einstein

 

você é super

 

Empresas e Talentos

 

Me dá um aperto na alma quando empresas abrem programas de “desenvolvimento de talentos” para um grupo seleto, sem muitas justificativas.

 

Como se dissessem que somente aquelas pessoas fossem diferenciadas, especiais

 

 

E elas realmente são. Porém, para um talento em específico, que pode ser o que a empresa deseja naquele momento, para seu crescimento. Só que estas pessoas terem este talento, não quer dizer que as demais não sejam talentosas.

 

Elas são, só que em competências diferentes.

 

Quando eu começo a segregar, dizer que só tem talento quem se formou em faculdade x, quem sabe idioma y ou domina tecnologia w, eu excluo todas as outras possibilidades.

 

É como se apenas quem coubesse naquela caixinha pré-determinada fosse talentoso.

 

Mas não é assim.

 

Talento é aquilo que você faz bem, que você aprende rápido, que faz de forma apaixonada, que desenvolve com alta habilidade.

 

Tem gente que é boa em cálculo, lógica. Tem gente que é ótima em artes, cultura. Tem gente que é ótima em relacionamento, comunicação.

 

E existem também os multipotenciais, que unem diversos gostos e talentos (tema do meu próximo texto).

 

Enfim, todos nós temos talentos.

 

Todos nós temos super poderes.

 

Se o Homem Aranha for avaliado por força física, será mal avaliado. Se o Hulk for avaliado por Inteligência Emocional, será mal avaliado.

 

Se o Tony Stark / Homem de Ferro for avaliado por Humildade, será mal avaliado.

 

 

meme homem de ferro

 

 

Quando buscamos ser algo que não somos, o processo é doloroso, cansativo. Muitas vezes só o que conseguimos é ser mediano.

 

E isso é frustrante.

 

O mundo está lotado de gente medíocre. Gente que fica insistindo em seus pontos fracos, em suas limitações, ao invés de vestir sua capa e assumir seus super poderes.

 

Ao invés de olhar pra fora, buscar os talentos dos outros, nos comparar, precisamos olhar pra gente mesmo e descobrir, lapidar o que temos de melhor.

 

Identificar nossos super poderes e potencializá-los.

 

Olhar para nossas limitações, nossos pontos fracos ou sabotadores, e identificar onde eles nos impedem de ir em frente, alcançar nossos objetivos. E desenvolvê-los neste sentido,  para que eles não atrapalhem, não para que eles se tornem pontos fortes.

 

Você consegue identificar seus super poderes?

No que você manda bem?

 

Desenvolvendo Super Poderes

 

Lembra do primeiro filme do Homem Aranha? Quando ele ia lançar a teia, ela falhava. Ao tentar subir em prédios, batia cabeça. O Hulk, lá no começo, era muito mais “desequilibrado”, sua força era usada em demasia.

 

Aos poucos, com treino e observação, aprendemos a usar da melhor forma nossos super poderes.  Isso se chama Desenvolvimento de Competências. Pegarmos algo em que somos bons, e lapidarmos.

 

Neste processo, ferramentas de apoio também podem ser incorporadas. O Thor já é forte, mas fica mais poderoso com seu martelo. O Batman possui seu cinturão de utilidades.

 

Quais são as suas ferramentas de apoio?

 

Aplicativos, teorias, técnicas.

São diversas as ferramentas que apoiam o uso dos talentos.

 

Por exemplo: eu tenho talento para organização. Mas o uso da agenda do google + Trello potencializam esse meu talento. Uma pessoa que tem talento para comunicação, ao conhecer técnicas de oratória, potencializará seu talento natural.

 

Nem sempre a ferramenta tem ligação natural com seu talento, mas servirá ao seu propósito, facilitará a sua vida.

 

Por exemplo: Qual o talento do Tony Stark?

 

Não é força física, ele não voa, não emite raio laser pelos olhos. Os talentos dele, ao meu ver, são: inteligência, ousadia, criatividade. Estes talentos possibilitaram que ele criasse uma armadura (ferramenta) que aumentou seus poderes.

 

Isso é possível na vida real? Claro que é. Só analisar como você pode utilizar seus talentos existentes para resolver problemas / pontos fracos que você possua.

 

 

legião vingadores

 

 

A união faz a força

Por que a união de tipos tão diferentes como Hulk, Viúva Negra, Thor e Homem de Ferro se fez necessária, nos Vingadores?

 

Porque talentos diferentes acabam sendo complementares.

 

A diferença traz discussão frequente, necessidade de alinhamento, de convencer o outro, de mostrar o outro lado da moeda. Mas também traz a soma de expertises, visões diferentes, soluções criativas, aprendizados enriquecedores. Desde que o time esteja aberto à isso.

 

No ambiente empresarial, talentos complementares são fator de sucesso para times e empresas, assim como saber posicionar a pessoa ideal na atividade adequada e não impedir que ela seja ela mesma e dê o seu melhor.

 

 

hulk poderes

 

Só pra lembrar, pode conter spoiler: no último filme dos Vingadores, o Hulk literalmente “amarelou”. Tentou usar seus super poderes e não conseguiu.

 

Nós também podemos falhar, mesmo quando já somos experientes ou talentos em determinada área ou atividade.  

 

O erro no trabalho pode ter diversos impactos – inclusive, minar sua autoconfiança e fazer com que você deixe de acreditar em seu potencial. Leia este artigo sobre o tema Erro No Trabalho.  

 

 

Este artigo também foi publicado no LinkedIn. Se você ainda não me acompanha por lá, esta é a hora! 

Clique aqui para ler no LinkedIn, deixe seu comentário lá no artigo e me siga por lá também!

 

 

Compartilhe!

Erro no trabalho: você sabe o que fazer caso cometa um?

Todo mundo já passou por isso: cometer um erro no trabalho.

 

Se a situação é inevitável – e quanto mais proativa a pessoa, mais predisposta ao erro – como lidar com a situação quando ela ocorrer e quais os passos para não deixar essa situação impactar negativamente em sua carreira?

 

  

O primeiro passo: analisar impactos e aprendizados.

 

 

O profissional deve analisar os impactos causados pelo erro. O que aconteceu, quem são as pessoas, áreas ou clientes impactados.

 

É importante também refletir sobre o motivo que levou ao erro, com foco no aprendizado e para que a falha não volte a acontecer.

 

 

Os motivos mais frequentes que levam aos erros no ambiente profissional são: excesso de tarefas realizadas de forma simultâneas, falta de atenção, falta de habilidade ou conhecimento para executar determinada atividade, desconhecimento de algum fator ou histórico.

 

 

 

Quem é o primeiro que deve ser avisado quando acontece um erro no trabalho?

 

Sempre comunique ao seu superior, e de preferência, quando houver tempo hábil, com as análises sobre impactos e motivos que levaram ao erro.

 

Transparência e humildade farão toda a diferença na hora de assumir que algo saiu diferente do previsto e ainda ajudarão a construir uma imagem de comprometimento e responsabilidade.

 

Todos somos passíveis ao erro e o importante quando ele ocorrer é nunca fingir que nada aconteceu.

 

 

É preciso propor uma solução para corrigir o erro? Por quê?

 

Sempre que possível, trace as ações necessárias para corrigir o problema. Se não souber como resolver, não hesite em pedir ajuda, inclusive envolvendo o restante da equipe.

 

 

O foco deve ser na solução e não no problema.

 

Mesmo quando não souber como solucionar, envolva-se diretamente nas ações propostas pelo líder ou pela equipe.

O responsável pelo erro deve ser o primeiro a mostrar preocupação não apenas em corrigir o problema, mas também em propôs soluções e processos para que o erro não volte a acontecer.

 

 

 

Tem gente que finge que não fez nada ou defende até a morte que o que fez era certo.

 

Que tipo de consequência essa atitude pode ter?

 

Ao ser descoberto, afirmar que não errou causa desconforto, perda de confiança e credibilidade, que pode comprometer de forma definitiva a carreira de alguém.

 

A equipe, o líder e demais envolvidos (como clientes ou fornecedores) dificilmente voltarão a confiar em alguém que não responde pelos seus atos e que não assume seus erros.

Portanto, é muito mais profissional e melhor assumir o erro, do que mentir ou omitir.

 

 

E se o erro foi causado por algum descuido devido a pessoa estar com problemas de ordem pessoal?

Dependendo da gravidade do problema pessoal, ele deve sim ser levado ao conhecimento do superior imediato, de forma privada, e não somente justificando o erro, mas também como um alerta de que pode ser necessário um afastamento ou diminuição das atividades críticas até que a situação pessoal se regularize.

 

Cada vez mais as empresas estão abertas a compreenderem o impacto das situações pessoais no ambiente de trabalho, afinal, não existe separação entre profissional e pessoal quando se fala sobre bem-estar e saúde física e emocional.

 

 

O que fazer caso o erro tenha causado uma demissão?

 

Ninguém tem o objetivo de errar, porém mesmo sabendo disso o sentimento de culpa é muito comum quando um erro acontece, ainda mais quando ele tem consequências severas, como no caso de uma demissão.

 

É importante tentar manter o foco nos aprendizados e no que precisa ser feito, da solução do problema à busca de um novo emprego.

 

Buscar apoio também deve ser considerado, principalmente nos casos onde o profissional não consegue mudar o foco dos seus pensamentos.

 

Um excelente exercício nesta hora, para aumentar a autoestima profissional, é fazer uma lista de tudo o que foi realizado e conquistado de positivo, das menores às maiores conquistas.

 

Essa lista também será útil quando precisar falar sobre a performance no último emprego, pois estará muito mais focado no positivo do que no erro cometido.

 

 

Se além de você, mais uma pessoa cometeu erro, mas só você levou a culpa (e o outro ficou calado), como proceder?

 

Chame a pessoa em particular para conversar e tente entender os motivos pelo qual ela não assumiu sua participação no erro.

 

Definam, nesta conversa, se o assunto será levado ao superior, ou leve você o tema para a liderança, também numa conversa individual, se achar que isso é necessário.

 

É importante entender que nem sempre as pessoas omitem seus erros por desvios de caráter. Muitas vezes, é o medo das consequências que impede as pessoas de falarem a verdade. Procure não julgar, antes de saber a verdade.

 

 

O medo de errar novamente pode atrapalhar o desempenho? Como evitar isso?

 

Sim, e é muito importante o papel do líder em apoiar e estabelecer conversas positivas, focando sempre na solução e na tratativa dos fatos e não no erro ou na busca por culpados, para não fortalecer sentimentos de culpa, fracasso e baixa autoestima.

 

Já a pessoa que errou deve focar em seu desenvolvimento, nos aprendizados adquiridos e em como ter mais atenção para não cometer novamente o mesmo erro.

 

 

 

E como evitar errar novamente? É possível fazer isso?

É fundamental a análise do ocorrido para que se evitem novos erros, identificando o que motivou o erro, ajustando processos, treinando e capacitando melhor os envolvidos e comunicando à equipe, para que todos aprendam com o erro cometido e assim a mesma situação não volte a acontecer.

 

 

Ninguém gosta de errar, mas é consenso geral que é através dos erros que surgem os maiores aprendizados.

 

 

Lembre-se: só erra quem faz.

 

 

**

Dois aliados para sua carreira: COACHING E MENTORIA.

Você sabe qual o ideal pra você?

Leia aqui

 

**

 

Quer ler mais? Nesta matéria da UOL eu contribui sobre este mesmo tema.

 

 

 

 

 

Se você procura coaching para sua carreira, treinamentos, mentoria ou consultoria, conte conosco. Atendimento online para todo Brasil. Atendimento presencial em São José dos Campos, Vale do Paraíba e São Paulo. Saiba mais aqui 

 

Compartilhe!

O perfeccionismo virou vilão?

Ilustração sobre o que é perfeccionismo no trabalho

Este artigo tem como objetivo apontar os sintomas do perfeccionismo no trabalho e quanto essa questão pode pode ser boa ou ruim no seu dia a dia.

Vivemos num mundo que cobra a perfeição a todo instante. O perfeccionismo tem sido valorizado, como comportamento esperado para se obter grandes resultados.

Não poste uma foto feia no Instagram, não ouse sair de casa sem ter arrumado o cabelo, sem estar com uma boa roupa. Seu filho tirou que nota na prova? Nove virou nota baixa. A perfeição aparece até nas entrevistas de emprego, quando perguntados sobre quais são seus pontos fracos e fortes, sempre aparece: perfeccionismo!

No ambiente profissional, competitivo, exigente e com foco em alta performance, é comum nos depararmos com pessoas que buscam cada vez mais a perfeição: não falhar, não cometer erros sob hipótese alguma e ainda mais – que vem e reveem cada tarefa realizada, buscando detalhes ínfimos a serem melhorados.

Precisamos ser perfeitos no trabalho, em casa, na sociedade, como pessoa, com a família.

E não apenas ser, é preciso mostrar que é.

E quando não se atinge esse alto patamar (fixado por quem, mesmo?) surge a frustração e a culpa!

 

Sintomas do perfeccionismo no trabalho e suas falhas

Perfeccionismo no trabalho ajuda ou atrapalha?

Nas entrevistas de emprego há um paradigma que assombra entrevistadores e entrevistados. Afinal, um profissional ser perfeccionista é bom ou ruim para empresa e organização? Depende do ponto de pista? Não, depende dos limites, comportamentos e habilidades de cada um.

Há perfeccionistas que buscam tanta perfeição que interfere nas atividades de outros colegas de trabalho, ficam realizando a mesma tarefa várias vezes por dia ou semana, diminui a produtividade.

Por outro lado, há os perfeccionistas que usam essa característica a favor próprio. Conseguem dividir as tarefas, se relacionar e não perder tempo no que não tem muita habilidade, mas não abrem mão da eficiência das tarefas.

Primeira reflexão, se você vive nesta pilha pela perfeição:

O que te motiva a agir assim? O que realmente busca? O resultado ou a aprovação de terceiros?

 

8 sintomas da perfeição que pode estar te atrapalhando:

 

  1. Você faz muito mais coisas para agradar aos outros do que porque realmente gostaria de ter feito.
  2. Você passa muito tempo fazendo tarefas repetitivas, como organizar ou conferir coisas.
  3. Constantemente você discute com as pessoas por elas terem feito algo diferente do que você esperava.
  4. Você procrastina e não finaliza algumas atividades, achando que falta algo ou que poderia estar melhor.
  5. Você é altamente crítico com o que faz.
  6. Você leva tudo para o lado pessoal – mesmo quando o erro foi cometido por outra pessoa, você se cobra!
  7. Você fica na defensiva quando é criticado.
  8. Você nunca acha que cumpriu o seu objetivo plenamente, sempre falta algo.

 

 

Para você não se sentir só, busquei na internet informação sobre alguns famosos perfeccionistas:

  • Glória Pires, atriz
  • Alessandra Negrini, atriz
  • Paula Fernandes, cantora
  • Cameron Diaz, atriz
  • Luciano Huck, apresentador e empresário
  • Beyoncé, cantora
  • Gustavo Kuerten, tenista
  • Lilian …rs

O que é ser perfeccionista

Os perfeccionistas, por serem muito detalhistas, determinados e não descansarem enquanto tem trabalho pela frente, não por acaso acabam conquistando sucesso em suas carreiras. O grande problema é o preço que pagam por esse crescimento, que vem com muito trabalho árduo e autocobrança exacerbada.

Eu, perfeccionista que sempre fui e que a algum tempo resolvi aliviar e ter uma vida e carreira mais leve, vejo que esta busca pela perfeição é uma maluquice que tem deixado muita gente sobrecarregada e com sequelas físicas, mentais e emocionais. Nos sobrecarregamos, vamos até o limite e nunca conseguimos baixar a régua.

 

Ilustração sobre o perfeccionismo no trabalho - lado bom e ruim

 

Na minha visão, a definição de prioridades, a melhoria contínua e o desenvolvimento constante, são fundamentais e substituem a síndrome da perfeição.

 

– O que é prioridade na sua vida, no seu trabalho?

Se é pra se esforçar em algo, que seja no que realmente te dê resultados.

– O que você faz hoje que pode fazer de outro jeito, com melhores resultados e com redução de tempo ou outros recursos?

Isso é melhoria contínua, é se provocar a fazer o que precisa ser feito, mas analisar onde pode melhorar.

– Quais são as suas potencialidades e como pode usá-las com o melhor proveito possível?

Insistir em ser bom no que somos ruins ou medianos dá muito mais trabalho, leva muito mais tempo e causa mais desgaste do que se especializar no que você faz bem. Invista em você. Desenvolva novos comportamentos, conheça novas tecnologias e processos.

Na vida real, fora dos livros de autoajuda, existem muitos erros.

Errar é humano, já dizia algum filósofo, e errar faz parte do processo de aprendizado. Isso se, quem errou, tiver resiliência – esta sim, junto com a capacidade de aprender constantemente, é uma competência que eleva a pessoa a novos e altos patamares.

 

Imagens de livros para simbolizar organização as perfeccionistas

 

Mudar, se adaptar, corrigir a rota, faz parte da vida, da carreira, do negócio de todos nós. Não tem planejamento bem feito que seja executado com perfeição.

 

Algo sempre sairá diferente, e assim, imperfeito quando comparado ao esperado.

A cobrança pela perfeição gera sentimentos autocríticos, de inferioridade, de incapacidade. Mina a autoestima e com ela o poder de superação e a coragem pra retomar o rumo.

 

Se você quiser ler mais sobre este tema, indico o livro A coragem de ser imperfeito, de Brene Brown. Leia aqui a resenha.

Hoje vejo que é melhor ser imperfeita, e manter sempre a coragem de seguir em frente e dar o meu melhor.

 

Hoje melhor do que ontem, amanhã, muito melhor do que hoje.

 

COACHING ou MENTORIA, qual a melhor opção pra ajudar você a se desenvolver e acelerar sua carreira? Leia este artigo.

Já conhece o programa personalizado de Mentoria de Carreira, Check-Up Profissional? 3 meses de acompanhamento direto comigo, para você ajustar sua carreira, melhorar os resultados e comportamentos e equilibrar vida e profissão.

 Clique aqui para saber mais

 

Compartilhe!

Como ser feliz no trabalho

Como ser mais feliz no trabalho com a competitividade em alta, medo do desemprego, busca por aumento de performance e resultados, ambientes e relacionamentos hostis e insalubres nas empresas, sobrecarga de trabalho?

 

Mesmo com todos estes desafios, existe espaço para ser feliz e buscar o equilíbrio entre as ambições profissionais e as necessidades pessoais.

 

O primeiro passo para ser feliz no trabalho é reconhecermos os aspectos que nos trazem satisfação, motivação, que suprem nossas necessidades individuais, bem como reconhecer o que não nos faz bem – e o que não queremos para nossa vida e carreira.

 

Quando falo sobre felicidade no trabalho, três questionamentos são fundamentais, tente respondê-los:

 

  • Como você chegou onde está – quais caminhos percorreu para chegar na posição onde está hoje, seja ela boa ou ruim.
  • Porque você está aí, nesse emprego, carreira ou empresa – mesmo que ela seja sua! – o que te faz ir trabalhar, o que te motiva a buscar o seu desenvolvimento e maiores resultados.
  • O quanto esse trabalho tem a ver, em %, com o seu estilo de vida.

 

 

Antes de qualquer mudança – de empresa, de profissão, de área – é necessário checar se a insatisfação é geral, que necessite mesmo da mudança, ou se são apenas itens pontuais a serem ajustados.

 

Neste caso, ao invés de investir na mudança, podemos nos aplicar no desenvolvimento de habilidades e comportamentos que aliviem a pressão e tragam mais satisfação.

 

 

Um alerta importante:

Os transtornos mentais, muitas vezes ocasionados pelos altos níveis de estresse e excessiva carga de trabalho, foram a terceira maior causa de afastamento dos trabalhadores brasileiros nos últimos 4 anos.

 

Mais de 17 mil casos de concessão do auxílio-doença e de aposentadoria por invalidez foram registrados entre 2012 e 2016 com este motivo, segundo o Boletim Quadrimestral sobre Benefícios por Incapacidade, divulgado em 2017 pelo governo federal.

 

 

 

 

Tampar o Sol com a peneira e seguir com a insatisfação não resolve.

 

Pensar no que te incomoda hoje é o primeiro passo para solucionar qualquer problema.

 

 

Ao identificar os gatilhos, o que desperta a sua insatisfação, você estará limpando seu campo de visão e assim começará a perceber se os problemas estão mesmo relacionados ao seu campo de atuação, à empresa em que você trabalha ou até mesmo se o problema é com você.

 

Se você está insatisfeito com o trabalho que tem ou, apesar de gostar do que faz e da empresa onde atua, não se sente plenamente feliz, talvez o problema não esteja nem mesmo no trabalho, diretamente.

 

Um fator muito comum é a incompatibilidade entre a vida profissional e a vida pessoal, causando desequilíbrio e frustração.

 

 

No trabalho é quase inevitável passarmos por problemas ou fases ruins.

 

Enfrentaremos riscos, erraremos e trabalharemos sobre pressão. Haverá sempre aquele relatório ou tarefa que você não gostaria de fazer ou um feedback negativo.

 

É preciso encarar essas situações com maturidade.

E diferenciar fases, momentos ruins, daquilo que realmente não nos serve mais.

 

 

Ninguém está isento e não é uma situação ou um dia ruim que causa infelicidade. É a soma de alguns fatores.

 

 

Se você está insatisfeito com o trabalho que tem ou, apesar de gostar do que faz e da empresa onde atua, não se sente plenamente feliz, talvez o problema não esteja nem mesmo no trabalho. 

 

 

Pode ser algum desequilíbrio entre o que você faz na vida profissional e o que ambiciona para sua vida pessoal.

 

 

E no fim, tudo é uma coisa só. 

 

A felicidade no trabalho só se estabelece quando você toma consciência de que o campo profissional não é um espaço isolado, ele recebe interferências de outras áreas da vida, como a familiar, a financeira, a espiritual e a social, por exemplo.

 

“Se um lado está desequilibrado, ele afetará o outro.

 

Quando o conjunto de elementos que forma a nossa vida estiver bem, você se sentirá bem.

 

 

Mas cuidado para não ficar buscando a perfeição em todas as áreas da vida, muitas vezes, nos afasta daquilo que é fundamental – a harmonia.

 

Para se alcançar a felicidade profissional, o ideal é aliar todos esses elementos e encará-los do modo mais natural possível, e aprender a lidar com as pequenas dificuldades diárias.

 

 

 

 

Existem alguns fatores que dão um empurrãozinho para a felicidade no trabalho:

 

1 – Faça o que gosta:

Fazer o que gosta é o primeiro passo para conseguir alcançar a satisfação na carreira.

Não significa fazer apenas o que gosta, e sim atuar com suas potencialidades e em um ambiente que te permita se desenvolver o máximo possível.

 

 

2 – Autoconhecimento:

Saber o que te faz bem, o que é necessário para sua vida, o que te motiva e o que te dá prazer é fundamental para você buscar a felicidade no trabalho.

 

Quando não temos estes itens bem claros, corremos o risco de ficar seguindo padrões dos outros, que não nos servem, ter grandes conquistas  – e continuar insatisfeito.

 

 

3 – Valores Pessoais x Valores da Empresa:

No que você acredita?

Quais os seus valores e ideais de vida, o que acredita que é certo ou errado? A empresa – e as lideranças – de onde você trabalha possuem valores compatíveis?

 

Vocês compactuam com as decisões, posturas, ideologias?

 

Você tem orgulho do que faz e da empresa onde trabalha?

 

4 – Desafios e Reconhecimento:

Ter desafios constantes e perceber que está evoluindo, crescendo na carreira e como pessoa.

 

Se sentir útil, respeitado e reconhecido por colegas e líderes são outros fatores que também contribuem para a felicidade na carreira.

 

 

5 – Ter bons relacionamentos:

Ter relacionamentos respeitosos e saudáveis no ambiente de trabalho.

Conviver com pessoas com as quais sentimos afinidade trazem inúmeros benefícios.

Além disso, é importante também cultivar bons hábitos durante o expediente: fuja das fofocas, organize seu tempo e sempre que puder, ensine algo.

Compartilhar conhecimento é um ato nobre, que aproxima as pessoas, gera confiança e nos inspira em todas as áreas da vida.

 

 

Esses 5 fatores, porém, não são isolados, uma vez que a nossa carreira, assim como o mercado de trabalho, está em constante mudança.

 

 

A felicidade é uma atividade e escolha diária.

 

Pratique!

 

A satisfação e o bem estar em exercer as atividades do dia a dia impulsionarão a sua motivação e o seu crescimento na carreira.

 

 

 

******

Você anda desanimado com a sua carreira?

 

Talvez seja hora de pensar numa Transição de Carreira

CLIQUE AQUI E ASSISTA UM VÍDEO ESPECIAL

 

 

 

 

Compartilhe!

Insatisfação profissional: por que estamos tão frustrados?

Ilustração sobre a insatisfação profissional e a mudança

Este artigo vai abordar questões muito importantes sobre a insatisfação profissional, frustrações com a carreira e o trabalho, algo que parece tendência na nova geração.

 

A nova geração profissional chegou ao mercado de trabalho com ambições e habilidades bem diferentes dos seus antecessores.

 

Eles têm pressa, querem viver o hoje como se não houvesse amanhã.

Crescimento contínuo, aprendizado acelerado e um tal de propósito viraram itens básicos, mais valorizados até do que os planos de benefícios.

 

Por outro lado, empresas tentaram se adequar às pressas, maquiando locais de trabalho e processos para que a flexibilidade exigida por muitos parecesse existir.

 

Em muitos casos, a liberdade de trabalho foi substituída por e-mails, viagens e reuniões aos finais de semana e os bônus e reajustes salariais trocados por snacks e máquinas de café durante o expediente.

 

Nossos pais ou avós tinham uma divisão clara entre casa e trabalho. Dificilmente eram acionados fora do expediente, a velocidade das mudanças e dos processos era mais lenta, a cobrança era menor. É claro que tudo isso tem um preço, que nós estamos pagando.

 

Aos poucos, muitos profissionais vêm percebendo que a conta corporativa não fecha.

 

Infelizmente vivemos neste cenário que prioriza muito mais a produção e menos a satisfação, sendo que a satisfação de qualquer trabalhador está intimamente ligada com a eficácia produtiva do trabalho, principalmente no que tange a qualidade.

 

Parece que vivemos na era da insatisfação profissional

 

Muitas empresas estão abarrotadas de funcionários insatisfeitos nos corredores, nas fábricas, nos escritórios.

 

E a insatisfação profissional varia de acordo com os sonhos, objetivos e expectativas de cada um.

Há quem tenha insatisfação profissional ocasionada pela escolha errada da profissão, provocada por diversos motivos, como atendimento aos desejos dos pais (seguir uma carreira para agradar o grupo social que o cerca), imposições sociais, falta de análise crítica para definir o que realmente o satisfaz, entre outros.

 

Há quem tenha insatisfação profissional pelo cargo que exerce. A profissão até pode ser a sonhada, mas o cargo que exerce na empresa não é adequada para a pessoa, provocando insatisfações que às vezes podem ser confundidas por decepções à profissão como um todo.

 

E há pessoas insatisfeitas com a empresa e organização que trabalha, e os motivos nesses casos podem ser diversos, como insatisfação com o salário, com a gestão de equipe, discordância nos processos trabalhistas, entre outros.

 

insatisfação profissional

 

 

Existe alguma maneira de driblar a insatisfação profissional?

É possível mudar este cenário?

 

Claro que sim, e você vai entender como ao longo desta leitura!

Os inquietos

Ser feliz apenas aos finais de semana, trabalhar por dinheiro e não por satisfação, não saber – ou não poder – monetizar o seu sonho e viver fazendo o que ama, não ter tempo pra família, saúde e qualidade de vida – são itens que estão sendo questionados.

 

Neste cenário, surgem os inquietos, pessoas que fogem do padrão de conformismo, que não aceitam as regras e modelos de sucesso estabelecidas pela sociedade, que jogam tudo para cima ou migram entre uma profissão e outra, em busca desse algo a mais.

 

Claro que muitas vezes, a decisão é apoiada e incentivada pela família, que deu duro para manter o padrão familiar e educar os filhos em boas escolas, mas também vemos muitas pessoas que simplesmente não fazem questão de seguir os padrões do que a sociedade dita como “a melhor escolha”: pessoas que optam por não ter carro ou casa própria, aderem à um estilo de vida mais simples e consciente e que se preocupam muito mais com o ser do que com o ter.

 

Nos ensinaram que pra ter sucesso é necessário trabalhar duro, muitas vezes estar longe ou ausente da família, como nossos pais fizeram, e abdicar da vida pessoal e do que nos faz feliz, focando 100% no trabalho. Hoje, enxergamos que o caminho para ter satisfação em qualquer coisa que a gente faça é viver o hoje, aproveitar mais o agora e ter clareza sobre quem somos e o que queremos da vida.

 

E pra isso não existem modelos prontos, precisamos reinventar o trabalho e a forma como nos relacionamos com a carreira, com o sucesso, com a vida.

 

Pesquisas sobre psicologia positiva já mostram que se preocupar consigo não é egoísmo. A pessoa que mais tem capacidade, financeira e psicológica, para ajudar os outros é quem está bem de verdade.

 

Assim, quem está bem entrega ao mundo o seu melhor, como uma compensação pelas coisas boas vivenciadas, gerando um impacto positivo em suas ações e relações.

 

Quando você começa a se levar a sério, quando olha para o que realmente impacta em sua vida, quando potencializa quem você é e respeita a sua essência, você começa a realizar tudo o que sonha, vibra, deseja.

 

Como contornar o medo da mudança

A maior barreira para que as mudanças ocorram não é a falta de oportunidades e sim o medo da mudança.

 

O medo prende as pessoas, faz com que elas resistam às mudanças e fiquem presos à padrões, que muitas vezes já não servem mais.

E quem disse que para mudar precisamos mudar tudo de uma única vez?

 

Normalmente mudamos quando algo chega ao limite. Esperamos demais e quando vemos não dá mais tempo de agir com calma, com leveza. E isso pode ser um desastre.

 

De fato muitas pessoas temem a qualquer tipo de mudança, entram numa zona de conforto. Mas não devemos pensar assim, as mudanças de nossas atitudes fazem toda a diferença para um melhor futuro, qualidade de vida e satisfação no trabalho.

 

Os processos de transição de carreira auxiliam nas tomadas de decisões, de escolher a profissão correta e maneira mais segura para mudar os seus rumos profissionais. Neste vídeo eu falo sobre transição de carreira – e sobre como planejar a sua.

 

 

Os principais sinais de que sua carreira não vai bem

  • Tristeza aos domingos.
  • Sexta-feira é o dia feliz. Mas tudo é melhor do que trabalhar, inclusive ficar doente!
  • A vida está chata, sem graça e você reclama de tudo.
  • No trabalho, tudo o que você gosta de fazer não tem relação nenhuma com o trabalho em si.
  • Você sempre está procurando emprego ou oportunidades de empreender, correndo inclusive o risco de ir para algo pior.
  • Sua saúde, qualidade de vida, amigos e familiares não são prioridade. Aliás, como encaixá-los na agenda é sempre sua dúvida. Não dá tempo pra isso.
  • O que é propósito? Você não faz ideia. Sente que algo está faltando, mas não sabe o que é. Pra que você trabalha? Para pagar as contas do mês e olhe lá.
  • Faz compensações, consciente ou inconscientemente. Se não tem felicidade no trabalho, melhor ser feliz de outra forma: compras, comida, jogos, bebida.
  • Desafios, crescimento, orgulho da sua carreira. Quanto tempo que você não sente isso?
    Não faz ideia de como será seu futuro profissional. A única coisa que você tem certeza é que não quer continuar como está.

 

Se você se identificou com estes sinais de que algo não vai bem você precisa conhecer o processo de coaching de carreira . Podemos te ajudar, e muito, a superar as suas insatisfações profissionais e provocar a mudança certa na sua carreira.

Compartilhe!

O que é coaching de carreira e como ele pode te ajudar

Ilustração sobre o que é coaching de carreira e como funciona coach

Você sabe de verdade o que é coaching e pra que serve o coaching de carreira? O processo vai muito além do título e das técnicas.

 

Muito se ouve falar atualmente sobre coaching e suas inúmeras aplicações: carreira, executivo, liderança, empreendedorismo, negócios, vida, bem-estar, educação, idiomas e por aí vai.

 

Todo dia surge algo novo quando o assunto é coaching, atualmente no auge da moda.

 

Neste artigo você irá ler tudo sobre coach e entender o que é coaching de carreira.

 

O que é coaching?

O Coaching é um processo em que um profissional apoia o cliente para que este consiga melhores resultados, através de mudanças de comportamentos, ampliação do autoconhecimento, clareza e aumento da responsabilização sobre as suas escolhas.

“Coaching é uma relação de parceria que revela e liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o desempenho delas.” (Timothy Gallwey, um dos precursores do coaching).

Já ouviu falar em coaching de carreira?

 

O Coaching de Carreira tem como objetivo ajudar os clientes a melhorar a performance profissional, definir um planejamento de carreira, encontrar o ânimo e a paixão que perderam em suas carreiras ou a encontrar o melhor caminho para mudar de carreira, o que chamamos de transição de carreira.

 

Só para ter uma ideia do quanto um coach de carreira é procurado, uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva em novembro de 2017 revelou que 56% dos trabalhadores com carteira assinada estão insatisfeitos com o atual emprego, isso representa mais de 18 milhões de pessoas. É muita gente insatisfeita!

 

Esta insatisfação profissional pode acontecer por vários fatores: pode ser algo emocional, financeiro, arrependimento da carreira que decidiu seguir, entre outros.

 

O Coach de Carreira com foco em transição tem a missão de auxiliar as pessoas a encontrar o caminho certo na carreira, e se preciso for mudar, que tenha a coragem e atitude segura para realizar os sonhos profissionais.

 

Como ser um coach de sucesso?

No Brasil, não existe regulamentação sobre a formação e profissão de coaching.

 

Assim, qualquer escola de treinamentos pode formar novos coaches, sem ser necessário comprovar a expertise do professor ou o conteúdo que é ministrado (por isso a proliferação de novos profissionais mal qualificados).

 

Mas calma, isso também não é o pior: na verdade, nem é preciso ter a formação para se autodenominar coach.

 

A formação de coach no Brasil se enquadra na categorização de curso livre, que não precisa de reconhecimento ou autorização do MEC (Ministério da Educação).

Os formadores atuam sob vigência dos órgãos de defesa do consumidor.

 

 

Se qualquer um pode ser coach, como escolho um bom?

 

Qualquer um pode ser coach no Brasil. Mas se tornar um coach verdadeiramente de sucesso, com ênfase, qualidade, relevância e autoridade no segmento, não se pode optar por alguém que tem um marketing bonito ou um preço baixo.

É preciso optar por alguém que realmente tenha qualificação, vivência no tema, preparação e conhecimento prático sobre as metodologias que irá aplicar.

O IBC (Instituto Brasileiro de Coaching), revelou para reportagem da revista Veja que formou 20 mil pessoas nos últimos dez anos. A quantidade profissionais aumenta a cada ano, mas a grande questão é sobre a qualidade na formação destes profissionais.

Dados das instituições formadoras apontam que apenas de 2 a 3% das pessoas formadas realmente irão atuar como coaches, de forma profissional.

 

Um processo de coaching é algo sério.

Quantas pessoas que você conhece se sentem tranquilas indo cortar o cabelo numa escola de cabeleireiros? Eu não conheço nenhuma, com exceção de um amigo quase careca.

 

As pessoas não cortam o cabelo com alguém sem experiência e domínio porque não querem arriscar algo que valorizam, e isso porque o cabelo cresce.

 

Entretanto, tem gente que ainda põe sua vida, sua carreira, sob os cuidados de pessoas mal preparadas.

Um outro cuidado fundamental: a empatia e a sintonia.
Você irá abrir sua vida com o profissional escolhido, por isso é preciso ter confiança e empatia.

 

Sem sintonia e tempo para a relação acontecer e maturar, dificilmente haverá a conexão necessária para o processo de coaching funcionar.

 

E como acontece o processo de coaching?

O processo de coaching consiste em encontros, presenciais ou online, podendo ser individual ou em grupo, onde o coach aplica ferramentas e utiliza questionamentos profundos para que o cliente localize as respostas no lugar certo: dentro dele.
Todo o esforço deve ser para que o cliente seja capaz de se responsabilizar e encontrar as respostas, tendo mais clareza para a tomada de decisão, suportado por um plano de ação.

A partir desta clareza, o coach apoia o cliente e o conduz em direção ao seu objetivo, ajustando comportamentos que possam impedir o sucesso do planejamento.

De forma bem simplista, o que é ensinado pela maioria das grandes escolas de coaching é:
– Você está no ponto A e o processo de coaching te ajuda a chegar mais rapidamente no ponto B, que seria a sua meta.

 

Eu não sigo este processo desta forma tão linear, simplesmente porque na prática percebi que tinha que ser diferente.

 

Tendo por base os atendimentos que realizo, vi uma grande lacuna neste modelo: a maioria das pessoas não têm clareza total sobre si mesmas e/ou sobre as decisões e escolhas que fizeram até aqui.

 

 

Veja a Evolução do coaching desde a criação do termo até os dias atuais:

 

Infográfico evolução do coaching

(fonte: site SBCoaching)

 

Os primeiros usos do Coaching da forma como o processo é conhecido hoje, ocorreram no meio esportivo norte-americano, utilizado por treinadores para motivar profissionais de esportes individuais, como o tênis, e assim apoiarem os atletas a conquistarem melhores resultados.

A principal referência desta primeira fase é Timothy Gallwey, autor do livro The Inner Game of Tennis.

 

O Inner Game (jogo interno) é o principal diferencial do método utilizado pelo autor e diz que o principal oponente do competidor não é o adversário, e sim as suas limitações e fraquezas internas.

 

Ou seja, o método defende que o maior obstáculo para o sucesso é a nossa própria mente, que nos sabota, permanecendo na zona de conforto e fazendo com que nem tentemos obter melhores resultados.

 

Com o sucesso da técnica nos esportes, foi um pulo para o mundo empresarial adaptá-lo, usando o coaching para melhorar a performance de executivos, que ficou conhecida como Executive Coaching e tem como principal autor o inglês John Whitmore, autor de Coaching for Performance.

 

Os resultados obtidos através do coaching foram tão significativos que o processo foi cada vez mais utilizado para ajudar as pessoas a desenvolverem novas habilidades, desenvolver equilíbrio emocional e agilizarem seus aprendizados, obtendo assim um crescimento acelerado na carreira.

 

Logo, esse processo ganhou as ruas e hoje não só executivos e profissionais do mundo corporativo, mas qualquer pessoa pode ser beneficiada por um processo de coaching, em suas diversas e novas modalidades.

Mas esta popularização tem o seu lado negativo.

Como já dissemos, qualquer um pode se posicionar como coach e oferecer soluções para o cliente (inclusive soluções milagrosas), mas nem todos profissionais atuantes são realmente qualificados, exatamente pelo fato de não haver uma regularização no Brasil.

 

É sempre importante conhecer o histórico dos trabalhos que o coach promove, a história de vida, os segmentos que atua, clientes que já atendeu.

Caso contrário o cliente estará fadado a receber instruções e informações de baixa qualidade e que podem afetar muito na sua mudança de vida.

 

Um pouco mais sobre o Coaching de Carreira

 

É muito comum fazermos escolhas baseadas em modelos e padrões sociais.

 

Muitas pessoas escolheram a faculdade, a profissão e o primeiro emprego por critérios como: foi a mais fácil, eu queria outro e meus pais não deixaram, era a profissão que pagava mais ou com mais vagas.

 

Mas quando pergunto: e era isso que te faria feliz?

 

Ah, então surgem respostas diversas, os sonhos começam a ser resgatados.

 

É necessário trabalhar primeiro o autoconhecimento para que as escolhas e prioridades daqui pra frente realmente estejam alinhadas com aquilo que te fará feliz, completo, realizado, para que as suas escolhas reflitam de verdade quem você é, na essência.

 

Quando você sabe quem é você e o que te serve, o que é realmente bom para sua vida, aí então é hora de partir para as metas, objetivos, sonhos e estratégias para colocá-las em ação.

 

Agora sem estabelecer um único ponto final ou de chegada, uma única meta, o tal ponto B.

Ao contrário dessa visão mais simplista, estabelecemos o ponto C, D, E…Z! Mostrando assim que existem diversas possibilidades de se ter para uma vida equilibrada e com bons resultados.

 

E por que não escolher apenas uma meta?

Porque a vida muda, você muda, seus sonhos, as vontades mudam.

 

Muitas vezes, no próprio processo de coaching, conforme a clareza aumenta, o objetivo inicial que a pessoa queria buscar já mudou, já não faz mais sentido.

 

 

Agora, o planejamento é essencial, seja ele de curto, médio ou longo prazo.
Aqui não definimos um único ponto de chegada!

Definimos opções de caminhos e ensinamos a ajustar o que vier a ocorrer durante a jornada.

Você aprende para aplicar para o resto da sua vida!

 

De uma coisa você pode ter certeza, muita coisa vai mudar. A vida é assim.

Não existe planejamento que ocorra 100% certo do início ao fim. E para existir a independência nas ações, por mais que o coach esteja sempre ao lado apoiando, o cliente precisa saber ajustar a rota conforme a jornada acontece.

 

Neste vídeo eu falo um pouco mais sobre como ocorre o meu processo de coaching:

 

Enfim, um bom processo de coaching não é aquele que muda você, e sim aquele que te liberta, te desperta para que você seja você mesmo e viva a sua vida de verdade, com ótimos resultados e feliz.

 

É aquele que potencializa o que você tem de melhor, te estimula a fazer as coisas do seu jeito com ajustes de comportamentos, que respeita a sua essência e a sua forma de enxergar o mundo.
Que te ajuda a enxergar o porquê de você estar aqui, existindo, trabalhando, vivendo e até mesmo, lendo este texto.

 

 

Um relato de quem passou pelo processo de coaching de carreira com a coach Lilian Sanches:

“Sempre achei que em minha vida não tinha sonhos, mas que tinha uma série de degraus a subir naquela escada chamada carreira!
Não sabia ao certo quem eu era e nem onde eu queria chegar.
Eu olhava apenas para baixo para seguir os degraus e tentar não tropeçar. Eu já não pensava se estava feliz ou não. Mas seguia convicta de aquilo era o que existia pra mim. Quando comecei o coaching, tirei os olhos do degrau.
Comecei a me conhecer e a descobrir que existiam outros caminhos! Eles sempre estiveram lá, mas eu não era capaz de enxergar.
Quanto mais me conhecia, mais caminhos surgiam.
Mas eles não eram mais uma escada difícil de subir, mas sim caminhos cheios do que eu sempre sonhei. Eles me pareciam muito mais bonitos. Decidi seguir estes caminhos que mostravam quem eu realmente sou… o que realmente importa na minha vida!
Liberdade! Esse é o sentimento que melhor define o que pude sentir. Hoje sei o que me faz feliz, e é neste caminho que estou seguindo. Nunca estive tão leve, tão completa! Mas melhor que sonhar, é colocar os sonhos em prática! Ver tudo acontecer.
Começar tudo de novo? Sim! O que me importa é ser feliz! Sonhos em ação!”
Patrícia Destefano

 

Clique aqui para mais informações sobre COACHING 

 

 

Compartilhe!

Essa carreira é mesmo sua?

Imagine se você pudesse se assistir, como se fosse um filme, sua vida passando ao vivo na frente dos seus olhos.

 

Você pudesse passar o dia todo somente vendo, acompanhando: o que você faz, como se comporta, como conversa com as pessoas, como reage nas reuniões e nas interações, visse os trabalhos que faz e entrega, a forma como conduz cada atividade…

 

Olha ali, aquela pessoa na mesa, sentada, pensativa, semblante cansado…Pois é, é você.

 

Olhe mais de perto. Olhe nos olhos. Ouça os pensamentos. Sinta a alma, as vontades, as angústias, os anseios.

 

É você mesmo?

 

Ou aquela pessoa é somente um personagem, um falso você, criado, inventado, moldado para atender padrões, cumprir ordens, se encaixar numa sala, baia, área ou setor qualquer, só que não tem nada a ver com você?

Pare um instante e pense: como e porquê você foi parar ali?

 

Você planejou tudo isso, construiu uma carreira baseado nas suas preferências e necessidades, no que você sempre gostou de fazer?

Ou você foi seguindo os acontecimentos, as oportunidades, se ajustando para caber no mundo dos outros, recebendo e acolhendo ordens que não concordava, fazendo atividades que não gostava?

 

Neste caminho você acordou cedo, dormiu tarde, deve ter perdido muitos momentos especiais em família, talvez ganhado uma gastrite ou no mínimo algumas noites sem dormir.

 

Ah, se foi só isso, que feliz que você foi. Algumas pessoas perderam a família, amigos que se afastaram, outros perderam a sanidade e alguns até a vida.

 

E aí, em que momento você encaixotou seus sonhos, suas verdades, seus valores e talentos para viver uma carreira que não é sua?

 

E quanto isso impactou positiva ou negativamente na sua vida?

 

Se você pudesse mudar tudo, o que estaria fazendo hoje?

Em qual empresa estaria? Fazendo qual trabalho?

Como se comportaria?

Poxa, já começo a ver alguém feliz, ali, um sorriso no canto do lábio, no canto da alma.

A boa notícia é que sim, você pode.

Lembra que isso é um filme? Você, um ator.
Protagonista ou vítima, é você que escolhe o papel que vai desempenhar.

E não tem roteiro. Não tem ensaio. Quando estala a claquete, o sol nasce e alguém sopra no seu ouvido: gravando!

 

Está nascendo um novo dia e você define o que fará com ele.

O “The End” está em suas mãos.

 

_______

Já viu nossa AGENDA DE CURSOS – PRESENCIAIS E ONLINE? 

 

Compartilhe!

O que a proatividade tem a ver com o seu sucesso?

O que faz algumas pessoas serem bem-sucedidas na vida e outras ficarem estagnadas? O que leva algumas pessoas a alcançarem o sucesso profissional e outras a se manterem num mesmo estágio em sua carreira? O que paralisa algumas pessoas e o que é capaz de motivá-las, levando-as mais além, a conquistarem novos horizontes, um melhor desempenho? Quais talentos, valores e crenças definem as pessoas? Como as pessoas se veem diante da vida – vítimas ou autoras da sua própria história?

 

Cada um poderá responder a essas perguntas conforme sua perspectiva cotidiana, suas experiências, o ambiente em que está envolvido e conforme os valores que recebeu desde criança.

 

Você já parou para pensar que VOCÊ É ÚNICO e que não existe outra pessoa igual a você?

 

Mas o que torna uma pessoa diferente da outra muitas vezes está relacionado à sua postura. O que faz uma pessoa mudar o “rumo” da sua vida ou continuar na “mesmice” é a sua postura diante do que lhe é posto e as atitudes tomadas para encarar essas situações. Esses são fatores determinantes do sucesso ou do fracasso e o que fará qualquer pessoa alcançar um dos dois é o quão importante são os seus sonhos, objetivos, seu propósito de vida.

 

Todos os dias você decide se continua do jeito que é ou muda. Você tem o poder de participar da sua autocriação.

 

Conhecer a si próprio faz parte do entendimento dos seus comportamentos. Saber onde está (seu estado atual) e aonde quer chegar com sua postura (estado desejado – futuro) pode levá-la mais rápido ao objetivo pretendido.
Ser proativo é ter senso de prontidão e urgência, é arriscar-se a estar à frente de qualquer problema vivenciado ou que poderá acontecer se nada de positivo for feito. Ao contrário disso, pessoas que não têm esse comportamento exibem os padrões opostos: não conseguem identificar ou aproveitar as oportunidades de mudar as coisas em qualquer área de sua vida.

 

O profissional proativo tem como características: busca constante por oportunidades de mudança; execução de ideias; enfrentamento de obstáculos; sabe se opor sem criar confrontos e conflitos; tem flexibilidade a ponto de saber lidar com qualquer mudança; tem iniciativa, atitude, auto-liderança e perseverança; tem agilidade, coletividade e capacidade de gerar valor agregado ao produto; é capaz de compatibilizar inteligência, experiência e expertise, transformadas em valores éticos; tem visão global; é empreendedor e tem facilidade de inovar.

 

Entretanto, para tomar decisões corretas e antecipar-se às possíveis demandas, é preciso estar preparado e atento a todas as situações, de modo que se possa adquirir conhecimentos, experiências e informações que favoreçam uma ação pensada.

 

Profissionais proativos enxergam sempre o trabalho como sendo o seu próprio negócio, possuindo um perfil empreendedor mesmo numa estrutura organizacional.

 

proatividade no trabalho

 

Um dos grandes desafios dos recrutadores durante a seleção de um candidato é, em poucas horas, conhecê-lo tão bem a ponto de saber se o seu comportamento pessoal está alinhado às suas características profissionais. Afinal de contas, currículo e boa aparência nem sempre são suficientes para dimensionar se o candidato tem perfil proativo. Atualmente admite-se por competência e demite-se por comportamento e, para evitar que isso aconteça, é imprescindível que, além de testes de personalidade, existam testes de comportamentos práticos, em equipe ou que induza a liderança.

 

Os profissionais que possuem comportamento proativo tendem a empenhar mudanças nos ambientes em que atuam e, com isso, as empresas para as quais trabalham muitas vezes também adotam posturas proativas diante do mercado.

 

Os proativos sempre buscam maneiras de fazer melhor, mais rápido ou com menor custo aquilo que já se faz, possuindo uma capacidade de converter problemas em belas oportunidades.

 

Quando somos competentes e estamos motivados, determinados e focados os nossos pensamentos e ações superam nossas limitações.

 

Também existem algumas atitudes que comprometem a proatividade. É importante salientar que ser proativo não é sinônimo de arrogância, prepotência ou antipatia. É fundamental desenvolver  e aprimorar as competências comportamentais no dia a dia.

 

A falta de preparo e a insegurança são outros obstáculos que dificultam os profissionais a se tornaram mais proativos. As pessoas proativas devem buscar sempre respeitar as individualidades e aprender a construir com os diferentes tipos de personalidades e gerações presentes em uma equipe. Para isso, é necessário ter uma postura mais questionadora sobre elas mesmas.

 

Decisões corretas sobre pessoas exigem conhecimentos de suas individualidades e de como as habilidades de cada um podem ser reconhecidas e utilizadas da melhor maneira.

 

Ser proativo é uma escolha e está relacionado ao querer e ao agir, saindo do discurso e indo para a prática. É a capacidade de dirigir a sua própria vida – pessoal e profissional – e ter consciência de que ser competente, ter sucesso e ser feliz são atributos de sua inteira responsabilidade.

 

 

Compartilhe!